Ideias e poesias, por mim próprio.

Sábado, 28 de Dezembro de 2013
Free Liu Xiaobo, the Nobel Peace Price 2010 - Libertem Liu Xiaobo, o Prémio Nobel da Paz 2010!

in English:

 

Liu Xiaobo was awarded the Nobel Peace Prize 2010, is literary critic, writer, professor, intellectual and activist for human and political rights and democratic reform and respect for fundamental human rights in China, and finds be imprisoned since December 8, 2008, when he was detained in response to his participation in the signing of the "Charter 08".
Liu Xiaobo was formally arrested on June 23, 2009 on charges of "inciting subversion of state power".
Was charged for the same reasons on 23 December of the same year and sentenced to 11 years in prison on December 25.

Hoje, 28 de Dezembro de 2013, é o seu dia de aniversário.

Parabéns Liu Xiaobo!

His arrest is not more than the response of intolerance and repression by the Chinese authorities.

Shame on Popular Republic of China!

 

in Portuguese:

 

Liu Xiaobo foi laureado pelo Prémio Nobel da Paz de 2010, é crítico literário, escritor, professor, intelectual e activista pelos direitos humanos e por reformas políticas e democráticas, bem como o respeito pelos elementares direitos humanos, na República Popular da China, e encontra-se preso desde 8 de Dezembro de 2008, quando foi detido em resposta à sua participação na assinatura da "Carta 08".
Liu Xiaobo foi formalmente preso em 23 de Junho de 2009 sob a acusação de "incitar à subversão contra o poder do Estado".
Foi acusado pelos mesmos motivos em 23 de Dezembro do mesmo ano e condenado a 11 anos de prisão em 25 de Dezembro.

Today, December 28, 2013, is the anniversary of Liu Xiaobo.

Happy birthday to you, Liu Xiaobo!

A sua prisão mais não é do que a resposta de intolerância e repressão das autoridades chinesas.

Vergonha para a República Popular da China!

 

Documents - Documentos:

 

In English:

"I have no enemies." - The defense of Liu Xiaobo before the objections of the Chinese State, who condemned him to prison.

http://euacuso.blogs.sapo.pt/223824.html

 

Em português:

“Eu não tenho inimigos.” - A defesa de Liu Xiaobo perante as acusações do Estado Chinês, que o condenaram à prisão.

http://euacuso.blogs.sapo.pt/163813.html

 

Em inglês:

"Charter 08" - A letter ruging democratic reforms in China, by chinese intellectuals and democrats.

http://euacuso.blogs.sapo.pt/223551.html

 

Em português:

"Carta 08" - A carta pedindo a reforma democrática da China, pelos intelectuais e democratas chineses.

http://euacuso.blogs.sapo.pt/163498.html

 



publicado por Sérgio Passos às 14:56
link do post | comentar | favorito
|

Liu Xiaobo: "I Have No Enemies".

Liu Xiaobo: I Have No Enemies.

 

His speech in court. (Read by Liv Ullmann at the Nobel Peace Prize award ceremony in Oslo, Dec. 10, 2010. Translation by HRIC.)

 

In the course of my life, for more than half a century, June 1989 was the major turning point. Up to that point, I was a member of the first class to enter university when college entrance examinations were reinstated following the Cultural Revolution (Class of ‘77). From BA to MA and on to PhD, my academic career was all smooth sailing. Upon receiving my degrees, I stayed on to teach at Beijing Normal University . As a teacher, I was well received by the students. At the same time, I was a public intellectual, writing articles and books that created quite a stir during the 1980s, frequently receiving invitations to give talks around the country, and going abroad as a visiting scholar upon invitation from Europe and America . What I demanded of myself was this: whether as a person or as a writer, I would lead a life of honesty, responsibility, and dignity. After that, because I had returned from the U.S. to take part in the 1989 Movement, I was thrown into prison for “the crime of counter-revolutionary propaganda and incitement.” I also lost my beloved lectern and could no longer publish essays or give talks in China . Merely for publishing different political views and taking part in a peaceful democracy movement, a teacher lost his lectern, a writer lost his right to publish, and a public intellectual lost the opportunity to give talks publicly. This is a tragedy, both for me personally and for a China that has already seen thirty years of Reform and Opening Up.

When I think about it, my most dramatic experiences after June Fourth have been, surprisingly, associated with courts: My two opportunities to address the public have both been provided by trial sessions at the Beijing Municipal Intermediate People’s Court, once in January 1991, and again today. Although the crimes I have been charged with on the two occasions are different in name, their real substance is basically the same - both are speech crimes.

Twenty years have passed, but the ghosts of June Fourth have not yet been laid to rest. Upon release from Qincheng Prison in 1991, I, who had been led onto the path of political dissent by the psychological chains of June Fourth, lost the right to speak publicly in my own country and could only speak through the foreign media. Because of this, I was subjected to year-round monitoring, kept under residential surveillance (May 1995 to January 1996) and sent to Reeducation-Through-Labor (October 1996 to October 1999). And now I have been once again shoved into the dock by the enemy mentality of the regime. But I still want to say to this regime, which is depriving me of my freedom, that I stand by the convictions I expressed in my “June Second Hunger Strike Declaration” twenty years ago - I have no enemies and no hatred. None of the police who monitored, arrested, and interrogated me, none of the prosecutors who indicted me, and none of the judges who judged me are my enemies. Although there is no way I can accept your monitoring, arrests, indictments, and verdicts, I respect your professions and your integrity, including those of the two prosecutors, Zhang Rongge and Pan Xueqing, who are now bringing charges against me on behalf of the prosecution. During interrogation on December 3, I could sense your respect and your good faith.

Hatred can rot away at a person’s intelligence and conscience. Enemy mentality will poison the spirit of a nation, incite cruel mortal struggles, destroy a society’s tolerance and humanity, and hinder a nation’s progress toward freedom and democracy. That is why I hope to be able to transcend my personal experiences as i look upon our nation’s development and social change, to counter the regime’s hostility with utmost goodwill, and to dispel hatred with love.

Everyone knows that it was Reform and Opening Up that brought about our country’s development and social change. In my view, Reform and Opening Up began with the abandonment of the “using class struggle as guiding principle” government policy of the Mao era and, in its place, a commitment to economic development and social harmony. The process of abandoning the “philosophy of struggle” was also a process of gradual weakening of the enemy mentality and elimination of the psychology of hatred, and a process of squeezing out the “wolf’s milk” that had seeped into human nature. It was this process that provided a relaxed climate, at home and abroad, for Reform and Opening Up, gentle and humane grounds for restoring mutual affection among people and peaceful coexistence among those with different interests and values, thereby providing encouragement in keeping with humanity for the bursting forth of creativity and the restoration of compassion among our countrymen. One could say that relinquishing the “anti-imperialist and anti-revisionist” stance in foreign relations and “class struggle” at home has been the basic premise that has enabled Reform and Opening Up to continue to this very day. The market trend in the economy, the diversification of culture, and the gradual shift in social order toward the rule of law have all benefitted from the weakening of the “enemy mentality.” Even in the political arena, where progress is slowest, the weakening of the enemy mentality has led to an ever-growing tolerance for social pluralism on the part of the regime and substantial decrease in the force of persecution of political dissidents, and the official designation of the 1989 Movement has also been changed from “turmoil and riot” to “political disturbance.” The weakening of the enemy mentality has paved the way for the regime to gradually accept the universality of human rights. In [1997 and] 1998 the Chinese government made a commitment to sign two major United Nations international human rights covenants, signaling China’s acceptance of universal human rights standards. In 2004, the National People’s Congress (NPC) amended the Constitution, writing into the Constitution for the first time that “the state respects and guarantees human rights,” signaling that human rights have already become one of the fundamental principles of China’s rule of law. At the same time, the current regime puts forth the ideas of “putting people first” and “Creating a harmonious society,” signaling progress in the CPC’s concept of rule.

I have also been able to feel this progress on the macro level through my own personal experience since my arrest.

Although I continue to maintain that I am innocent and that the charges against me are unconstitutional, during the one plus year since I have lost my freedom, I have been locked up at two different locations and gone through four pretrial police interrogators, three prosecutors, and two judges, but in handling my case, they have not been disrespectful, overstepped time limitations, or tried to force a confession. Their manner has been moderate and reasonable; moreover, they have often shown goodwill. On June 23, I was moved from a location where I was kept under residential surveillance to the Beijing Municipal Public Security Bureau’s No. 1 Detention Center, known as “Beikan.” During my six months at Beikan, I saw improvements in prison management.

In 1996, I spent time at the old Beikan (located at Banbuqiao). Compared to the old Beikan of more than a decade ago, the present Beikan is a huge improvement, both in terms of the “hardware” - the facilities - and the “software” - the management. In particular, the humane management pioneered by the new Beikan, based on respect for the rights an integrity of detainees, has brought flexible management to bear on every aspect of the behavior of the correctional staff, and has found expression in the “comforting broadcasts,” Repentance magazine, and music before meals, on waking and at bedtime. This style of management allows detainees to experience a sense of dignity and warmth, and stirs their consciousness in maintaining prison order and opposing the bullies among inmates. 

Not only has it provided a humane living environment for detainees, it has also greatly improved the environment for their litigation to take place and their state of mind. I’ve had close contact with correctional officer Liu Zheng, who has been in charge of me in my cell, and his respect and care for detainees could be seen in every detail of his work, permeating his every word and deed, and giving one a warm feeling. It was perhaps my good fortune to have gotten to know this sincere, honest, conscien tious, and kind correctional officer during my time at Beikan.

It is precisely because of such convictions and personal experience that I firmly believe that China ‘s political progress will not stop, and I, filled with optimism, look forward to the advent of a future free China . For there is no force that can put an end to the human quest for freedom, and China will in the end become.a nation ruled by law, where human rights reign supreme. I also hope that this sort of progress can be reflected in this trial as I await the impartial ruling of the collegial bench - a ruling that will withstand the test of history.

If I may be permitted to say so, the most fortunate experience of these past twenty years has been the selfless love I have received from my wife, Liu Xia. She could not be present as an observer in court today, but I still want to say to you, my dear, that I firmly believe your love for me will remain the same as it has always been. Throughout all these years that I have lived without freedom, our love was full of bitterness imposed by outside circumstances, but as I savor its aftertaste, it remains boundless. I am serving my sentence in a tangible prison, while you wait in the intangible prison of the heart. Your love is the sunlight that leaps over high walls and penetrates the iron bars of my prison window, stroking every inch of my skin, warming every cell of my body, allowing me to always keep peace, openness, and brightness in my heart, and filling every minute of my time in prison with meaning. My love for you, on the other hand, is so full of remorse and regret that it at times makes me stagger under its weight. I am an insensate stone in the wilderness, whipped by fierce wind and torrential rain, so cold that no one dares touch me. But my love is solid and sharp, capable of piercing through any obstacle. Even if I were crushed into powder, I would still use my ashes to embrace you.

My dear, with your love I can calmly face my impending trial, having no regrets about the choices I’ve made and optimistically awaiting tomorrow. I look forward to [the day] when my country is a land with freedom of expression, where the speech of every citizen will be treated equally well; where different values, ideas, beliefs, and political views ... can both compete with each other and peacefully coexist; where both majority and minority views will be equally guaranteed, and where the political views that differ from those currently in power, in particular, will be fully respected and protected; where all political views will spread out under the sun for people to choose from, where every citizen can state political views without fear, and where no one can under any circumstances suffer political persecution for voicing divergent political views. I hope that I will be the last victim of China ‘s endless literary inquisitions and that from now on no one will be incriminated because of speech.

Freedom of expression is the foundation of human rights, the source of humanity, and the mother of truth. To strangle freedom of speech is to trample on human rights, stifle humanity, and suppress truth.

In order to exercise the right to freedom of speech conferred by the Constitution, one should fulfill the social responsibility of a Chinese citizen. There is nothing criminal in anything I have done. [But] if charges are brought against me because of this, I have no complaints.

Thank you, everyone.

 

(Based on a translation by J. Latourelle)

 

 

 

(Ceremony of the Nobel Peace Prize 2010, December 10, 2012, in the absence of the laureate Liu Xiaobo)



publicado por Sérgio Passos às 14:43
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011
Nós recordamos em Lisboa, no dia 28 de Dezembro, o aniversário de Liu Xiaobo, o Prémio Nobel da Paz 2010 preso: a vergonha da República Popular da China.

 

Liu Xiaobo foi laureado pelo Prémio Nobel da Paz de 2010, é crítico literário, escritor, professor, intelectual e activista pelos direitos humanos e por reformas políticas e democráticas, bem como o respeito pelos elementares direitos humanos, na República Popular da China, e encontra-se preso desde 8 de Dezembro de 2008, quando foi detido em resposta à sua participação na assinatura da "Carta 08".
Liu Xiaobo foi formalmente preso em 23 de Junho de 2009 sob a acusação de "incitar à subversão contra o poder do Estado".
Foi acusado pelos mesmos motivos em 23 de Dezembro do mesmo ano e condenado a 11 anos de prisão em 25 de Dezembro.

A sua prisão mais não é do que a resposta de intolerância e repressão das autoridades chinesas.



publicado por Sérgio Passos às 17:37
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Dezembro de 2011
Vigília em Lisboa, na Praça Marquês Pombal, a 28/12/2011, pelas 16 horas: Liu Xiaobo, o aniversário do Prémio Nobel da Paz.

No próximo dia 28 de Dezembro: Liu Xiaobo celebra o seu 56º aniversário.
 
Nós não o podemos esquecer!
 
Como devem saber o Governo Português anunciou no passado dia 22 de Dezembro que a empresa estatal chinesa Three Gorges foram os escolhidos para comprar a posição de 21,35% do Estado português na companhia nacional eléctrica portuguesa EDP.
 Ora, no próximo dia 28 de Dezembro Liu Xiaobo, celebra a sua data de aniversário, fazendo 56 anos.
 Liu Xiaobo foi laureado pelo Prémio Nobel da Paz de 2010, é crítico literário, escritor, professor, intelectual e activista pelos direitos humanos e por reformas na República Popular da China, e encontra-se preso desde 8 de Dezembro de 2008, quando foi detido em resposta à sua participação na assinatura da "Carta 08".
 Liu Xiaobo foi formalmente preso em 23 de Junho de 2009 sob a acusação de "incitar à subversão contra o poder do Estado".
 Foi acusado pelos mesmos motivos em 23 de Dezembro do mesmo ano e condenado a 11 anos de prisão em 25 de Dezembro.
 Os activistas portugueses não podem deixar passar esta data, de 28 de Dezembro próximo, sem assinalar e manifestar a sua indignação pela prisão por mero "delito de opinião" de Liu Xiaobo.
 Assim sendo, convidamos todos os portugueses e activistas dos direitos humanos, a concentrarem no próximo dia 28 de Dezembro, pelas 16 horas, em frente à sede da EDP - Energias de Portugal, S.A. Sociedade, na Praça Marquês de Pombal, n.º 12, em Lisboa.
 Na ocasião será feita a entrega na EDP do documento "Eu não tenho inimigos", da autoria da Liu Xiaobo, a sua defesa no tribunal que o condenou à prisão e que foi lido por Liv Ullmann na Cerimónia de entrega do Prémio Nobel da Paz, a 10 de Dezembro de 2010, em Oslo, na ausência de Lio Xiaobo.
 Depois de entregue o documento seguirá uma vigilia no local, das pessoas presentes, até às 22 horas e 30 minutos.

 

https://www.facebook.com/Free.Liu#!/events/269162006473837/

 



publicado por Sérgio Passos às 14:04
link do post | comentar | favorito
|

"Carta 08" (As exigências dos intelectuais, dos democratas e dos pacifistas chineses pela Liberdade e pela Democracia na China)

“Carta 08”

 

9 de Dezembro de 2008.:


I. Preâmbulo:

Este ano marca os 100 anos da primeira Constituição da China, o 60.º aniversário da promulgação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, o 30.º aniversário do nascimento do Muro da Democracia e do 10.º ano desde que o governo chinês assinou o Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos.

Tendo experimentado um período prolongado de desastres de direitos humanos e lutas desafiadoras e tortuosas, os cidadãos chineses estão despertando cada vez mais conscientes de que os direitos da liberdade, da igualdade e os direitos humanos são valores universais compartilhados por toda a Humanidade e que, a democracia, o republicanismo e o governo constitucional compõem a estrutura básica institucional da política moderna.

A "modernização" desprovida desses valores universais, neste quadro político básico, é um processo desastroso que priva as pessoas dos seus direitos, que apodrece a sua humanidade e destrói a sua dignidade.
Para onde está indo na China do século 21?

Será que vai continuar com esta "modernização" sob o regime autoritário, ou vai endossar valores universais, juntar-se à civilização dominante e construir uma forma democrática de governo?

Esta é uma decisão inevitável.

As tremendas mudanças históricas dos meados do século 19 expuseram a decadência do sistema tradicional chinês autocrático e definiram o cenário para a maior transformação que a China tinha visto em vários milhares de anos.

O Movimento de Auto-Fortalecimento [1861-1895] procurou melhorias na capacidade técnica da China através da aquisição de técnicas de fabricação e o conhecimento científico e tecnologias militares do Ocidente, a derrota da China na Guerra Sino-Japonesa primeiro [1894-1895], mais uma vez expôs a obsolescência do seu sistema; a Reforma dos Cem Dias [1898] tocou em cima da área de inovação institucional, mas terminou em fracasso devido à supressão cruel pela facção die-hard [na corte Qing].

A Revolução Xinhai [1911], na superfície, enterrou o sistema imperial que durou mais de 2.000 anos e estabeleceu primeira república da Ásia.

Mas, devido às circunstâncias históricas particulares de problemas internos e externos, o sistema republicano de governo foi de curta duração e a autocracia fez um retorno.

O fracasso da imitação técnica e renovação institucional solicitou uma profunda reflexão entre os nossos compatriotas sobre a causa raiz da doença cultural da China e do que se seguiu ao Quatro de Maio [1919] e os Movimentos Nova Cultura [1915-1921], sob a bandeira da "ciência e da democracia".

Mas o curso de democratização política da China foi violentamente interrompida devido a frequentes guerras civis e invasões estrangeiras.

O processo de um governo constitucional começou novamente após a vitória da China na Guerra de Resistência contra o Japão [1937-1945], mas o resultado da guerra civil entre nacionalistas e os comunistas mergulharam China para o abismo do moderno totalitarismo.

A "Nova China" criada em 1949 é uma "república popular" no nome, mas na realidade é um "domínio do partido."

O partido governante monopoliza todos os recursos políticos, económicos e sociais.

Ela criou uma série de desastres de direitos humanos, tais como a Campanha Anti-direitista, o Grande Salto em Frente, a Revolução Cultural, Junho Quarto, a supressão de actividades religiosas não-oficiais e dos movimento de defesa dos direitos, fazendo dezenas de milhões de mortes e um exigente e um desastroso preço tanto do povo e como do país.

A "reforma e abertura" do final do século 20 retirou a China da pobreza generalizada e do totalitarismo absoluto da era Mao Zedong, aumentou substancialmente a riqueza privada e o nível de vida das pessoas comuns.

A liberdade económica individual e os privilégios sociais foram parcialmente restaurados, uma sociedade civil começou a crescer e exigiu que os direitos humanos e a liberdade política entre o povo aumentasse a cada dia.

Quem está no poder, enquanto implementava as reformas económicas que visam à mercantilização e a privatização, também começou a mudar a partir de uma primeira posição de rejeição de direitos humanos para aos poucos começar a reconhecê-los.

Em 1997 e 1998, o governo chinês assinou dois importantes tratados internacionais dos direitos humanos.

Em 2004, o Congresso Nacional do Povo emendou a Constituição para acrescentar que "[o Estado] respeita e garante os direitos humanos."

E este ano, o governo prometeu formular e implementar um "Plano Nacional de Acção de Direitos Humanos."

Mas até agora, este progresso político tem permanecido no papel: há leis, mas não há Estado-de-Direito, não há uma Constituição e nenhum Governo Constitucional, o que é e continua a ser a realidade política e o que é óbvio para todos.

A elite dominante continua a insistir nas suas garras autoritárias no poder, rejeitando a reforma política.

Isto causou a corrupção oficial, a dificuldade em estabelecer regra de direito, a ausência dos direitos humanos, a falência moral, a polarização social, o desenvolvimento económico anormal, a destruição, tanto do ambiente natural como cultural.

Sem a protecção institucionalizada dos direitos dos cidadãos à liberdade, à propriedade e à busca da felicidade, levam à acumulação constante de todos os tipos de conflitos sociais e ao aumento contínuo de ressentimento e, em particular, a intensificação do antagonismo entre o governo e o povo e o aumento dramático em incidentes de massa, indicam uma perda catastrófica do controle, sugerindo que o atraso do sistema actual chegou a um ponto onde a mudança deve ocorrer.

 

II. Os Nossos Conceitos Fundamentais:

Neste momento histórico que irá decidir o destino futuro da China, é necessário reflectir sobre o processo de modernização dos cem anos já passados e reafirmar os seguintes conceitos:

Liberdade: A liberdade está no cerne de valores universais.

Os direitos de expressão, publicação, crença, reunião, associação, movimento de greve, de protesto e de manifestação, são todas as expressões concretas da liberdade. Onde a liberdade não floresce, não há civilização moderna para falar.

Direitos Humanos: Os direitos humanos não são concedidos por um Estado, são direitos inerentes usufruídos por cada pessoa.

A garantia dos direitos humanos é tanto o objectivo mais importante de um governo e da fundação da legitimidade da sua autoridade pública, é também a exigência intrínseca da política de "colocar as pessoas em primeiro lugar."

Sucessivos desastres políticos da China têm sido intimamente relacionados com o desrespeito pelos direitos humanos pelo poder estabelecido.

As pessoas são o esteio de uma nação, uma nação serve ao seu povo; o governo existe para o povo.

Igualdade: A integridade, dignidade e liberdade de cada indivíduo, independentemente do status social, sexo, ocupação, circunstâncias económicas, etnia, cor da pele, religião ou crença política, são iguais.

Os princípios da igualdade perante a lei para cada pessoa e na igualdade dos direitos sociais, económicos, culturais e políticos de todos os cidadãos devem ser implementadas.

Republicanismo: republicanismo é "o conjunto por todos os que regem a convivência pacífica", isto é, a separação dos poderes de freios e contrapesos e a ponderação dos interesses, isto é, uma comunidade que inclui muitos interesses diversos, diferentes grupos sociais, e uma pluralidade de culturas e crenças, buscando pacificamente lidar com os assuntos públicos com base na igualdade de participação, a concorrência leal e a discussão conjunta.

Democracia: O significado mais fundamental é que a soberania reside no povo e do governo eleito pelo povo.

A democracia tem as seguintes características básicas: (1) A legitimidade do poder político emana do povo, a fonte do poder político é o povo. (2) O controle político é exercido através de escolhas feitas pelo povo. (3) Os cidadãos gozam do direito real de voto; os funcionários em posições chave em todos os níveis de governo devem ser o produto de eleições em intervalos regulares. (4) Respeito pelas decisões da maioria, protegendo os direitos humanos básicos da minoria.

Em uma palavra, a democracia é o instrumento moderno pública para a criação de um governo "do povo, pelo povo e para o povo."
Constitucionalismo: Constitucionalismo é o princípio de garantir as liberdades e os direitos fundamentais dos cidadãos, tal como definido pela Constituição, através de disposições legais e do Estado-de-Direito, limitando e definindo os limites do poder do governo e da sua conduta, e fornecendo a capacidade institucional adequada para realizá-la. Na China, a era do poder imperial há muito desapareceu, para nunca mais voltar; no mundo em geral, o sistema autoritário está em declínio; os cidadãos devem se tornar os verdadeiros mestres de seus Estados.

A maneira fundamental para a China deve encontrar-se na eliminação da noção de dependência subserviente aos "governantes esclarecidos" e dos "funcionários de pé," promovendo a consciência pública dos direitos fundamentais e a participação como um dever, pondo em prática a liberdade, a prática de democracia e respeitando a lei.

 

III. As Nossas Posições Básicas:

Assim, no espírito de cidadãos responsáveis ​​e construtivos, estendem as seguintes posições específicas sobre vários aspectos da administração do Estado, dos direitos e interesses dos cidadãos e no desenvolvimento social:
1. Emenda Constitucional: Com base nos valores acima mencionados e conceitos, alterar a Constituição, suprimindo cláusulas na Constituição actual que não estão em conformidade com o princípio de que a soberania reside no povo, para que a Constituição se torne realmente um documento que garante os direitos humanos e permite o exercício do poder público, e tornando-se a lei suprema e aplicável que nenhum indivíduo, grupo ou partido pode violar, que institui a fundação da autoridade legal para democratizar China.

2. Separação de poderes e freios e contrapesos: Construir um governo moderno que separa os poderes e mantém freios e contrapesos entre eles, que garante a separação dos poderes legislativo, judiciário e executivo.

Estabelecer o princípio da administração legal e um governo responsável, para evitar a expansão excessiva do poder executivo; o governo deve ser responsável para os contribuintes; estabelecer o sistema de separação de poderes e freios e contrapesos entre os governos central e local, o poder central tem de ser claramente definidos e mandatado pela Constituição e as localidades devem exercer plena autonomia.

3. A democracia legislativa: Os órgãos legislativos em todos os níveis devem ser criados por meio de eleições directas; manter o princípio de equidade e justiça na tomada de lei e implementar a democracia legislativa.
4. Independência Judicial: O poder Judiciário deve transcender o partidarismo, ser livre de qualquer interferência, ser exercido com independência judicial e garantir a justiça judicial, devendo ser criado um Tribunal Constitucional e um sistema para investigar as violações da Constituição e defender a autoridade da Constituição.

Abolir o mais rapidamente possível do Partido as Comissões de Assuntos Políticos e Legislativos em todos os níveis que comprometem seriamente regra do país de direito. Evitar o uso privado de instrumentos públicos.

5. Uso público de instrumentos públicos: Trazer as forças armadas sob controle estatal. Os militares devem processar a fidelidade à Constituição e ao país. As organizações dos partidos políticos devem retirar-se das forças armadas; elevar o nível profissional das forças armadas.

Todos os funcionários públicos, incluindo a polícia devem manter a neutralidade política. Abolir a discriminação na contratação de funcionários públicos com base na filiação partidária e devendo haver igualdade na contratação, independentemente da filiação partidária.

6. Garantias de Direitos Humanos: Garantia de direitos humanos a sério; proteger a dignidade humana. Criar uma Comissão de Direitos Humanos, responsável perante o órgão máximo da vontade popular, para evitar abusos do governo da autoridade pública e as violações dos direitos humanos, e, principalmente, para garantir a liberdade pessoal dos cidadãos. Ninguém deve sofrer prisão ilegal, detenção, intimação, interrogatório ou punição. Abolir o sistema de Reeducação pelo trabalho.

7. Eleição dos Funcionários Públicos: Uma pessoa um voto, implementar o sistema de eleições democráticas para realizar os direitos de voto iguais com base na sistemática e progressivamente as eleições directas dos chefes administrativos em todos os níveis. As eleições regulares baseadas na livre concorrência e participação dos cidadãos nas eleições para cargos públicos são inalienáveis leis dos direitos humanos básicos.

8. Igualdade Urbano-Rural: Abolir a corrente urbano-rural de duas camadas bem como o sistema de registro de casa, para ser realizado efectivamente o direito constitucional de igualdade perante a lei para todos os cidadãos e garantir o direito dos cidadãos de circularem livremente.

9. Liberdade de Associação: O direito dos cidadãos de garantia à liberdade de associação. Alterar o actual sistema de registo da aprovação para grupos da comunidade para um sistema de mera manutenção de registos. Levantar a proibição de criação dos partidos políticos. Regular as actividades dos partidos nos termos da Constituição e da lei; abolir o privilégio de monopólio do partido único no poder; estabelecer os princípios da liberdade de actividades dos partidos políticos e de concorrência leal para os partidos políticos; normalizar e regular legalmente a política partidária.

10. Liberdade de reunião: Liberdades para demonstrar de forma pacífica, passear, demonstrar e expressar [opiniões] são as liberdades fundamentais dos cidadãos previstos na Constituição, não devendo tal estar sujeita a interferências ilegais e inconstitucionais restrições pelo partido no poder e o governo.

11. Liberdade de Expressão: Realizar a liberdade de expressão, liberdade de publicar, e liberdade académica; garantir o direito dos cidadãos à informação e o direito de fiscalização das instituições públicas. Aprovar uma "Lei de Notícias" e uma "Lei Publishing," levantar a proibição de apresentação de relatórios, revogar o "crime de incitação à subversão do poder estatal" da Lei Penal vigente e colocar um fim ao crime e à punição da liberdade discurso.

12. Liberdade de Religião: Garantir a liberdade de religião e a liberdade de crença, implementar a separação entre religião e Estado, para que as actividades envolvendo a religião e a fé não estejam sujeitas à interferência do governo. Examinar e revogar os estatutos administrativos, normas administrativas e os estatutos locais que restringem ou privam os cidadãos da liberdade religiosa; fim da gestão e da proibição de actividades religiosas pela legislação administrativa. Abolir o sistema que exige que os grupos religiosos (inclusive locais de culto) tenham de obter a aprovação prévia do seu estatuto jurídico ou dos seus registos, sendo substituídos por um sistema de manutenção de registos que não requer nenhum escrutínio.

13. Educação cívica: Abolir a educação política e os exames políticos que são pesados na ideologia e no serviço do Estado de Partido único. Popularizar a educação cívica baseada em valores universais e nos direitos civis, estabelecer a consciência cívica e defender as virtudes cívicas em servir a sociedade.

14. Protecção da Propriedade: Estabelecer e proteger os direitos de propriedade privada, implementar um sistema baseado numa economia de mercado livre e aberta; garantir a liberdade empresarial, eliminar os monopólios administrativos; criar um Comité de Gestão da propriedade do Estado, responsável perante o órgão máximo da vontade popular; lançamento da reforma dos direitos de propriedade de uma forma legal e ordenada, esclarecer a titularidade dos direitos de propriedade e os seus titulares; lançar um movimento de novas terras, procede à privatização da terra com antecedência, garantir a sério os direitos de propriedade à terra aos cidadãos, particularmente os agricultores.

15. Reforma fiscal: Democratizar as finanças públicas e garantir os direitos dos contribuintes ". Configurar o mecanismo de estrutura e funcionamento de um sistema de finanças públicas com autoridade e responsabilidades claramente definidas, e estabelecer um sistema racional e eficaz de autoridade financeira descentralizada entre os diversos níveis de governo; realizar uma grande reforma do sistema fiscal, de forma a reduzir taxas de impostos, simplificar o sistema tributário e equalizar a carga tributária. Os departamentos administrativos não devem aumentar os impostos ou criar novos impostos à vontade, sem sanção por parte da sociedade e obtidos através de um processo público electivo e por meio da resolução pelos órgãos de vontade popular. Aprovar a reforma dos direitos de propriedade para diversificar e introduzir mecanismos de concorrência no mercado; diminuir o limiar para a entrada no campo financeiro e criar condições para o desenvolvimento de empresas de propriedade privada financeiros, e agilizar totalmente o sistema financeiro.

16. Segurança Social: Estabelecer um sistema de segurança social que abranja todos os cidadãos e lhes forneça a segurança básica na educação, os cuidados médicos, cuidados para os idosos e no emprego.

17. Protecção Ambiental: Protecção do ambiente ecológico, promover o desenvolvimento sustentável e assumir a responsabilidade para as gerações futuras e de toda a humanidade; esclarecer as responsabilidades e impor apropriadamente que o Estado e o Governo e os funcionários em todos os níveis devem tomar para esse efeito, promover a participação e supervisão de grupos da sociedade civil na protecção ambiental.

18. Republica Federal: Participar na manutenção da paz e do desenvolvimento regionais com uma atitude de igualdade e justiça, e criar uma imagem de uma grande potência responsável. Proteger os sistemas livres de Hong Kong e Macau. Partindo da premissa de liberdade e democracia, procurar um plano de reconciliação para o Continente e Taiwan, através de negociações igual e interacção cooperativa. Sabiamente explorar caminhos possíveis e projectos institucionais para a prosperidade comum de todos os grupos étnicos, e estabelecer a República Federal da China no quadro de um governo democrático e constitucional.

19. Justiça Transicional: Restaurar a reputação de indemnização estatal e dar aos indivíduos, bem como suas famílias, que sofreram a perseguição política durante os últimos movimentos políticos; libertar todos os presos políticos e prisioneiros de consciência; libertar todas as pessoas condenadas por suas crenças; estabelecer uma Comissão para Investigação para encontrar a verdade dos acontecimentos históricos, determinar a responsabilidade e defender a justiça; buscar a reconciliação social sobre esta fundação.


IV. Conclusão:

A China, como uma grande nação do mundo, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas, e um membro do Conselho de Direitos Humanos, devem fazer a sua própria contribuição para a paz para a humanidade e para o progresso nos direitos humanos.

Lamentavelmente, porém, de todas as grandes nações do mundo de hoje, a China sozinha ainda se apega a uma forma autoritária de vida e tem, como resultado, criado uma cadeia ininterrupta de desastres de direitos humanos e crises sociais, deteve o desenvolvimento dos chineses e das pessoas, e impediu o progresso da civilização humana. Esta situação tem de mudar!

Não podemos adiar reformas democráticas e políticas por mais tempo. Portanto, no espírito cívico de ousar agir, estamos a emitir a "Carta 08".

Esperamos que todos os cidadãos chineses que compartilham este sentimento de crise, tomando a missão e a responsabilidade, os funcionários ou pessoas comuns e independentemente da sua origem social, coloquem de lado as diferenças e procurem um terreno comum e venham a tomar parte activa no movimento de cidadãos, para promoverem a grande transformação da sociedade chinesa em conjunto, para que possamos em breve estabelecer uma nação livre, democrática e constitucional, cumprindo as aspirações e sonhos que nossos compatriotas têm buscado incansavelmente por mais de uma centena de anos.


(Tradução por Sérgio Passos)



publicado por Sérgio Passos às 01:29
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Free Liu Xiaobo, the Nobe...

Liu Xiaobo: "I Have No En...

Nós recordamos em Lisboa,...

Vigília em Lisboa, na Pra...

"Carta 08" (As exigências...

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds