Ideias e poesias, por mim próprio.

Sábado, 23 de Dezembro de 2017
Malditas armas

A recente morte duma inocente, atingida involuntariamente pela PSP numa perseguição de suspeitos criminosos, deve obrigar-nos a refletir sobre uso das armas pelas forças policiais.

Uma vida humana ceifada não tem preço, nem pagamento, nunca volta, é uma vida atraiçoada, para a qual não há recompensa, meio, ou qualquer forma que a faça voltar à sua condição natural.

O sacrifício de mais uma vítima inocente, atingida por uma bala perdida, de entre mais outras 39 balas que atingiram o veículo onde se fazia transportar, só vem confirmar, infelizmente e uma vez mais, as desastrosas consequências do uso excessivo e desproporcionado dos meios letais de fogo.

Há muitos anos que penso que a GNR e a PSP, no seu serviço ordinário de patrulhamento ordinário, ou comum, a exemplo da política britânica, não deviam transportar ordinariamente consigo quaisquer armas de fogo.

Só excecionalmente, portanto, exigindo-se a sua necessidade, proporcionalidade e adequação ao caso, ou seja, por exemplo, em situações de violenta desordem pública, de resposta e ou de reação, é que o uso das armas podia e devia legalmente ser autorizado.

As armas de fogo jamais deveriam ser entendidas com um meio corrente, ou potencial, de indiscriminado e vulgar acionamento ou utilização, sem que existam, muito fortes, estritos e justificados motivos e razões para o seu uso.

Poderão dizer que as polícias estão obrigadas ao cumprimento dum regulamento do porte, uso e manuseio das armas.

Quase sempre, esmagadoramente, está provado, quando as armas são postas em funcionamento são os inocentes quem jazem ao solo em primeiríssimo lugar e em elevadíssimo número.

Não está em causa, nem sequer estou a ditar uma qualquer condenação, até prova em contrário e condenação judicial para o efeito, dos agentes policiais em causa que deram causa à morte daquela inocente.

Os senhores agentes também são, na maioria das vezes, inocentes e vítimas da violência, quer no modo como lhes são entregues as armas e, especialmente, como nos dias de hoje lhe são atribuídas as difíceis tarefas policiais e de proteção da ordem pública.

Eu não queria, nem quero, nem aceito por nenhum preço, transportar uma qualquer arma comigo!

É tempo de parar, refletirmos, e, imprescindivelmente, encontrarmos os meios de nos pacificarmos e ao mundo inteiro que nos rodeia, e o fim da facilidade do porte das armas seria um princípio!

Basta de tanta mortandade humana, é urgente a paz.

Pela Humanidade as únicas armas permitidas devem passar a ser as forças da razão, da verdade e da solidariedade humanas!

 

(artigo do autor publicado na edição de 1 de Dezembro de 2017 do jornal mensário regional "Horizonte" de Avelar, Ansião, Leiria - http://www.jhorizonte.com)

 

Horizonte dez3mbro2017.jpg

 


tags: , ,

publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 18:48
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 23 de Junho de 2014
Polícias portuguesas: forças de paz ou de guerra contra o próprio povo?

As polícias de países bem mais desenvolvidos do que Portugal, no que eu concordo inteiramente, não trazem armas consigo nas suas operações de rotina.

Nestes países desenvolvidos, com muito paz social, menos criminalidade e mais felicidade geral, as armas só são utilizadas pelas forças policiais em operações especiais e devidamente autorizadas. 

E para mim quem mata outro ser humano, pior ainda quando é uma criança indefesa, pelas costas, para mim é, e será sempre, um assassino e um cobarde!

Nenhuma morte é tolerável ou aceitável, e muito menos quando resulta da atuação policial!

O paradigma do uso da força pelas policias deve mudar em Portugal!

Violência traz apenas mais violência, as armas trazem mais armas e apenas estimulam o seu uso irracional com prejuízo do uso alternativo e prioritário das medidas de diálogo, paz e civismo.

As armas devem ser tiradas a todas as forças policiais portuguesas, devendo estas começaram a estar na rua, portanto desempenhando as suas missões de rotina, sem qualquer instrumento letal e tendo subjacente e somente em vista a melhor aplicação pacífica da lei.

A atuação policial deve, portanto, fazer-se pela educação, pela paz e pelo civismo, e jamais pelo uso da força, qualquer que ela seja, contra os cidadãos.

A força bruta ou armada deve ser só utilizada como última ratio e só depois de estarem esgotados todos os outros meios pacíficos.
O melhor exemplo de civismo, paz social e educação deve começar pelo Estado!

 

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 10:58
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Malditas armas

Polícias portuguesas: for...

arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
"É sabido que o excesso de velocidade é em Portuga...
Dediquei-me a pesquisar os nomes das primeiras dez...
E se a legislação que se prepara for avante? Como ...
Sr. Doutor Sérgio Passos, um bem haja ao seu profi...
Coimas mandadas para casa, é muito simples, no avi...
Da minha, não. Descontei para ela.
O meu e-mail é sergio.passos@sapo.pt. Poderá conta...
Agradeço muito sinceramente o seu conselho. Seguir...
Nos termos do artigo 21o da Constituição da Repúbl...
Que pode um cidadão fazer contra este estado de co...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub