Ideias e poesias, por mim próprio.
Domingo, 3 de Março de 2019
Dívidas

De há muito o Estado Português vive acima das possibilidades dos portugueses, alimentado por dívidas, impostos abusivos e da confiscação da propriedade privada.

Não pode ser chamado de democrático quando privilegia os funcionários públicos, com o salário mínimo de 635€ (salário médio-base 1.450€), 35 horas semanais de trabalho, ADSE de luxo e os direitos garantidos de emprego vitalício e reforma média até à idade de 60, em detrimento dos trabalhadores particulares, com o salário mínimo de 600€ (salário médio-base de 970€), 40 horas de trabalho, SNS raquítico, ou saúde paga do próprio bolso, precariedade no emprego, pauperização no desemprego e incerta reforma só após os 66 anos.

E os exemplos desta desonestidade sucedem-se.

O Orçamento Geral de Estado de 2019, segundo a Associação Frente Cívica, tem por explicar um saco azul de 4€ mil milhões, que representa 5% do OE.

Este valor oculto representa quase o dobro das verbas da Segurança Interna, quase dois terços da Educação ou quase três vezes mais do que a da Justiça.

Perguntado sobre esta ocultação o Governo mantém um manto de opacidade sobre todo o documento do OE.

A Caixa Geral de Depósitos, sabe-se agora, ignorando pareceres de análise de risco e não respeitando as suas próprias regras, concedeu elevados créditos sem ter garantias suficientes de que iria recuperar o dinheiro, resultando, entre 2000 e 2015 e só em 46 grandes financiamentos, em perdas de mais 1.2€ mil milhões.

Tudo isto se percebe bem na dívida líquida pública portuguesa acumulada nos últimos 44 anos que, segundo dados do Banco de Portugal de janeiro deste ano, que aumentou 600 milhões de euros em só em novembro face a outubro passado, subindo ao recorde de 225€ mil milhões (222.197€ em outubro de 2017).

O endividamento externo nacional gerado pelos Bancos portugueses, com a tolerância do BdP, ascende a mais de 721 mil milhões de euros.

50% do preço final da habitação, segundo um estudo financeiro e fiscal de 2018 da Associação Portuguesa de Proprietários (APROP), corresponde ao custo da carga fiscal.

Foi preciso morrerem 4 pessoas no desastre da pedreira de Borba para que o Ministério do Ambiente acordasse para a situação irregular de 190 pedreiras, laborando na descarada ilegalidade e colocando em risco de vida dezenas de milhar de pessoas.

Este é o regime político apátrida que não respeita a vida humana, destrói os recursos nacionais, aliena a soberania nacional, persegue e expulsa o seu povo.

Mas o povo que entende viver de quimeras ideológicas, vota em Partidos Políticos como se de paixões de futebol tratassem e elege desavergonhados cleptocratas, decerto, aceita ser escravizado, aviltado e espoliado.

Ora, a partir de fevereiro, após alguma acalmia e relativa baixa, o novo aumento da carga fiscal sob os combustíveis vai dar início a uma nova escalada de preços.

(twitter: @passossergio)

(artigo do autor, publicado na edição de 1 de Fevereiro de 2018 do jornal mensário regional "Horizonte" de Avelar, Ansião, Leiria)

horizontefevereiro2019.jpg

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 14:26
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Dados do Estado Português...

Dados do Estado Português...

CCDR Norte cria taxas ile...

País de vícios

As lojas maçónicas e os d...

Mais vale um criminoso do...

Saara

Prémio Nobel da Paz 2019 ...

Por uma urgente Assemblei...

Inveja

arquivos

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
Contador
últ. comentários
Muito bem,mas desmascarados já não devem dar respo...
E para anestesiar a populaça(já muito distraída e ...
Ao e-mail acima da CCDR Norte respondi, o que repr...
Recebi um e-mail de comentário a este artigo, o qu...
URGE O SEPARATISMO-50-50:- apesar de disporem de g...
Dec Lei 207/2005, de 29/11, diz no seu artº 16º, t...
Os meus sinceros parabéns dr pela sua frontalidade...
Gosto de falar em casos práticos. Já alguém impugn...
Muito obrigado, cumprimentos.
Completamente de acordo,estive agora mesmo a fazer...
blogs SAPO