Ideias e poesias, por mim próprio.
Quinta-feira, 10 de Maio de 2012
Mentir é corrupção: cortem a língua aos políticos aldrabões!

Segundo o Diário de Notícias de hoje, Vítor Gaspar, o Ministro das Finanças, prepara para muito em breve mais uma subida brutal dos impostos diretos até 2015.

Vejam a lata do bicho, ainda mesmo ontem na Assembleia da República, a propósito da omissão dos dados do desemprego aos deputados, gabou-se, a rir com os dentes todos, e disse que "Eu não minto. Não engano. Não ludibrio".
Para rematar o "florete" aos deputados, que pareciam uns pobres tolinhos embasbacados a ouvir o padre da freguesia, acrescentou que lá para 2015 os impostos poderiam começar a baixar.
Ora vejam lá a lata o "senhor honesto", e hoje mesmo já sabemos que não só não é verdade o que disse ontem aos deputados: não só mentiu, enganou e ludibriou os deputados, como também os portugueses, e ao contrário do que foi dizendo para embromar os papalvos dos senhores deputados prepara-se, efetivamente, para agravar e subir os impostos a curto prazo.
Digam lá o que qual a pena adequada a um tamanho aldrabão?
E ainda se lembram do chefe dele, Passos Coelho, e das suas conhecidas mentiras da última campanha eleitoral para as legislativas?
Para mim só há um castigo suficiente, seguindo as penas de "talião", para estes refinados mentirosos: cortar-lhes a língua, para que não mintam nunca mais.



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 12:48
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 4 de Maio de 2012
Este Portugal morreu.

O grande problema português é humano e está refletido na sua forma como ele se comporta e age em relação ao meio social nacional no qual está inserido.
Os sinais da falência humana geral dos portugueses verificam-se e constatam-se quer no modo e contributo produtivos, quer no seu comportamento ou na interação social, portanto no resultado com que ele contribui para com o todo da sociedade nacional, por um lado, e como ele colhe e recolhe desse mesmo todo, por outro.

O que sabemos é que em regra e também no resultado geral e final constatamos um profundo e grave défice no dever e haver do cidadão comum.

Este défice sente-se de uma maneira geral na comunidade nacional e que tão bem se encontra ilustrada e exemplificada, com os resultados desastrosos conhecidos, nas contas do Estado.

O português comum é um individuo improdutivo, ou pouco produtivo, muito consumista, prejudicial ao meio ambiente e ao meio humano com o qual lida, deficitário nos planos educacional, cultural, muito pouco instruído, mal habilitado e, de uma maneira geral, com um alto défice de litaracia.

O Homem Português é um ser falhado e destruído.

E só por um momento, nesta precisa asserção ou significado, consigo concordar que o Estado somos todos nós: Portugal e o seu Estado, ou seja, todos nós e enquanto um conjunto nacional, faliram.

Portugal, concluo sempre e quando equaciono os caminhos, as soluções ou as alternativas, segundo o modelo geral económico, político e social português, está MORTO.

Portugal morreu!

Naturalmente, os portugueses têm, e vão faze-lo certamente, encontrar novos rumos para si e que passam, necessariamente, encontrar o seu lugar o seu destino ou a sua sobrevivência fora de Portugal, com ou sem Portugal.

E Portugal, enquanto país, nação, ou comunidade, pouca conta.

E para vos ser sincero, para mim, os portugueses também pouco contam, e não digam que não sabem bem, no nosso dia-a-dia, atentos ao isolamento dominante que vamos sofrendo nos nossos esforços, quanto são marcados e vincados os egoísmo e individualismo característicos dos portugueses.

Os atuais portugueses estão derrotados e não têm nem solução, nem capacidades para a encontrarem, senão mesmo para se martirizarem neste sofrimento autoinfligido.

Não me escandaliza nada, e é até algo que me tranquiliza o espírito e alivia a alma, que equacionem o fim de Portugal e o país seja entregue a uma qualquer potência estrangeira.
A bem do nosso conforto e na nossa melhor sobrevivência, ou seja o melhor fim disto tudo é, certamente, um fim indolor da crise, mesmo que nos passemos a chamar como Noruegueses, Suecos ou até Marroquinos.

A vergonha e o escândalo de ser português já cansam.



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 20:15
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 2 de Maio de 2012
Onde pára o Frei Tomás?

Nunca a hipocrisia foi tão refinada e subtil como nos dias de hoje: se antes se dizia como crítica social por meio da expressão "faz o que eu digo e não o que eu faço", da velha máxima atribuída a Frei Tomás, já nos tempos actuais o detalhe refinado do cinismo doseado com o q.b. de hipocrisia, portanto actualizado daquela expressão ou provérbio, manda dizer-se que "faz o que eu digo e NÂO o que eu NÂO faço".
Ou seja, por exemplo, "vai lá tu acima da figueira varejar os figos, pouco me importando que cais lá de cima e partas uma perna, que o que eu quero é come-los sem trabalho e nem esforço".
Certo!?
São tempos "finos" estes os que vivemos, sem dúvida!



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 12:23
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 1 de Maio de 2012
‎1.º de Maio: que Povo e que Portugal para o futuro?

Este é, sem dúvidas, um Povo derrotado e sem futuro, quando nos dias graves que atravessa corre em passo leve a caminho dos saldos do Pingo Doce e desiste de viver com paixão, verdade e dignidade, lutando pelos seus direitos e pela sua digna sobrevivência.
Neste momento milhões de pais e mães ensinam aos seus filhos uma miserável forma de escravização e subalternização das gerações vindouras às novas formas de escravatura, mas e na verdade apenas transmitem o código de consumo e de conduta que aprenderam já de seus pais.
Não podemos menosprezar, contudo, os problemas graves de sobrevivência que atravessa centenas de milhares de pessoas e as suas famílias, nomeadamente com graves carências alimentares, onde conseguir um desconto nas compras equivale a comer por mais uns dias, evitando assim a muita fome e desnutrição que já atravessam no dia a dia.
Portugal e os portugueses estão colocados perante uma evidente e clamorosa questão de prioridades...
Mas e fundamentalmente, não admira que Portugal se encontra no desastre em que se encontra!
O que fazer?
O que eu proponho é que os justos e corajosos portugueses se ergam, fazendo em nome dos muitos milhões que já não têm essa capacidade, ou não querem revoltar-se contra o sistema vigente.
O meu convite é a todos os corajosos portugueses que ergam os seus punhos e se disponham a lutar por justas e dignas condições de cidadania e pela sua justa dignidade enquanto pessoas livres e titulares de plenos direitos, com os seus justos direitos ao trabalho, à sobrevivência, à saúde e à educação.
Vamos a isto, não se resignem, não aceitem a sentença de escravatura que vos foi imposta sem luta e sem revolta!



publicado por Sérgio Passos (twitter: @passossergio) às 17:17
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Abril 2021
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Aeroporto

TAPar

Abstenção

Grunhos

Desajustados

O poder da ignorância

 Deputada falsificada

Racismo

Tele-ausência

Calamidade de Estado

arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Junho 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

subscrever feeds
últ. comentários
"É sabido que o excesso de velocidade é em Portuga...
Dediquei-me a pesquisar os nomes das primeiras dez...
E se a legislação que se prepara for avante? Como ...
Sr. Doutor Sérgio Passos, um bem haja ao seu profi...
Coimas mandadas para casa, é muito simples, no avi...
Da minha, não. Descontei para ela.
O meu e-mail é sergio.passos@sapo.pt. Poderá conta...
Agradeço muito sinceramente o seu conselho. Seguir...
Nos termos do artigo 21o da Constituição da Repúbl...
Que pode um cidadão fazer contra este estado de co...
blogs SAPO
Em destaque no SAPO Blogs
pub