Ideias e poesias, por mim próprio.

Segunda-feira, 17 de Março de 2014
O Estado é tão necessário como a morte.

A minha crença na futura vitória da comunidade e, por outro lado, na destruição do Estado, o que já só por si será um grande mérito, não se confunde em nada com a anarquia convencional, a qual não aprecio, mas tem muito para demonstrar o Estado como um mal desnecessário.

 



publicado por Sérgio Passos às 16:33
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 2 de Novembro de 2013
Há futuro!

Os atuais problemas de Portugal jamais terão solução por meio de técnicos ou académicos, sejam eles economistas, advogados, cirurgiões, constitucionalistas, neutro-cirugiões, ou quaisquer outros. Os problemas de Portugal só terão solução por meio de corajosas pessoas que tenham a ousadia de revolucionar, rompendo com o situacionismo, o politicamente correcto, os podres e hipócritas consensos desta sociedade.

 

 



publicado por Sérgio Passos às 16:26
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Novembro de 2011
Portugal exige um futuro!

Da actual Constituição da República Portuguesa, de uma ponta à outra, há muito que os portugueses concluíram que se trata de uma pura incongruência e uma fantasia irrealizável. 

Isto para além de a considerarem também contraditória em muitos dos seus pontos com a realidade e, pior ainda, irrealizável em relação ao país desenvolvido que os melhores portugueses desejavam e desejam para Portugal. 
Passaram-se mais de 35 anos desde a sua aprovação e vigência e os portugueses em geral concluem agora, com certeza, absoluta, que a Constituição ultrapassou todos os piores receios. 

Constatamos, muitos de nós, agora o estado em que miseravelmente Portugal se encontra e que, em muito, fala pelo balanço da vigência de tal texto político, das suas instituições e de todo o sistema que criou: um país inteiro colapsado. 

Não bastando tal, mas decerto que eles se bastam bem a si mesmos e às suas clientelas, os Partidos políticos da esquerda portuguesa com assento parlamentar, começando no PSD e acabando no PCP, passando pelo PS, BE, pelos Verdes e demais grupelhos políticos, teimam num passado ideológico e programático, nada mais, nada menos do que, de resultados amplamente provados de destrutivos para Portugal. 

Os actuais partidos políticos com assento na Assembleia da República, que formam o espectro do poder, insistem e persistem na sua teimosia, na sua arrogância e na sua cegueira, mostrando-se cruelmente indiferentes ao sofrimento de milhões de portugueses, mostrando-se assim alheios, deste modo e por meio das suas condutas públicas, ao progressivo desalento e à crescente destruição de Portugal e das famílias e dos jovens portugueses.

Face à iminência da até já admitida e possível perda de independência de Portugal, um expressivo número de portugueses apelam já hoje a todos os corajosos e genuínos democratas portugueses, ainda existentes em Portugal, instando-os a baterem-se pelo futuro e pela liberdade de todos nós, em nome e pela honra do sangue derramado dos "egrégios" avós, que tomemos o nobre e valente esforço pela derradeira salvação de Portugal. 
Ora, nós os portugueses preocupados e angustiados não esquecemos, antes sentimos no nosso bater do coração e do sangue que pulsa nos nossos corações pela História, pelos antepassados, e pelos presentes filhos e bem assim como pelo futuro de Portugal.

Para os democratas portugueses basta já de destruição, de insensibilidade, de miséria, de sofrimento e da agonia profunda pela qual passa a Portugal inteiro de lés a lés.

Nós os democratas de boa e recta consciência, que trazemos no coração o pesar e o sentido de Portugal, é a hora de nos levantar e lutar esforçada, mas e sempre meritória e dignamente, pela independência, pela liberdade e pela democracia da nossa pátria, pela vida e pelo futuro da nossa língua e pela dignidade ímpar da alma portuguesa, propugnando sem desfalecer e sem nunca temer por um novo e radioso futuro de Portugal.

Pela salvação de Portugal, exigimos o nosso lugar e a nossa continuidade na História Universal.

Passaram já 868 anos da fundação de Portugal, e a esperança por um brilhante futuro Portugal é uma certeza entre nós, querendo-o nós por muitos e muitos mais anos e sem cessar.

Nós não desistimos e nós não vacilamos.

O nosso empenho e o nosso caminho são a certeza da nossa esperança e da nossa entrega, sem contrapartidas mas e só pela certeza do futuro dos portugueses e de Portugal.

Por Portugal, tudo.

Viva Portugal!



publicado por Sérgio Passos às 10:05
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 9 de Novembro de 2011
Alma minha gentil.

Há um recanto no espaço entre este arvoredo

Por aqui onde se enrolam e abraçam os ramos

Neste canto há uma vida encoberta, contudo

Aqui mesmo correram vidas, correm dias e correrias

Neste dia e nesta noite há aqui uma luz cantando

A uma só voz são perspectivas se digladiando

Vou neste caminho nesta passagem

Vou nesta vereda nesta desfolhada

O ser é um ter de experiências e contos

Aqui há passados, presentes e vindouros

Uma vida de várias vidas fazendo a sua natureza.

 

Há aqui um recanto e nele abundam vidas

O sol espreita lá de cima e entre as ameias

Dias não são dias nem são, e

Nem só de pão são feitas as nossas tristezas

Noites não são dias nem de noite, e

Nem só da fartura nem da alegria não

Tenho dias e não tenho, dias são

Tenho o meu canto e me canta e me cansa

Pode até chover e haver dúvidas neste recanto,

Mas seguramente eu juro e não devo, exijo

Há-de haver onde se façam o seu sol e as suas respostas.



publicado por Sérgio Passos às 10:24
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Novembro de 2011
Que futuro?

Não admira que a sociedade ocidental esteja na ruína, sem esperança, sem fé nem ânimo e não saiba qual o caminho a tomar para o futuro.
Tomara: uma sociedade que tanto se fia, confia e baseia nas meras aparências, no consumo e no materialismo só pode terminar no esgotamento, no desastre, em coisa nenhuma e no seu próprio fim!
Afinal, quem quer mudar de vida?

 



publicado por Sérgio Passos às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 15 de Agosto de 2010
Stephen Hawking: mais um derrotado.

Num novo artigo, por si assinado, o conhecido astrofísico Stephen Hawking vem dizer agora que se deve mandar a humanidade para o espaço. E já.

Diz ele que única hipótese de sobrevivência para a espécie humana é a colonização espacial nos próximos 100 anos.

Eu respondo-lhe e digo-lhe, sem pestanejar: Stephen Hawking tornou-se num novo pessimista, num novo derrotado. Está acabado.

O que ele nos vem dizer mais não é do que a sua própria falência e a já sua manifesta falta de capacidade para dar mais algo de novo à Humanidade, à ciência e ao conhecimento humano. Está acabado e mostra sinais de estar terminado, falido de ideias e nada mais tem a acrescentar, do que o seu mero delírio fantasista ou da pura ficção. Decepciona-me, ou talvez não. Só vem, mais uma vez, mostrar, que os cientistas não percebem, e raros foram aqueles que perceberam, mesmo onde se encontra a solução para os problemas do Homem: está no próprio Homem e nas suas infinitas capacidades mentais e espirituais. Stephen Hawking, como o comum dos seres humanos, bem como aquilo que é hoje é o comum e global pensamento humano, vive sem credo nem crédito na espécie humana e no seu semelhante. Vive virado para o egoísmo, para o umbigo e para o mero consumismo e materialismo. E como está só concentrado em si, logo limitado pelos sentidos, não percebe mesmo que só pela via da solidariedade humana, pela partilha, pelo amor ao próximo, pelo aprofundamento do espiritualismo, e pelo encontro de Deus nos Homem, o ser humano poderá conseguir superar os desafios do seu destino, da sua sobrevivência e do seu futuro neste planeta. O planeta tem capacidades e recursos infinitos para a satisfação óptima do Homem, caso sejam conjugadas com uma sua atitude positiva, de amor e construção, livre da mesquinhez, da avareza e do egoísmo por parte do Homem. Só quando todos os seres humanos tomarem a disposição, a atitude e actuação de viver em equilíbrio com os demais iguais, poderão gozar das possibilidade infinitas de gozarem na plenitude deste belo e maravilhoso planeta e dos seus recursos nos deixados por Deus criador. Sem a guerra, sem o ódio, sem a morte, afinal de contas, sem a destruição do “próximo”, do vizinho, do irmão. Porque a solução do Homem está no outro, no igual, no seu irmão, seja preto, seja branco, seja asiático, europeu, africano, pobre, rico, doente, diferente, igual, seja, seja, qualquer outro. Até lá, sim, e a continuarmos esta via e senda destrutiva, irrealista, guerreira, armada, desumana, consumista, materialista, ambientalmente desequilibrada e desprovida de um mínimo de Humanidade, sem amor e sem qualquer sentido, o Homem caminha a passos acelerados para a sua destruição.



publicado por Sérgio Passos às 11:34
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 27 de Julho de 2010
Para onde vais Portugal?

Que país pode ser este, estar-se a transformar-se num país onde os seus jovens acham ser perfeitamente admissível, até justo e não ser merecedor de qualquer censura, ser-se corrupto, mafioso ou desonesto? Como podemos nós aceitar neste solo estar-se a transmitir ás novas gerações um pensamento de permissividade ao egoísmo, à desonestidade, ao materialismo, ao oportunismo e ao "salve-se quem puder" e a qualquer custo? Como pode isto ser possível? Ora, em nome e em respeito ao sacrifício dos muitos homens e mulheres que levaram aos setes cantos do mundo a língua de Camões, dos que outrora semearam, acarretando terra com as suas próprias mãos,  as serras pedregosas de Portugal, aos que verteram o seu sangue pela defesa da liberdade do pátria portuguesa, pelo presente e futuro das nossas crianças e dos vindouros, é tempo de dizer basta aos bandidos que mancham a nobre História deste Povo tão valente. Não podemos aceitar tamanha derrota de Portugal. Portugal tem que sobreviver a este tempo tão vergonhoso. Não nos podemos contentar com este descontentamento. Levanta-te Povo de Portugal, vamos para as avenidas, ruas e praças, e vamos todos dizer de peito aberto, sem medo e a viva voz: Basta de vergonha! É tempo de mudar! Viva Portugal!



publicado por Sérgio Passos às 16:07
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

O Estado é tão necessário...

Há futuro!

Portugal exige um futuro!

Alma minha gentil.

Que futuro?

Stephen Hawking: mais um ...

Para onde vais Portugal?

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds