Ideias e poesias, por mim próprio.
Segunda-feira, 29 de Agosto de 2011
Portugal tem solução?

Cada vez estou mais convencido que no actual quadro geral institucional, político e partidário português vigente não há qualquer solução viável à vista, nem sequer existe oficialmente a mínima vontade para se resolverem em consenso e pacificamente os problemas de que Portugal gravemente padece.

As elites políticas e partidárias, quer à esquerda, quer à direita, com quem vou falando e procurando ora sensibilizá-los das tensões, das dores, dos sofrimentos, das aspirações e das ânsias populares, tentando eu sensibilizá-los a estabelecerem pontes para a necessidade imperiosa e urgente de um diálogo amplo, aberto e franco entre todos os portugueses, as respostas que vou recebendo são da mais absoluta oposição a qualquer diálogo democrático com os demais portugueses.

As elites políticas, especialmente as governativas dos últimos 20 anos, não querem nem desejam ter um debate franco e aberto com a sociedade civil.

Infeliz e absurdamente para os partidos políticos em geral, o povo não existe e tão-pouco lhe é reconhecida a elementar soberania jurídica e fáctica de Portugal.

São 37 anos de um poder tomado absoluto, dono e senhor de Portugal, e mais não entendem para além da legalidade arreigada dos seus privilégios e poderes.

São 37 anos de uma pequena minoria detendo tudo nas suas mãos e e consumindo tudo para si, sem aceitar partilhar ou prescindir dos seus privilégios e das suas mordomias.

Para as elites políticas e governativas o Estado e a Governação são uma coisa exclusivamente sua e de sua única e exclusiva propriedade, são hábitos velhos e costumes viciados.

O Povo, para eles, são os independentes e estão fora do seu dito sistema, não contam como parceiro nem têm autoria.

No actual quadro partidário, o Portugal é uma coisa própria e exclusiva ao serviço, para o consumo e desfrute exclusivo dos grupos, das forças, das corporações e dos sindicatos  ancorados nos partidos políticos vigentes, entendendo-se estes como os seus únicos e absolutos comensais.

Para esta nomenclatura política e partidária, expressa na representação visível e conhecida na Assembleia da República, os portugueses não existem sequer como povo ou gente, ou massa de pessoas humanas.

Para os partidos políticos o Povo é uma massa anónima sem rosto, sem voz política, sem direitos de participação ou decisão, sem personalidade e sem direitos políticos, existindo única e nada mais e como objecto de obrigações, para trabalhar e servir as manjedouras do domínio.

A mesa e o festim da dos negócios e das negociatas dos milhares de milhões são coisa exclusiva para as elites políticas, financeiras e bancárias.

Ao povo restará, segundo aqueles iluminados e abençoados, sofrer e sujeitarem-se ao que lhe for servido das réstias e dos restos.

Portanto, não há qualquer solução alargada, consensual e democrática no actual quadro do sistema legal e organização política vigentes, por nem sequer haver qualquer vontade no actual poder político em a encontrar.

Outro resultado não haverá, trágica e fatalmente, que não seja a eclosão da radicalização dos campos em confronto.

Para evitar o desastre anunciado seria e é necessário a instauração em Portugal de uma democracia humana, humanística e cívica e o chamamento de todos os portugueses a um trabalho e uma tarefa comuns, e sempre o fazendo no seu legítimo direito a se exprimirem e tomando parte activa, em condições e direitos iguais, quanto aos destinos políticos de Portugal.

A cidadania tem de passar a efectivar-se na Casa da Democracia, libertando-a da situação de refém dos partidos políticos e terminando com o retalho entre os partidos dos privilégios e dos benefícios, e só assim se fará cessar a ameaça da independência e da integridade de Portugal.

Resta a este mesmo povo dar uma universal resposta de humildade e abnegação democrática, em ordem a marcar o momento histórico que vivemos como uma das mais brilhantes páginas de solidariedade nacional e popular de Portugal.

O Povo português tem de se erguer unanimemente e tomando a comum solidariedade de todos os seus indivíduos caminhar para um novo e fraterno Portugal.

É urgente mudar, e só com e por meio de uma democracia cívica e universal de todos os portugueses Portugal terá solução.



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 12:52
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


posts recentes

Mudar Portugal: 35 medida...

Justiça a “la carte”

Aeroporto

TAPar

Abstenção

Grunhos

35 medidas para despartid...

Desajustados

O poder da ignorância

 Deputada falsificada

arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
Bem pregas frei tomas ..., pelos vistos é você mes...
interessante ouvir vociferar contra a VENDA do our...
Olá!Quer saber mais do Brazão de Castro - Secretár...
"É sabido que o excesso de velocidade é em Portuga...
Dediquei-me a pesquisar os nomes das primeiras dez...
E se a legislação que se prepara for avante? Como ...
Sr. Doutor Sérgio Passos, um bem haja ao seu profi...
Coimas mandadas para casa, é muito simples, no avi...
Da minha, não. Descontei para ela.
O meu e-mail é sergio.passos@sapo.pt. Poderá conta...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub