Ideias e poesias, por mim próprio.

Segunda-feira, 1 de Maio de 2017
A norma fascista da Constituição Portuguesa

A Constituição da República Portuguesa dita no seu artigo 46º, n.º 4 que "não são consentidas associações nem organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista".

Ora, temos de deixar algumas perguntas aos fascistas que chamam os demais de fascistas, aos antifascistas fascistas e aos fascistas antifascistas

Quem é que define o que é fascismo?

O que é que é o fascismo?

E qual é mesmo a diferença entre fascismo, comunismo ou outras formas e ideologias anti-democratas?

E o que é que definem, ou se define, como sendo o fascismo, ou quem são realmente os fascistas?

Ao longo dos últimos anos muitas foram os portugueses, democratas e outros menos, que foram, e continuam sendo outros, chamados de fascistas.

Em contrapartida muitos sujeitos, que de democratas não têm nada, antes pelo contrário, neles se incluindo fascistas, comunistas, antifascistas e demais ignorantes e energúmenos, e outros ainda que não fazem a mínima ideia do que é a democracia ou o que é ser democrata, ofendem outros portugueses, sinceros e verdadeiros democratas, apelidando-os, por ingnorância crassa, maldade e iliteracia, de fascistas.

Afinal de contas, chamar outros de fascistas tem muito de fascista!

Ou, este país está cheio de falsos democratas, de fascistas/comunistas, que falsamente se dizem anti-fascistas???

Ora, o que é muito necessário e escasseia em Portugal são mesmo os verdadeiros e reais democratas.

 

constituição 1976.jpg

 



publicado por Sérgio Passos às 11:50
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 17 de Outubro de 2013
Mário Soares pode impunemente chamar de ladrão a Cavaco Silva?

Mário Soares, ex-PR, ontem e a propósito do BPN, apelidou de ladrão, implícita e diretamente, Cavaco Silva, e, para meu enorme espanto, não vi ainda ninguém em público a insurgir-se contra isto, e nem sequer vi da parte da Procuradoria-Geral da República qualquer pronto movimento para abrir um inquérito criminal ao autor do insulto.

O mesmo BPN referido a propósito deste insulto de Mário Soares, é o mesmo vergonhoso Banco, com a sua conhecida ruinosa nacionalização, que permite até hoje que um Primeiro-Ministro José Sócrates e um Ministro das Finanças Teixeira dos Santos vivam impunemente, apesar das mais variadas e graves provas dos muitos atos praticados por eles dois em prejuízo do país, do erário público e do Estado e, para nossa maior perplexidade, estes e muitos outros conhecidos sujeitos ainda hoje continuam a enriquecer e a angariarem proveitos e fortuna à custa do erário público e da rapina fiscal exercida sobre os portugueses.

E se o Ministério Público ainda não moveu uma palha para apurar as razões da criminosa nacionalização do BPN, para o cúmulo, vemos o seu primeiro autor a ser pago na RTP para aí vir dizer aos domingos todo o tipo de dislates.

Ora, se fosse um qualquer jornalista, ou um qualquer cidadão anónimo, bastando-se a insinuarem sobre a seriedade, a aparência do fato de profissão ou da bolinha no nariz, ou dos hábitos de trabalho do PR, de Cavaco Silva, logo veríamos a PGD e o Ministério Público prontamente a atuarem, mas, curiosamente e com coindidência, como os autores dos crimes praticados são conhecidos maçons socialistas nada vemos a ser investigado e tudo continua indiferentemente na paz do senhor.

Uma vez mais, se a PGD nada fizer perante este vergonhoso ataque à Presidência da República, terá de se entender que lidamos com um antro de gente fraca e cobarde, envergonhando a Justiça portuguesa e, acima de tudo, que não cumprem com as obrigações decorrentes, nomeadamente, da sua Lei Orgânica e da Constituição da República, esta última segundo os seus artigos 202º, n.º 1 e 219º, n.º 1, e se recusam a aplicar da justiça e defender a legalidade democrática em nome do Povo português.

Mas, temos sempre e outra vez de perguntar: a justiça em Portugal é feita a favor de alguns ou em nome do povo português?

Tenham vergonha!

 



publicado por Sérgio Passos às 10:31
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Outubro de 2013
Deus é republicano ou monárquico?

A (ideia na) Monarquia é emocional e sentimental, não é racional, não é democrática, nem sequer lógica, e com isto tudo torna-se mesmo muito difícil discuti-la.

É fundamentalmente uma simples crença, mas é muito complexa para quem acredita nela porque adquire um carácter transcendental de fé ou mito numa convenção, pode até mesmo assumir-se como um tabu.

Na sua compreensão, temos, sobretudo, de entender as pessoas que acreditam na sua ideia e o fenómeno psicológico que está por detrás desta aceitação, assumindo contudo em muitas pessoas e dos casos dos seus crentes fanáticos o caráter de uma esquizofrenia social e política, portanto podendo até ser um caso para a psiquiatria..

A ideia monárquica torna-se ainda mais irracional quando apela ao carácter divino da sua fundamentação.

Não se percebe mesmo como é que um poder político, portanto temporal e humano, se pretende legitimar por meio do Divino.

O divino, como bem sabem os monárquicos, pretende-se intemporal e, mais importante, acima de todas as coisas terrenas.

E as famílias de sangue azul muito gostam de se rodear de fortunas e mordomias, e nunca desprezam mais sustentou e luxos pagos pelo erário público.

O pior mesmo é que sabemos do passado e da História que as monarquias começaram todas a partir o poder de indivíduos tiranos e sanguinários, foi legitimada pelo uso da força do punho, da espadeirada, da coerção e da violação, e, muito especialmente, por meio do abuso das prerrogativas dos primogénitos sobre os demais irmãos.

Não há nada mais paradoxal e contraditório do que as monarquias legtimidas com o cristianismo: o apelo ao poder terreno com a legitimação do divino!

O fenómeno recente da recuperação da ideia ou da causa monárquica é mais uma forma fácil, romântica e idílica, mas sebastianista e logo perigosa, de tentar resolver os problemas modernos que as pessoas simplesmente, por preguiça e por inércia, não querem, nem estão sequer interessados, elas mesmas resolver.

É verdade que muita repúblicas, tal como a portuguesa, não resolveram os problemas nacionais, mas a monarquia é ainda menos democrática do que a república, logo, à partida está muito menos propensa para resolver os problemas reais e amplos dos seus povos.

A monarquia é mais uma forma de estatismo, de paternalismo e de plutocracia, vive e perpetua-se na dependência cívica política dos (seus) adeptos e crentes.

Até se pode perceber a natureza dos processos saudosistas e recuperação do "belo e glorioso passado", mas ainda é bem mais verdade e real que "águas passadas não movem moinhos".

No essencial a Monarquia é a aceitação, pela via legal e ideológica que, pelo simples facto da linhagem e do sangue, ou do apelido mais no caso dos bastardos, passa a ser aceitável e natural a diferença entre pessoas, famílias, ou cidadãos, da mesma nação ou país.

De um lado, os privilegiados e soberanos, por razão dos seus apelidos e sangue, e do outro lado, a ralé e os súbditos, que, ainda por cima, têm de pagar aos primeiros tributos e obediência.

A monarquia é deveras irracional, portanto do ponto de vista da lógica é estúpida: é a resignação artificial perante uma pretensa diferença entre duas espécies humanas, de um lado os seres humanos superiores, donos e líderes do poder político, iluminados, abastados e abençoados pelo Divino, e do outro lado, os seres humanos inferiores que, como forma de punição da sua condição inferior ou do seu "pecado original", estão obrigados a obedecer,  servir e sustentar, sem reservas, aos primeiros e no seu proveito.

Na verdade, é a democracia, a antítese da monarquia,  com a sua qualidade e a sua verdade populares, que fazem a diferença a contento e para a felicidade dos povos.

A monarquia não é mesmo nenhuma resposta ou solução consistentes ou pragmáticas para a realidade crua e dura dos problemas, senão, só serve mesmo, para mascarar esses mesmos problemas e, pior, adiar a sua resolução.

A república é a condição natural da inclusão e da igualdade entre todos os nacionais e, se for realmente verdadeiramente complementada com uma boa a participada democracia, torna a soberania do povo o meio, o objetivo e o fim da felicidade desses mesmos povos.

E aqui não se desdenha a monarquia enquando uma bela historieta ou um belo conto de fadas!

 

 



publicado por Sérgio Passos às 19:39
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 5 de Outubro de 2013
5 de Outubro, República de Portugal.



publicado por Sérgio Passos às 10:34
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013
República Democrática Portuguesa das Bananas.

Até que os partidos políticos não sejam totalmente retirados do texto da Constituição Política de Portugal jamais haverá uma democracia digna desse nome em Portugal.

 



publicado por Sérgio Passos às 11:29
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Outubro de 2013
Aos saudosistas do feriado do "5 do Outubro":

A República morreu faz muito tempo em Portugal.
Desde então, vigora a Partidocracia Maçónica.

 



publicado por Sérgio Passos às 11:04
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 3 de Março de 2012
E o Povo pah?

Correm nestes dias as teses e os apoiantes de mudança do Regime, ao caso, a crer nos fitos dos respectivos escritos, de uma mudança de República para uma Monarquia.

Ora, caso não fosse o meu elevado e sincero respeito pelas pessoas, sejam lá elas de "sangue azul" ou as de sangue comum e mortal, nestas últimas nas quais eu me incluo, eu diria que a conversa da Monarquia é para, no mínimo e na melhor das hipóteses, nos rirmos e às gargalhadas.

Isto para não chorarmos, que é o que apetece perante a miséria geral e a penúria em que o país está mergulhado!

Como em tantas outras coisas, esta história nova e fresquinha da restauração da Monarquia em Portugal é coisa própria de gente delirante e que vive, só pode mesmo, no mundo da fantasia, ou num qualquer mundo de "Alice no País das Maravilhas".

Neste país, como em tudo o mais que vemos escrito, mas o pior é mesmo vir de pessoas que julgávamos com algum tino ou juízo, parecem muito se preocupar com as "figuras" e com os "figurões"!

É a conversa costumeira da classe dirigente e mandante neste país: os problemas deles são os seus lugares, as suas regalias, os seus prémios e as suas comendas.

O seu assunto e tema são de tal modo e de tal maneira alheios à realidade e aos efectivos e graves problemas em que estamos mergulhados, que nem se preocupam, nem se ralam, minimamente com o real estado do país e a situação de fome em que centenas de milhares de pessoas já se encontram afligidas.

Semelhante a este alheamento e fuga à realidade de Portugal, qual negação maníaca da realidade, no que, aliás, os portugueses e muito especialmente as suas classes dirigentes e políticas desde há 38 anos, portanto desde o “25 de Abril de 1974”, são exímias, só consigo mesmo pensar no exemplo, tal qual, da Orquestra do Titanic a tocar valsas enquanto o próprio Titanic se afundava.

Mas, já com o Povo e a real e efectiva Democracia não vejo muitos sujeitos preocupados, melhor, não vejo nenhum figurão, opinador ou comentador, ralados, nem lhes interessa.

É o sinal bem próprio e comum nas cabeças ilustres e pensantes deste país: o país e as suas pessoas, que muito e duramente sofrem nos dias que correm, não contam para conta ou coisa nenhumas.

Os idosos morrem aos milhares de doença, de fome e frio, e, veja-se, a sua preocupação é o Rei!
Seria também o caso de perguntar se o putativo candidato a rei de Portugal se debate com os mesmo problemas das contas da luz, da farmácia ou das taxas moderadoras nos Centros de Saúde.

Mas, os ilustres apoiantes da Monarquia, parecem, uma vez mais, preocupados efectivamente com as suas pratas e as suas porcelanas, os seus futebóis e fados ou, na melhor das hipóteses, com as contas do rosário de um terço.
Perante isto eu fico-me como o "outro": "e o povo páh"?!
E as pessoas de carne e osso, que sofrem, choram e se agoniam com fome, doença e miséria?

Pelos vistos, estes comentadores só se preocupam mesmo com a saúde do Povo para e quando este, com os seus costados pague a crise, ou responda com o seu sangue o desmando dos reis ou dos presidentes republicanos.

Pois nós, daqui respondemos, e não esquecemos, que a Monarquia também levou Portugal no final do Século XIX à ruína e à insolvência, da qual só muito mais tarde, já com Salazar e no Século XX, viria a recuperar.

E já agora, porque o assunto vai longe e não rende nem paga a renda, caso a ideia peregrina da Monarquia fosse por diante, eu não posso deixar de perguntar: qualquer um de nós, portanto qualquer cidadão, também se pode candidatar a ser Rei?

Ou também aqui há uns mais iguais do que os outros???

Ou posta a questão de uma outra maneira: a Monarquia afinal é do Povo e para o Povo ou é só para benefício de alguns???

Desculpem-me lá “qualquer coisinha”, mas já me vai faltando a pachorra para o alheamento em que este país e as suas pessoas vivem!

Ou quiçá, eu me engane e esteja prometido, do que eu ainda não fui informado, e esteja para chegar algum "Dom Sebastião" com o alfobre cheio de ouro do Brasil para resolver os gravíssimos e profundos problemas de Portugal?
...

E Salvo o Devido Respeito!



publicado por Sérgio Passos às 18:33
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 20 de Dezembro de 2011
Os portugueses e a sua forma especial de encarar o suicidio colectivo !
por Francisco Goncalves a Sexta-feira, 10 de Junho de 2011 às 15:50
 
A sociedade portuguesa actual é bem o reflexo de uma lógica perversa de exercício abjecto do poder pelo actual sistema político de cariz fortemente oligárquico, sendo apenas uma adaptação infeliz do anterior sistema ditatorial de Salazar, em que apenas se mascarou de democrático e adaptou alguma legislação e introduziu alguns preceitos democráticos para a nova constituição da III república, mas sem qualquer efeito prático para aos cidadãos, porque a lógica do cumprimento da justiça sempre foi a de "dois pesos e duas medidas" !

 

Ou seja, com o 25 de Abril de 1974, oportunistas bem posicionados ocuparam o poder e os aparelhos partidários e trataram logo de perpetuar a dicotomia entre ricos e pobres, que nos últimos 10 anos se acentuou de forma intolerável, abominável e na mais pérfida forma de abuso de poder da elite dominante sobre os cidadãos, assim indefesos e sempre explorados e obrigados a suportar, através de impostos altamente injustos e sempre perdendo benefícios, o despesismo de uma classe dominante, que sem qualquer moral ou ética se atreve a viver na mais vil opulência e no desmando perante as leis mais basilares da constituição vigente.

E deste modo nos vimos chegar à actual situação de abomináveis contornos e de inimagináveis consequências para o futuro da Nação, onde se acentou gravemente fosso entre ricos e pobres, como características só vistas em países subdesenvolvidos e de terceiro mundo!

 

De salientar ainda que Portugal continua assim igual a si próprio passados 100 anos de república, e mudou o que tinha que mudar, em termos sociais, apenas por influências quase exclusivamente externas e sempre que este se abriu ao mundo, com excepção de algumas décadas do regime de Salazar, em que este se fechou completamente em relação ao exterior.

 

Do ponto de vista de ser e de existir, os portugueses continuam fiéis ao arquétipo ancestral de aversão à mudança, de um servilismo atroz e confrangedor, conformismo amorfo, comportamentos de evolução por puro mimetismo medievo, incapacidade de tomada de decisão e de risco, acríticos e ferozes em combater o que consideram estranho ou ideias diferentes que ponham em causa o "status quo" implantado, seja ele o regime abominável de Salazar ou o exercício abjecto de poder desta democracia de fachada.

 

Portanto face a estas características, que acabei de enunciar relativamente a este povo não teria sido dificíl há 100 anos atrás, a um qualquer ser humano, com capacidade critica suficiente, adivinhar facilmente o que nos esperaria hoje como realidade e autêntico estádio de degradação da nação portuguesa, que eis chegou a um beco sem saída!

 

O díficíl está em fazer crer aos portugueses, que com as características de que são dotados e metidos sempre na sua forma de agir na "mesmice", a Nação chegou ao fim da linha, e que só uma nova forma de PENSAR, de SER e de AGIR, nos poderá fazer sair deste beco e lodaçal, do qual todos nos deveríamos envergonhar, em cada momento das nossas vidas!

 

Se qualquer dos portugueses se sente nos dias que correm, à vontade no estrangeiro perante a sua identificação como cidadão luso, tal exige que cada um individualmente faça uma reflexão pessoal, face à tamanha falta de coragem e falta de determinação de todo um povo, e à imagem que tem vindo a dar, reflectindo uma total falta de credibilidade, produtividade, seriedade e a mais completa ausência de principios, perante um Mundo Inteiro incredulo, inclusive já perante o Terceiro Mundo, o que nos deveria a todos cobrir de vergonha e impelir-nos à ACÇÃO!

 

Que todos saibamos perceber a dimensão da tragédia em que nos encontramos, que já não é só económica, financeira, social de pobreza absoluta, mas sobretudo a mais completa ausência de princípios morais e éticos e de falta de carácter, que é aquilo que nos poderia definir como seres humanos civilizados!

 

Por todos os portugueses, lamento que esta seja a mais crua e nua verdade. Mas que por uma vez que seja todos possam ser capazes de enxergar finalmente a VERDADE e não continuem a persisitir em mergulhar a cabeça na areia, inventar desculpas para a "morte" anunciada, ou olhar para o lado, como se não tivessem nada a ver com o assunto,

porque não se vai RESOLVER NADA DESTA VEZ! TUDO FICARÁ IGUAL E COM TENDÊNCIA A PIORAR ... E MUITO !

 

O tempo vai passar e tudo vai piorar, a não ser que acções concretas dos cidadãos, em união e comungando esforços colectivos, possam inverter esta lógica destrutiva comandada pelos partidos politicos e suas elites, e o País possa finalmente libertar-se deste jugo opressor e castrador da liberdade e da criatividade de todo um povo, refundando uma democracia onde o mérito, a competência, a dedicação possam ser os únicos principios que presidam à escolha das novas lideranças, que assim poderão na mais completa liberdade, mas com responsabilidade acrescida, fazer renascer Portugal das cinzas, tal qual Fénix renascida!

Só a imaginação, a criatividade e a inovação, num quadro de principios de ordem moral e ética irrepreensíveis, nos poderão salvar, e os actuais politicos da nação e os seus amigos, não dispõem de nenhuma destas três capacidades.

 

VIVA PORTUGAL !

 

Francisco Gonçalves

11June2011

 

https://www.facebook.com/#!/notes/francisco-goncalves/os-portugueses-e-a-sua-forma-especial-de-encarar-o-suicidio-colectivo-/10150216231464925



publicado por Sérgio Passos às 11:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 26 de Junho de 2011
A democracia estará para chegar em breve a Portugal?

Começo a ouvir e a ler alguns sinais positivos de abertura dos partidos políticos a uma profunda reforma constitucional e para a essencial alteração das leis eleitorais ao parlamento.

A ver vamos se finalmente iremos ter uma verdadeira Constituição moderna, plena de liberdades e dirigida à felicidade dos portugueses, vocacionada em especial para o progresso e o desenvolvimento nacional e que enalteça e valorize a cidadania responsável, e que seja sua garantia e a sua defesa perante o Estado.

Que essa nova Lei seja um projecto comum nacional pautado pelo respeito das individualidade e das diferenças das pessoas, apelando ao civismo dos cidadãos e à sua participação crítica e construtiva no governo da coisa pública e, em última mas derradeira concretização, que reúna os portugueses em solidariedade e comunhão colectivas numa verdadeira Casa da Democracia.


http://www.publico.pt/Política/assis-e-seguro-convergem-com-psd-na-reforma-das-leis-eleitorais_1500279



publicado por Sérgio Passos às 21:49
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

A norma fascista da Const...

Mário Soares pode impunem...

Deus é republicano ou mon...

5 de Outubro, República d...

República Democrática Por...

Aos saudosistas do feriad...

E o Povo pah?

Os portugueses e a sua fo...

A democracia estará para ...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds