Ideias e poesias, por mim próprio.
Sexta-feira, 26 de Agosto de 2011
A esquerda Prozac e o “fim da picada”.

Tudo isto não deixa de ter uma enorme piada e, muitas vezes, nem por isso.
Há uns tempos para cá, com especial enfoque neste ano de 2011, a esquerda política tem vindo a adoptar, um pouco por todo o mundo, uma liturgia semi-religiosa de fim dos tempos e de apocalipse quase-Bíblico e, repetidamente, anuncia que estamos a chegar ao epílogo das civilizações.
Para espalhar a sua mensagem chega até nalguns caso a ilustrar-se em belos PowerPoint, vídeos e argumentos tipo hollywoodescos, tudo para reforçar o quadro e a imagem do horror terrífico do cataclismo desse fim.
É o fim de qualquer coisa, o fim do beco, é o revisitado fim da história de Francis Fukuyma, porventura ainda mais irracionais.
É um fim pregado qualquer, embora na maioria das vezes me pareça mais evidente a sua semelhança à ainda mais conhecida imagem do “fim da macacada”.
Este beco e o seu fim revelam-se, vemo-lo, numa enorme amálgama de difusos e desencontrados sentimentos da desesperança da esquerda que, confrontada já há 20 anos com o fim do comunismo e não conseguindo encontrar alternativas ideológicas, converteu-se agora num acto de fé a um novo mito.
Outras vezes, qual novidade remasterizada de um ícone pop, esta mesma esquerda anuncia o fim do capitalismo, recuperando as idiossincrasias marxistas acerca da necessária e lógica, a seu ver, queda dessa máquina vil de exploração da classe trabalhadora.
Segundo as suas antevisões e premissas o fim da civilização capitalista tornou-se agora de novo uma certeza, como já há mais de um século anunciava a crendice dogmática marxista e comunista, mas agora tornada uma inevitabilidade e uma certeza face à incomensurável crise das dívidas soberanas dos Estados e das respectivas finanças públicas e, finalmente, à impossibilidade humana e técnica da sustentabilidade do modelo económico liberal.
Segunda esta sua nova liturgia, a certeza da autodestruição do capitalismo é assim convertida na profecia do ajuste de contas entre a abençoada razão científica do socialismo marxista, por um lado, e a maldade lógica e inerente às realidades do lucro e dos perversos detentores do capital, os chamados capitalistas, pelo outro.
Na verdade a desregulação da economia financeira e o actual enorme pêndulo especulativo dos mercados bolsistas, movimentando enormes incertezas económicas e quantias ainda mais insofismáveis de dinheiro, aliadas à grave situação económica de um crescente número de países, faz disparar um enorme de dúvidas e angústias existências em milhares de milhões de pessoas.
E a esquerda comunista e os seus afins, vêem nisto, no que se aproveitam e fazem ecoar e ressoar propagandisticamente, a sua sagrada possibilidade de se reencontrarem ideologicamente com as massas populares e proletárias consumistas, qual ressurreição política e ideológica por via e pelo aproveitamento da depressão colectiva do tempo que vivemos.
Contudo, o espectáculo mediático em que tudo isto assenta e que parecem fazer as delícias da esquerda dopada, difundido nas televisões e nos jornais e passando muito pela internet, assume foros de um verdadeiro um exercício colectivo de louco stress global.
A ansiedade colectiva pelo anunciado fim e no enorme absurdo em que se transformou, é hoje um enorme palco global de histerias, boatos, crendices, misticismos, agoiros e superstições.
Neste quadro geral que assistimos, não deixo de pensar no pregador evangélico passava amiúde à minha porta e anunciando a sua mensagem do fim do mundo, a vinda de Jesus Cristo e a criação da Nova Jerusalém, não antes e sempre de me debitar uma angustiante lengalenga da hecatombe ditada pelos cavaleiros do apocalipse, dos terramotos, trovões e outros desastres sobrenaturais, das pragas e finalmente, dos fogos dos infernos como o castigo e punição dos ímpios e dos pecadores.
Ora, eu educado e criado sob a religiosa católica, portanto um crente convicto, não deixava sempre de retorquir aquele deprimido e angustiado pregador que devia antes era sim, e em lugar da sua negra lengalenga, espalhar a mensagem original de Cristo da bondade e do amor terrenos como forma de trazer um novo alento e alegria aos sujeitos mais infortunados e aos mais desalentados.
Até que nunca mais reapareceu o pregador e a minha disposição melhorou.
Ora e é nesta situação mundial em que nos encontramos todos que, contudo sem deixar de reflectir e atentar na situação difícil de muitos milhões de indivíduos e não deixando eu de me sentir material e economicamente um deles, penso antes e ao contrário na imperiosa necessidade de se encontrarem novos modelos e novas esperanças perante as dificuldades e a presente e difícil realidade.
É certo e seguro que só afastando os medos e os miserabilismos, quanto é seguro que só com uma renovada esperança de um futuro melhor, alicerçados na alegria dos novos amanhãs, poderemos então vir a possuir uma realidade económica para então ajudar a todos a superar a actual crise.
A superação da actual situação é certamente bem diferente do malfadado discurso da desgraça e da tragédia eminentes.
Urge, portanto, é por fim à loucura e à depressão do discurso do fim, porquanto o presente momento de crise é apenas um mais como tantos outros, com os quais a civilização humana já se deparou ao longo da sua história e soube sempre superar.
A História não tem mesmo fim, e face às presentes dificuldades o melhor mesmo é encontrarmos novos rumos naturais para um melhor presente e um esperançoso futuro.



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 16:18
link do post | favorito

Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

mais sobre mim
pesquisar
 
Março 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

TAPar

Abstenção

Grunhos

Desajustados

O poder da ignorância

 Deputada falsificada

Racismo

Tele-ausência

Calamidade de Estado

Frentismo de esquerda

arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
Dediquei-me a pesquisar os nomes das primeiras dez...
E se a legislação que se prepara for avante? Como ...
Sr. Doutor Sérgio Passos, um bem haja ao seu profi...
Coimas mandadas para casa, é muito simples, no avi...
Da minha, não. Descontei para ela.
O meu e-mail é sergio.passos@sapo.pt. Poderá conta...
Agradeço muito sinceramente o seu conselho. Seguir...
Nos termos do artigo 21o da Constituição da Repúbl...
Que pode um cidadão fazer contra este estado de co...
Desde o 25 de Abril...A única diferença é que agor...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub