Ideias e poesias, por mim próprio.

Sábado, 15 de Janeiro de 2022
País a votos

No próximo 30 de janeiro teremos um novo campeonato eleitoral.

Já vamos escutando os proclames eleitorais do costume, “vamos ganhar”, “agora é que é”, “vamos ser Governo” e “isto vai ser nosso”.

São os sinais de um país à deriva, sem rumo, sem futuro e, especialmente para os mais jovens, sem esperança e sem soluções.

A reforma mais necessária e útil para Portugal fica novamente adiada, ou seja, a redução, por um lado, do tamanho do atual obeso e ineficaz Estado e, por outro, um radical corte na despesa pública.

E não há qualquer melhor Estado, qual Regionalização, qual descentralização!

Não passam de palavras de …mais despesa, mais impostos, mais políticos profissionais, mais burocracia, mais corrupção, afinal …mais Estado.

A redução do nível impostos em 50%, começando pela redução do atual número (308) de concelhos e Câmaras Municipais a não mais de 50, com 200 mil habitantes cada, e as freguesias (3.091) a meras 500, com 20 mil habitantes cada, …qual quê!

O combate à corrupção, de 20 mil milhões de euros ano, o combate aos desperdícios inúteis do Estado, passando pelo fecho de todas as empresas e institutos públicos falidos, ou dos seus infindáveis aparelhos e acólitos, de mais de 35 mil milhões euros ano, com a devolução da riqueza às pessoas, às famílias e às empresas, afinal quem a cria, acrescenta e amealha, ...nada!

Perante o atual nível suicida da dívida pública, de 271,5 mil milhões de euros, fixando-se já em 131,4% do Produto Interno Bruto português, o país vai rumando alegremente para o precipício.

Os alarmes vermelhos da inflação e da subida de juros já tocaram, mas os maiores irresponsáveis assobiam para o lado.

Os problemas quotidianos do envelhecimento populacional, a desertificação humana, a emigração maciça, a fuga dos jovens, a destruição ambiental, comercial e industrial, a pauperização social, familiar e profissional, entre muitos outros maus sinais e augúrios nacionais, são votados ao desprezo, à inação e ao esquecimento.

Como dantes, escutamos as ladainhas ideológicas, a aritmética eleitoral, o engajamento dos interesses, a alimentação das clientelas, os tráficos de influências, os negócios corruptos e, mais recentemente, a pandemia e o Covid.

Ora, no lugar do serviço ao povo e ao país, percebemos-lhes que vão para “se servirem”, ou não rendesse cada voto € 2,90 de subvenção por ano ao respetivo Partido.

E os 45 mil milhões da bazuca europeia será para mais tarde recordamos como mais um rebuçado que a cáfila alcandorada no Estado papou.

(twitter: @passossergio)

(artigo do autor, publicado na edição de 31 de Dezembro de 2021 do jornal mensário regional  "Horizonte" de Avelar, Ansião, Leiria)

horizonte dezembro2021.jpg



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 22:08
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 5 de Maio de 2020
Oligarcas

No passado 25 de Abril vimos a oligarquia do regime a fazer alegremente a sua comemoração privada na Assembleia da República, tudo pago pelo povinho.

Já o Povo ficou confinado em casa, caso se atrevesse a sair à rua para celebrar era imediatamente ”convidado“ a fazer marcha atrás, sob pena de ser conduzido ao posto da polícia mais próximo e, posteriormente, responder pelo crime de desobediência.

As tísicas comemorações do 25 Abril na Assembleia da República, compostas por 60 oligarcas, escolhidos das plutocracias dos Partidos Políticos, e uns quantos mamões da República.

Está por fazer o 25 de Abril, vivemos sob a ditadura da Partidocracia altamente corrupta.

A pandemia do Covid19 vai servir para justificar um novo monstruoso endividamento do Estado Português, os excessos do funcionalismo público e os vícios da oligarquia ditam a lei.

O povo português, em todos os tempos, sempre se conheceu pobre, trabalhando incansavelmente de noite e de dia, limitando-se a matar a fome com as migalhas que sobram da mesa da burguesia estatal.

Mais dívida pública são mais vícios e desperdício para benefício da oligarquia e dos seus meninos e meninas, mais encargos e sacrifícios para o povo e o futuro dos seus filhos.

A austeridade vem aí com mais impostos, em volume e em número, com especial incidência nos contribuintes privados, mais cortes nos apoios sociais, mais cativações e uma miríade de novas taxas e taxinhas.

No setor privado abundará o desemprego, o preço das dívidas monstruosas do Estado que oneraram os esforçados trabalhadores, operários e empresários.

O problema da economia portuguesa só resolverá no dia em que os mais de 5 milhões de arregimentados do Estado sejam postos a trabalhar e a produzir, retirados da vida parasitária e ociosa.

Produzir e poupar são coisas não fazem parte do pensamento e do vocabulário destes manda-chuva.

Os campos, os vales e as serras de Portugal jazem abandonadas ao arbítrio do desperdício, do mato e dos animais selvagens, para que as poderosas bestas livremente destruam o que resta da pátria.

Nem tão-pouco lhes interessa debelar a corrupção no Estado Português que custa anualmente aos contribuintes 18,2 mil milhões €, são “só” duas vezes o orçamento de toda a Saúde dos portugueses.

Este montante chegava e sobrava para termos os hospitais, médicos, enfermeiros, medicamentos, máscaras, proteções, desinfetantes, respiradores e muitos outros meios que agora nos fazem falta para proteger e tratar de todas as pandemias, a fome e muitas outras carências que sucessivamente nos assolam.

Mas o lema de António Oliveira Salazar faz escola nestes oligarcas, “manda quem pode obedece quem deve.”

 

(twitter: @passossergio)

(artigo do autor, publicado na edição de 30 de Abrilde 2020 do jornal mensário regional  "Horizonte" de Avelar, Ansião, Leiria)

 

horizonte abril 2020.jpg

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 16:46
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2023
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

País a votos

Oligarcas

arquivos

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
"A maioria socialista mistura dois dos piores, por...
O governo (?) está coeso e os problemas resolvem-s...
"As várias privações materiais dos portugueses, co...
Conversa de 1914 não obrigado!.[sim: o europeu-do-...
Boa noiteA Rússia é comunista, ou é o atual govern...
Talvez se a educação em Deus se baseasse mais na o...
Parabéns pelo seu Blog. Queremos convidá-lo para o...
pois é sempre bom um aeroporto internacional.
Boa noiteNão é preciso inventar uma nova constitui...
Estamos mesmo a comparar o presidente do Banco de ...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub