Ideias e poesias, por mim próprio.
Quarta-feira, 28 de Novembro de 2012
A Polícia Política está de volta!

38 anos depois do 25 de Abril de 1974 temos de volta práticas e atuações policiais que só lembramos recentemente como próprias do fascismo e do regime do Estado Novo.

Segundo avança hoje o jornal "Público", uma unidade secreta da PSP tentou junto da RTP obter as imagens não editadas sobre a controversa e violenta manifestação junto à Assembleia da República.

O que vemos e sabemos deste assunto é, a ser verdade e tudo o que aponta nesse sentido, de uma enorme gravidade e de um enorme perigo para a liberdade e a pouca democracia que restam aos portugueses.

Chegamos a um ponto absurdo de agora o Estado Português, a mando do Governo de Passos Coelho, atuar por meio de unidades secretas e à margem da lei, sem enquadramento e competências legais prévias, sem qualquer autorização ou controle judicial, para agir contra cidadãos e os perseguir discricionária a arbitrariamente.

Este Governo e o Estado Português chegaram a um ponto tal que, tome-se em atenção o presente caso, fazem tábua rasa do princípio da legalidade, conferindo capacidades persecutórias a agentes e polícias secretas internas, tendo em vista intrometerem-se na vida e reserva privada e em ordem a perseguirem pessoas, sem sequer respeitarem princípios básicos das pessoas como são os da sua presunção de inocência ou da reserva de intimidade e o direito à (proteção) da imagem.

Uma tal polícia secreta assim age, portanto, não só sem possuir as competências legais próprias  para agir contra ou para a restrição de direitos, liberdades e garantias, portanto, fazendo-o no mais completo desrespeito pelas regras Constitucionais e Legais de um processo judicial justo e com garantia de defesa, como chega ao absurdo de entender poder violar o princípio constitucional da separação dos poderes, isto através desta gravíssima intromissão nas competências do próprio poder judicial.

Pelos vistos, este Governo chegou à iniquidade de não só se arrogar de poderes excessivos, arbitrários e ilegais, capacitando-se individualmente de atropelar a lei e a liberdade de impressa, ao tentar obter imagens sob reserva de segredo jornalístico, e fazendo-o em ordem a perseguir cidadãos sem prévia autorização judicial, portanto violando direitos, liberdades e garantias estabelecidos na Constituição da República Portuguesa em favor dos cidadãos, como se arroga de poderes anormais de passar por cima de Leis da República, tais como o Código de Processo Penal, as Leis Penais, e veja-se a sua prepotência e arbitrariedade, de até mesmo de se apropriar das competências próprias dos Tribunais.

Isto não é próprio de um Estado-de-Direito e de uma Democracia, só podendo entender-se como sinais de um regime e de um Estado policiais e ditatoriais.

Dúvidas não existem mais, que os perigosos tempos do fascismo e da polícia política estarem de volta a Portugal.

Esta Partidocracia reinante na Assembleia da República, do qual este Governo é o seu máximo expoente, com personagens pardas, pardacentas e perigosas, que são inimigos das liberdades das pessoas e abominam o povo português, tudo farão para mergulhar o Portugal num imenso lodaçal.

Há que denunciá-los e sem nenhum medo fazer-lhes frente.

Os portugueses devem denunciá-los e oporem-se a este perigo eminente antes que a noite obscura da ditadura tome conte de Portugal!

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 10:53
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 27 de Novembro de 2012
Acordo Ortográfico, uma realidade e uma lei.

O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa em 1990, aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 26/91 e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 43/91, ambos de 23 de Agosto e depois o Acordo do Segundo Protocolo Modificativo do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, aprovado pela Resolução da Assembleia da República n.º 35/2008 e ratificado pelo Decreto do Presidente da República n.º 52/2008, ambos de 29 de Julho, este que determinou uma nova forma de entrada em vigor do Acordo Ortográfico com o depósito do terceiro instrumento de ratificação, assim, e nos termos do Aviso n.º 255/2010, de 13 de Setembro, publicado no Diário da República, 1.ª série, de 17 de Setembro de 2010, o Acordo Ortográfico já se encontra em vigor na ordem jurídica interna desde 13 de Maio de 2009.

Portanto, mal ou bem, concorde-se ou não, a nova grafia encontra-se em vigor e é obrigatória, devendo imperativamente ser respeitada pelo valor e força de lei que possui.

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 12:37
link do post | comentar | favorito

Domingo, 25 de Novembro de 2012
O Povo é o Soberano.

Se para o atual Governo a Constituição da República é letra morta e permitem-se fazer tudo em nome de medidas políticas que os portugueses não entendem, não aceitam e tantos sacrifícios trazem aos portugueses em geral, incluindo derrogar o Estado Social e as garantias sociais previstas na mesma Constituição, este mesmo Povo Português só tem de dizer e responder massivamente que o poder representativo e delegado nas instituições caducou e passamos a um novo processo de revolução.
Esta revolução não tem de ser nem violenta, nem conturbada e nem sequer é contra o próprio Povo, bastando-se que se diga, o que o povo afirma, que os mandatos anteriormente conferidos aos atuais represantentes políticos, governamentais e estaduais terminaram, ou seja caducaram por falta de toda e qualquer legitimidade e que, Soberanamente, o Povo chama a si de novo a legitimidade constituinte e exige, como é seu direito original e soberano, reformular o sistema constitucional e político e, portanto, quer e tem em vista um novo Regime Político e uma sua Nova Constituição Democrática.

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 15:58
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 23 de Novembro de 2012
A nova lei do arrendamento é "gangsterismo"!

O Novo Regime do Arrendamento Urbano (Lei n.º 31/2012, de 31/08) que deu entrada em vigor no passado dia 12 do corrente mês é, verdadeiramente, de pasmar, tal é a quantidade e a gravidade das asneiras em que se encontra mergulhado.

Quer, por um lado, por estar cheio de normas que técnica e juridicamente não se entendem, nem sequer se percebem, não só quanto ao mais simples e mais direto do que querem ou não significar muitas das suas palavras, portanto quanto à semântica e sua respetiva significação.

Não se percebe mesmo, após lido e estudado, o que é que o legislador quis dizer com o que escreveu e (pretendeu...) regulou(ar), também não se percebe o sentido  e o alcance de muitas das suas normas, como muitas das suas normas vêm levantar mais e enormes dúvidas, do que, afinal, esta legislação vinha pretensamente tratar.

Os cidadãos, senhorios e inquilinos, quando começarem a tomar nota e conhecimento das dúvidas que este novo regime do arrendamento vem levantar, ainda hão-de acabar por dizer que já não entendem mais os seus respetivos direitos e obrigações

Por outro lado, o regime contém também várias normas contraditórias, obsoletas e, até mesmo outras absurdas, como ainda algumas outras são verdadeiros abortos jurídicos.

Pior ainda e no que diz respeito propriamente à fase do despejo, a execução deste deixa o inquilino à mercê de um executor (Agente de Execução  ou Notário) sem nenhum controlo judicial, ou seja, estes sujeitos ficam em verdadeira “roda livre” e, os inquilinos, ao invés ficam sózinhos e sem quaisquer garantias de proteção judicial e legal, constituíndo isto e o que é verdadeiramente inconstitucional, portanto ficando esta fase crucial da relação de inquilinato sob uma total falta de controlo judicial.

A legislação, em causa, é, portanto, lacunosa, incoerente, labiríntica, errónea e até mesmo, muito perigosa para o património, bem assim como contra os direitos de personalidade das pessoas, nomeadamente e pior para os arrendatários e inquilinos e, muito fundamentalmente, deixando-os desprotegidos e à mercê da sorte ou acaso, e relativizando-se os seus direito humanos e fundamentais do descanso, da privacidade e da reserva de intimidade, entre outros, como é e decorre do direito à habitação das pessoas, à pura discricionariedade de terceiros e ao acaso.

Se antes o inquilino era um "rei e senhor", o que até a mim sempre me causou escândalo, ele agora fica entregue aos  (poucos ou nenhuns...) "cuidados" do senhorio e dos seus instintos, e isto tudo sem qualquer tutela judicial!

É de abismar, parece até que isto foi feito para um "ajuste de contas"!

...Portugal e os portugueses estão, aqui e em cada vez um maior número de casos, como bem (muito mal…) conhecemos por uma afamada e vulgar expressão: “entregues à bicharada”.

Realmente, este é o caso para se confirmar que estes políticos e estes governantes são inimigos dos portugueses, da paz e da ordem em Portugal.

Qualquer jurista, lida e percebida esta legislação tem de "ficar com os cabelos em pé"!
Eu estou, e olhem que o meu cabelo já me vai excasseando.
Tenham medo, muito medo, porque isto tudo vai terminar muito mal, caso os destinos de Portugal continuem entregues a esta gente!

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 21:05
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2012
Saúde: pouca, cara e só para alguns poucos.

Nestes dias tem acontecido estarem muitos centros de saúde e urgências hospitalares, pelo país fora, especialmente no litoral, junto a Lisboa e Porto, em Braga e Coimbra, encontrarem-se às moscas e sem o que fazerem.

Em contrapartida os hospitais privados encontram-se a abarrotar e pejados de gente, sem mãos a medir.

O paradoxo, diz-se, tem-se justificado no facto das respetivas taxas no público serem agora mais caras do que no privado.

Vá-se lá a saber que Governo é este e como anda a ser gerido o Estado.
Mas, o verdadeiro intuito é outro segundo dizem os especialistas e muitos dos profissionais do setor público, falando à "boca pequena" por terem medo de represálias: o intuito do Ministério da Saúde é empurrar as pessoas para os privados geridos pelos grandes grupos empresariais, cujos hospitais e centros curiosamente funcionam mesmo do outro lado da rua e que estão neste momento a praticarem serviços mais baratos, tudo, consertadamente com o Governo e em ordem a atrairem a qualquer custo o maior número possível de utentes.

E acrescentam, tudo isto é feito com o intuito de fundamentalmente desmantelar o setor público da saúde, para que depois deste findo, a justificar na falta de ocupação e sem razoabilidade económica para continuarem abertos e suportados pelo Estado, portanto sendo fechados, quando os grandes grupos privados tiverem conquistado o mercado nacional, a seguir estes mesmos privados irem aumentar exponencialmente os custos e ganharem "rios de dinheiro".

Prtanto, preparem-se os portugueses: a saúde vai ficar mesmo muito cara e só chegará aos bolsos de alguns poucos e abastados.

A "raia miúda" a juntar à fome, pode ir acrescentando a doença, com que muito vai ter de se "ocupar".

Assim vai Portugal, continuamente gerido para encher os bolsos a uns quantos poucos e à custa de muitos milhões de esquecidos portugueses.

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 17:14
link do post | comentar | favorito

Bye, bye ...subsídio de Natal!
No dia de hoje os funcionários públicos começaram a receber o seu vencimento relativo ao mês e Novembro, e no lugar do subsídio de Natal vinham, em sua substituição, os votos de um "feliz Natal".
É caso para se dizer que no Governo ainda há gente com um "refinado" humor!
Aguenta povinho com a crise, que eles ainda gozam!



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 01:09
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Novembro de 2012
Portugal: o Esquerdismo ou a Democracia?

No debate de ontem do "Prós e Contras" os comentadores de serviço, no tema dedicado ao Ensino Superior, concordavam entre eles que a sucesso e o futuro de Portugal passam por valorizar a massa cinzenta e, portanto, investir nos recursos e nos meios humanos do ensino superior para melhor e mais capacitadamente formarem a juventude e os novos "cérebros" de Portugal.
Para ainda melhor concordarem entre si, os ilustres docentes e intelectuais que ali estavam, apelaram às "forças vivas" dos meios universitários para entre eles conseguirem chegar a um consenso para atingirem a melhor solução em ordem aqueles objectivos.

Nada mais errado, digo eu!

Mais uma vez, estes "velhos do Restelo" encerrados na suas "torres de marfim", em vez de incentivarem o debate aberto à sociedade em geral, ou tratarem de incentivar, estimular e premiar o mérito e a inovação entre eles, apelam, como sempre, aos mesmos sujeitos e aos costumes de sempre, aos velhos hábitos, pensamentos e soluções caducas e fechadas no passado.

É este, na verdade, o erro usual e crasso das elites portuguesas: não permitem nem pensam para além deles mesmos e fecham a sociedade portuguesa nos seus anacrónicos e fechados meios e pensamentos colectivos.

São as velhas fórmulas do esquerdismo e do marxismo que contaminam e enfermam todo a sociedade portuguesa e que a destoem tão gravemente, como tem sucedido desde o 25 de Abril de 1974.

Aliás, o que não surpreende, as Universidades portuguesas estão pejadas de intelectuais e docentes de esquerda, comunistas e marxistas, em resultados dos inúmeros saneamentos e expulsões dos democratas ou de indivíduos ligados à direita no período revolucionário que se seguiu ao "25 de Abril".

As Universidades de Portugal e o Ensino Superior de Portugal, é desde há muito um viveiro de pensamento retrógrado e ultrapassado, ligado que está a fórmulas de pensamento que há mais de 20 anos conheceram a sua inutilidade com a queda do Muro de Berlim, como o comunismo e o maoísmo.

Mas, tal como na política e nos partidos políticos em geral, desde o PCP ao CDS/PP, o esquerdismo e marxismo continuam a ditar a lei e a ordem nacional.
Portugal assim, jamais, conseguirá qualquer solução promissora, sem que a liberdade, a concorrência e o mérito não se imponham como leis determinantes para a sua evolução em ordem a um futuro melhor.

E isto só será alcançado por meio da democracia.

Precisam-se urgentemente de democratas, a bem de Portugal!



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 10:26
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 19 de Novembro de 2012
Em Silves há portugueses, não é preciso o Governo!

O bom exemplo de Silves, com a população a aderir solidaria e desinteressadamente, com enorme êxito, na tarefa levada a cabo da limpeza e da recuperação da sua cidade e do seu concelho dos enormes estragos causados pelo furacão, mostrou a elevada qualidade dos portugueses e da sua ação quando são motivados para cuidar do que é seu, olhar fraternamente pelos seus conterrâneos e tratar de melhorar o seu meio e o seu país.

Onde a Proteção Civil na prevenção ao desastre falhou escandalosamente, o povo anónimo disse "Presente" e desmonstrou com brio e assinalável sucesso os trabalhos de recuperação de Silves.

Não deixa de ser paradoxal, mas o que revela o enorme falhanço do Governo e o Estado Central de Lisboa, num momento destes, dito de emergência nacional e que Portugal atravessa, mergulhados que estão os portugueses nas imensas dificuldades, este mesmo Governo nacional não seja capaz de mobilizar assim o país, as suas forças sociais, económicas e o seu povo para recuperar Portugal..

Antes pelo contrário, o povo cada vez mais mostra e demonstra publicamente a sua aversão, até mesmo ódio, aos agentes, às políticas, ao Governo e ao Estado em geral.

Não só os portugueses não se vêm hoje representados condignamente por quem quer que seja da e na política, como o que desejam é antes que estes poderes incompetentes, irrelevantes e ilegítimos sejam substituídos por outros e novos poderes e representação democráticos.

É caso provado e comprovado, dúvidas mais não existem, que Passos Coelho, Cavaco Silva e os partidos políticos com assento na Assembleia da República, falharam total e absolutamente.

Os portugueses mostram todos os dias serem uns heróis, já ao contrário, o Governo, os políticos e os Governantes são apenas os seus inimigos, são escolhos, prejuízos e inutilidades.

Estes políticos e governantes são apenas lixo da história de Portugal!

 

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 13:33
link do post | comentar | favorito

Domingo, 18 de Novembro de 2012
Portugal: temos Ministério Público ou uma república das bananas?

Rui Rio, o atual Presidente da Câmara do Porto, veio nestes dias afirmar conhecer procedimentos de conspiração gravíssimos que atentaram contra o interesse nacional, no que respeita aos milhões que confiamos à Segurança Social.

Tal é a gravidade do que eles tramaram, ainda segundo o mesmo, que ele se recusa a confessar os factos em causa, enquanto os envolvidos estiverem vivos!

Ora, isto é duma gravidade tremenda e é de nos colocar assustados.

É o dinheiro das poupanças de todos nós e a nossa velhice que está em causa e isto não pode, nem se imaginar, passar como se nada fosse, muito menos incólume e sem consequências!

Face a estas palavras, estando em causa os interesses do Estado Português e dos contribuintes portugueses, eventuais crimes de peculato, abuso e ou de gestão danosa, ou outros delitos e ilícitos, por parte de decisores políticos ou funcionários públicos, o Ministério Público, por dever legal e estatutário, devia e deve imediatamente abrir um processo de inquérito em ordem averiguar, esclarecer e responsabilizar, sob o ponto de vista legal, penal e civil, a verdade e o fundamento de tais palavras e os seus possíveis autores.

Havendo de seguida duas hipóteses: ou acusa os visados relativamente aos factos indiciados por aquelas palavras de Rui Rio, levando-os a Tribunal de modo a serem julgados, condenados e sancionados, ou, sendo falsas aquelas suspeitas levantadas, em nome do bom nome do Estado, e acusa Rui Rio de difamação!

Não podemos é admitir que uma "atoarda" destas possa passar sem consequências, sob pena de, mais uma vez, percebermos que vale tudo neste país e que os criminosos, quaisquer que eles sejam, passam impunes.

Ou, afinal, para o que é que serve mesmo o Ministério Público, e o que é que andam a fazer os Senhores Procuradores da República?

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 15:19
link do post | comentar | favorito

Sábado, 17 de Novembro de 2012
Desordeiros ou combatentes pela dignidade de Portugal?

A manifestação violenta do passado dia 14 de Novembro em frente à Assembleia da República, definitivamente, não foi nada que me surpreendesse.

Há já mais de 2 anos previ o que está a acontecer e vaticino ainda que vem aí muito mais violência, ao ponto de, muito provavelmente e a breve trecho, não só a III República estar a caminho do seu fim, como a forma do atual regime político, mas pior a democracia e a liberdade, poderem vir a conhecer em breve o seu termo e, em seu lugar, virem a emergir outras formas de regime e sistema políticos musculados e até mesmo, eventualmente, não-democráticos.

A maioria dos portugueses, nos quais eu me incluo, são pacíficos e não toleram nem aprovam qualquer tipo de violência, como não aceitam sequer que os agentes da autoridade, como foi no caso a polícia de choque da PSP, sejam agredidos de qualquer forma.

Os portugueses não só não aceitam a violência e, como amantes que são da liberdade e da paz, entendem que há-de ser sempre e por meio do diálogo, da democracia e pela Justiça, que todos os problemas, incluindo os nacionais, devem ser resolvidos.

Mas, o que é facto é que Portugal está mergulhado numa profunda e grave crise económica causada que foi por décadas de gestão política e governamental danosa e ruinosa por parte e autoria de sucessivos Governos, entre os quais se contou o do atual Presidente da República Cavaco Silva.

Entre os responsáveis da atual situação de miséria e penúria nacional, contam-se, entre outros, José Sócrates, de quem abundam evidências e provas de, ele, a sua família e muitos seus camaradas e amigos, terem enriquecido ilicitamente, por meio do tráfico de influências, à custa e por conta das obras públicas do Estado.

De tal maneira, igualmente e bem assim, muitos outros sujeitos, Ministros e demais políticos e Governantes, escandalosamente, ora contratavam e negociavam em nome do Estado Português, ora no outro momento estavam do lado das empresas que beneficiaram dos contratos lesivos para o mesmo Estado e, afinal de contas, agravando os prejuízos dos contribuintes portugueses e que nos levaram à atual desastrosa situação.

E perante esta situação em que fomos postos pela plutocracia, a partidocracia e a cleptocracia reinantes dos mais dos 30 anos passados, o que constatamos é que a Justiça, a Lei e as polícias, aparentemente, parecem proteger apenas o estado de impunidade dos conhecidos criminosos e corruptos, pelo que temos de, diante a nossa consciência, por em causa os conceitos assentes da justiça e da verdade e, finalmente, passarmos a encarar de forma assimétrica, mas com isenção, a realidade, para podermos por fim chegar à verdade.

Ainda esta semana ficamos a saber que os mais de 1.200 (!) membros do Governo de Passos Coelho receberam no Verão de 2012, ao contrário de toda o funcionalismo público, o subsídio de férias relativo ao serviço de 2011.

Ficamos hoje também a saber que o PSD recusou cortar para metade o subsídio do Estado de mais de 50 milhões de Euros para a campanha eleitoral partidária das próximas eleições autárquicas.

Em contrapartida, sabemos que centenas de milhares de crianças, adultos e idosos passam já hoje fome crónica em Portugal, que são já mais de 1 milhão e 200 mil os desempregados, a miséria cresce generalizadamente, a ruína económica grassa em Portugal e o futuro coletivo cada vez fica mais escuro e sem esperança.

A política económica levada a cabo pelo atual Governo, sob estrita obediência da conhecida Troika, comandada pelo FMI e pela União Europeia (vulgo Alemanha), é conduzida em ordem a que os portugueses paguem com usura e o seu sangue os empréstimos públicos contraídos que mais não serviram do que para financiar obras públicas ruinosas de caríssimas autoestradas e demais obras e vias rodoviárias sem qualquer utilidade, que os portugueses não utilizam nem conseguem suportar, e sabendo-se hoje, abundantemente, que essas obras serviram essencialmente para custear a corrupção e o enriquecimento de conhecidos políticos, empresários da construção civil e seus demais apaniguados.

Ora, segundo os três instrumentos da Carta Internacional dos Direitos Humanos, temos que:

Primeiro, e segundo “Pacto Internacional Sobre os Direitos Civis e Políticos”, no seu artigo 1.º: “Em nenhum caso pode um povo ser privado dos seus meios de subsistência”.

Depois, segundo o “Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais”, nos seus artigos 7.º e 10.º, respetivamente:“todas as pessoas têm o direito de gozar de condições de trabalho justas e favoráveis”, de “férias periódicas pagas, bem como remuneração nos dias de feriados públicos”, “medidas especiais de proteção e de assistência devem ser tomadas em benefício de todas as crianças e adolescentes, sem discriminação alguma derivada de razões de paternidade ou outras, e que as “crianças e os adolescentes devem ser protegidos contra a exploração econômica e social”.

E, finalmente, segundo a Declaração Universal dos Direitos Humanos”, nos seus artigos 4.º, 23.º, 24.º e 25.º: "todas as pessoas têm direito ao trabalho, a condições razoáveis para o mesmo, a um salário digno, à proteção contra o desemprego, o direito ao repouso e ao lazer, a férias pagas, a um nível de vida suficiente para lhe assegurar e à sua família a saúde e o bem-estar, principalmente quanto à alimentação, ao vestuário, ao alojamento, à assistência médica e ainda quanto aos serviços sociais necessários, e têm direito à segurança no desemprego, na doença, na invalidez, na viuvez, na velhice ou noutros casos de perda de meios de subsistência".

A própria Constituição da República Portuguesa reconhece no seu artigo 21.º o “Direito de Resistência”: “Todos têm o direito de resistir a qualquer ordem que ofenda os seus direitos, liberdades e garantias e de repelir pela força qualquer agressão, quando não seja possível recorrer à autoridade pública.”

Posto isto, afinal, na barricada e na luta a que assistimos em frente à Assembleia da República, a quem protegem efetivamente a polícia de choque e como temos de ver o lado dos jovens na manifestação?

E quando está mais do que confirmado que as forças partidárias e os indivíduos que compõem a Assembleia da República formam um antro de corruptos e de corrupção, afinal, contra quem estão a combater aqueles jovens e como temos de caracterizar a sua luta?

E quando o Ministério Público não investiga, não acusa e não leva a tribunal conhecidos corruptos que enriqueceram ilicitamente, ou quando os tribunais não ordenam a prisão de conhecidos criminosos condenados por sentença, como devemos então reconhecer os fins e os objetivos daqueles jovens que lutam com pedras na mão?

E perante as políticas económicas, fiscais e sociais levadas a cabo pelo atual Governo e de todos os anteriores que o precederam de progressiva destruição dos tecidos sociais, produtivos e económicos de Portugal, não temos é de, ao invés, concluir que estas políticas estaduais são destrídoras e , portanto, criminosas?

E quando a corrupção, o banditismo de Estado, os tráficos de influências continuam a campear no Governo, no Estado e nas suas Instituições, as despesas pública continuam a aumentar sem justificação legítima, as mordomias e os favores do Estado continuam a beneficiar os mesmos de sempre, como teremos então de avaliar, em contraste, os motivos, os objetivos políticos e os fins perseguidos por aqueles jovens?

Temos sim de dizer, sem hesitar e com coragem, o combatente pela liberdade é todo aquele, independentemente dos meios utilizados, sejam pedras ou palavras, que se envolve pela libertação de um povo de um Governo tirânico.

A revolução do 25 de Abril de 1974 só foi conseguido pela pressão das armas dos revoltosos; o derrube da Monarquia e a implantação da República só foi conseguido pela luta popular e pela violência dos carbonários; a restauração da independência de Portugal em 1640 só foi conseguida através do golpe mortal e pela força dos 40 conjurados; e a manutenção da independência portuguesa em 1383-1385 só foi conseguida pela ação da luta armada conduzida por D. Nunes Álvares Pereira.
Nenhuma outra mudança história e radical foi conseguida pela mera ação do diálogo, nem sequer por força da razão e nem tão-pouco pela Justiça, teve de ser sempre pela ação de uns quantos corajosos lutadores dispostos a se sacrificarem e para tanto empregando a sua coragem e a sua força, nalguns casos mesmo a sua integridade física ou até mesmo a sua vida.

Posto assim, eu tenho, sem mais quaisquer dúvidas ou hesitações, segundo a minha exigente consciência e segundo os valores universais por mim aceites e consagrados nos vários instrumentos legais internacionais, de reconhecer aqueles jovens como corajosos e heróicos combatentes pela dignidade e pela liberdade dos portugueses e de Portugal.

E nenhuma condenação merecem!

 



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 16:45
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2024
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


posts recentes

Vira o disco

10 de março

Terceira Guerra Mundial

Ricos advogados versus ad...

Influências

Idiotas

Impostos

Tugulândia: a mudança do ...

O ataque do Governo Socia...

Incêndios

arquivos

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
Este Rectângulo (que bem gerido pelas pessoas cert...
Obrigado pelo seu comentário e pela consideração. ...
Completamente e efectivamente. Ou então fazem-se p...
Parabéns pelo seu blog. Se não se importa, começa...
Mas no 25 de abril, com o cravo vermelho ao peito,...
Boa noite meu car+issimo amigo.Há muito não temos ...
"A maioria socialista mistura dois dos piores, por...
O governo (?) está coeso e os problemas resolvem-s...
"As várias privações materiais dos portugueses, co...
Conversa de 1914 não obrigado!.[sim: o europeu-do-...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub