Ideias e poesias, por mim próprio.
Sexta-feira, 2 de Outubro de 2020
 Deputada falsificada

O Ministério Público, com a concordância do Juiz de Instrução, propôs a suspensão do processo de falsificação de documentos em que são arguidos a deputada socialista Maria Hortense Nunes Martins e o pai, Joaquim Martins, depois de ambos concordarem em pagar mil euros (…) ao Estado.

O caso remonta a 2011, ano em que a deputada socialista, eleita pelo Partido Socialista no círculo de Castelo Branco, declarou renunciar à gerência da sociedade de hotelaria do pai, assinando um documento que o comprovava, no entanto, na realidade manteve-se em funções até 2013.

Recorde-se, o crime de falsificação de documento em causa, é previsto e punido pelo artigo 256.º do Código Penal, sendo punido na pena máxima de 5 anos de prisão, ou em multa até 600 dias

Este caso está diretamente relacionado com um outro em que a deputada Hortense e o pai eram arguidos, assim como o então presidente da Câmara Municipal de Castelo Branco, Joaquim Mourão, que na altura tinha como vereador Luís Correia, o marido daquela, o qual ascenderia a presidente, mas, entretanto, destituído.

O socialista marido Luís Correia foi destituído em Julho passado em resultado da sua condenação pelo favorecimento nepotista de familiares em três contratos adjudicados, entre 2014 e 2016, à sociedade de alumínios detida pelo pai, sogro, o tio da esposa deputada e mais duas pessoas.

A deputada terá, primeiro em 2010 e depois em 2013, conseguido dois subsídios, no total de mais de 276 mil euros (…), pagos à empresa da deputada apesar dos regulamentos comunitários o proibirem expressamente se os projetos já estivessem concluídos aquando da decisão final sobre as candidaturas.

Ora, pagando mil euros, sem anotação em registo criminal e, ainda por cima, para ver esquecidos 276 mil recebidos ilegalmente, tudo com o assentimento da Justiça, temos de concluir que esta família socialista viu serem sobejamente compensados tais crimes!

Enquanto isto a referida senhora deputada mantém, sem consequência e até agora, o seu cargo na Assembleia da República.

Temos de nos perguntar como é que a Assembleia da República, como o máximo órgão político representativo do Povo Português, pode permitir a continuação no seu meio uma deputada que falsificou documentos, em ordem a que um seu familiar pudesse enriquecer, ilegítima e ilegalmente, com dinheiro dos contribuintes?

E um povo assim que não se indigna coletivamente contra uma deputada que falsifica documentos, para fraudulenta e ilegalmente obter vantagens, ao invés de exigir a sua renúncia, de comprovadas nulas dignidade e honra pessoais e políticas, não pode esperar outra coisa que não seja ser roubado mil vezes mais pelos Bancos.

(twitter: @passossergio)

(artigo do autor, publicado na edição de 30 de Setembro de 2020 do jornal mensário regional  "Horizonte" de Avelar, Ansião, Leiria)

horizonte222Setembro2020.jpg



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 09:22
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27

29
30


posts recentes

O poder da ignorância

 Deputada falsificada

Racismo

Tele-ausência

Calamidade de Estado

Frentismo de esquerda

Os boys e girls dos Parti...

Oligarcas

A ditadura de esquerda es...

Frentismo de Esquerda de ...

arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
E se a legislação que se prepara for avante? Como ...
Sr. Doutor Sérgio Passos, um bem haja ao seu profi...
Coimas mandadas para casa, é muito simples, no avi...
Da minha, não. Descontei para ela.
O meu e-mail é sergio.passos@sapo.pt. Poderá conta...
Agradeço muito sinceramente o seu conselho. Seguir...
Nos termos do artigo 21o da Constituição da Repúbl...
Que pode um cidadão fazer contra este estado de co...
Desde o 25 de Abril...A única diferença é que agor...
Pelos vistos nesta nossa tal de democracia é impos...
blogs SAPO