Ideias e poesias, por mim próprio.

Segunda-feira, 26 de Maio de 2014
O tempo dos partidos políticos acabou: viva a Democracia!

Seis milhões, seiscentos e cinquenta mil portugueses rejeitaram votar nos partidos políticos portugueses nas eleições ao parlamento europeu.

Os portugueses abstencionistas, votantes em branco e nulos, mais de dois terços dos eleitores, não se reveem mais neste sistema político-partidário e nos seus políticos profissionais.

74.5% dos portugueses recenseado em Portugal continental decidiram não votar, votar em branco ou nulo.

O corajoso povo de Murça recusou maciçamente votar, em todo o concelho de Murça não se votou.

Mais 12 freguesias de Portugal continental protestaram e fecharam as suas assembleias de voto.

Menos de 1% dos portugueses recenseados fora de Portugal decidiram votar.

O resultado destas eleições é claro e inequívoco: os portugueses rejeitam e não querem mais esta partidocracia reinante.

Está na hora de se apresentarem novas soluções, novos interlocutores políticos e novos objetivos aos portugueses.

Os atuais partidos políticos não mais representam os legítimos interesses dos portugueses.

Está na hora se criar e implementar em Portugal uma nova democracia representativa, cívica, direta, participativa e popular.

Todos os partidos políticos foram derrotados nestas eleições.

Os portugueses querem uma nova democracia sem os partidos políticos a determinarem o futuro.

Os portugueses exigem uma nova Constituição Democrática, um novo sistema eleitoral e uma nova forma de representatividade política e, fundamentalmente, uma nova democracia participativa.

Os portugueses desejam uma nova democracia representativa, pessoalizada, direta, participativa e popular, sem qualquer intermediação partidária.

Viva a Democracia!

 

 



publicado por Sérgio Passos às 10:20
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014
...



publicado por Sérgio Passos às 18:29
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 11 de Abril de 2014
A abstenção é a próxima revolução.
Os portugueses estão cansados com o sistema político português, com os seus partidos políticos, com os representantes eleitos e com o domínio de listas partidárias para a eleição dos deputados nacionais.

O atual sistema partidocrático tem demonstrado ser um sistema representativo em que a relação entre o deputado e o eleitor é inexistente, as preocupações reais das populações são delegadas para segundo plano e substituídas pelos interesses dos lóbis e das agendas particulares dos partidos políticos.

O sistema eleitoral português assente no método proporcional e de Hondt é uma total fraude política e eleitoral: não só despreza muitos dos votos, que de nada servem para a efetiva escolha e eleição dos candidatos, mas que já servem, tal como os votos nulos e em branco, para darem dinheiro do Orçamento de Estado aos partidos políticos, como, fundamentalmente, ignoram o sentido real do voto no candidato efetivamente escolhido pelo eleitor.

E as atuais listas partidárias submetidas ao sufrágio popular fazem dos deputados meros representantes dos partidos e não do povo.

Os portugueses exigem uma profunda mudança do sistema político e eleitoral de modo a conseguir-se uma participação política dos cidadãos e dos eleitores mais ativa e fiscalizadora, desde a base da população até acima ao poder e, fundamentalmente, desprendida dos partidos políticos tradicionais e dos seus interesses cristalizados.

Para tanto importa proceder à alteração do artigo 149º, n.º 1 da Constituição da República Portuguesa e a revogação da atual Lei Eleitoral para a Assembleia da República, Lei n.º 14/79, de 16 Maio, sendo em seu lugar criado e implementado um efetivo sistema de eleição dos deputados para o Parlamento, baseado na sua eleição individual, por método maioritário e por meio de círculos eleitorais uninominais e, fundamentalmente, a efetivação de formas reais e substanciais de democracia direta e participativa populares.

Os portugueses irão abster-se em massa nos próximos atos legislativos, levando os números do abstencionismo até 80 e mais por cento, irão faze-lo até que o atual regime partidarista perca totalmente a sua credibilidade e, assim, não tenha mais qualquer legitimidade popular.

É tempo de implantarmos uma verdadeira democracia em Portugal, em que os cidadãos e o povo sejam a prioridade, e assim pondo fim ao regime partidocrático!




publicado por Sérgio Passos às 15:35
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Abril de 2014
A Abstenção é o nosso poder.
Está a cair a carapuça a todos aqueles que querem tornar o voto obrigatório nas eleições.
O que eles querem é ser eleitos a qualquer custo, pouco se importando com a real situação económica, social e política do país e do povo.
O que está a preocupar os políticos e os partidos políticos comprometidos com a partidocracia é lá fora no estrangeiro serem apontados como um país com um sistema político altamente corrupto em que o povo português lhes virou as costas.
Até que este regime partidocrático corrupto não caia e no seu lugar haja uma democracia cívica jamais contarão com o meu voto.
A abstenção é o meu voto e a minha mensagem!




publicado por Sérgio Passos às 21:26
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Outubro de 2013
A razão do medo dos partidos políticos perante a abstenção.

Segundo o artigo 10.º, n.º 1 da Constituição da República Portuguesa "o povo exerce o poder político através do sufrágio universal", "concorrendo os partidos políticos para a expressão da vontade popular".

E, ainda segundo o artigo 2.º da Constituição, "a República Portuguesa é baseada na soberania popular, no pluralismo de expressão e organização política democráticas."

Finalmente, segundo o artigo 3.º, n.º 1, "a soberania reside no povo, que a exerce segundo as formas previstas na Constituição e, segundo o n.º 2, "o Estado subordina-se à Constituição e funda-se na legalidade democrática".

A atitude deliberada de não votar, ou seja a massiva abstenção eleitoral, pode ser, e é neste momento, de grande parte do povo português, uma opção e uma tomada de posição políticas que tem uma mensagem, fins e objectivos bem delineados e concretos.

A opção de 47,4% de portugueses de não participarem nas últimas eleições autárquicas, foi claramente uma opção deliberada, considerando este mesmo povo que as eleições mais não são do que uma farsa, que estão viciadas à partida e não permitem que os melhores candidatos e programas de governo se apresentem ao escrutínios e aos eleitores, que os partidos e o Estado não o representam e não merecem mais a sua confiança.

Ora, a partir do momento em que mais de metade dos portugueses optem por não votar, expressando os portugueses a opção de que o atual regime politicamente não mais o representa e assim tomando opção de recusa de delegação da soberania nos partidos políticos, tem de se concluir, inequivocamente, que o regime político-constitucional perdeu toda e qualquer legitimidade para representar este mesmo povo.

E este é que é o grande temor dos partidos políticos: optando maioritariamente o povo português pela abstenção, portanto não participando nas eleições mais de metade dos eleitores e assim não sendo delegada a sua soberania política aos partidos, estes mesmos partidos, à luz da própria Constituição da República Portuguesa, passam a estar a desligitimados para exercerem o poder em nome do povo e não mais o representam.

E a partir deste momento, todo e qualquer poder político para além de ser ilegítimo, portanto não representando mais o povo, mais não é do que uma usurpação da soberania popular.

A abstenção é, soberanamente, um voto negativo do povo nos partidos que tem efeitos e consequências.

 

 



publicado por Sérgio Passos às 21:51
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Segunda-feira, 30 de Setembro de 2013
Os resultados das eleições autárquicas de que eles não falam!

Os resultados destas eleições é bem outro do que aqueles que são propagandeados pelos agentes políticos partidários e que, a seguir, são debitados pela comunicação social.

Uma leitura real e atenta destas eleições, para além do mero número da contagem dos votos, indica uma vontade e uma expressão políticas populares que não podem mais ser ignoradas e que têm um relevantissimo significado.

E os resultados expressos das eleições autárquicas ditaram os seguintes números objetivos:

Inscritos: 9.497.404

Votantes: 4.995.174

Abstenção: 47,40%

Brancos: 3,87%

Nulos: 2,95%

Partido Socialista: 17,5%

Partido Social-democrata: 12,2%

CDS/PP: 6,2%

Independentes: 3.55%

CDU: 5,1%

Outros Partidos: 1,3%

BE: 1,1%

 

Temos que os dois partidos que formam o presente Governo, PSD e CDS/PP; somam juntos, apenas, 18,4%.

A oposição parlamentar de esquerda, constituída por PS, BE, PCP e Verdes, somam juntos, tão-somente, 22,8%.

Temos que na Assembleia da República em legislatura só se encontram representados 41,2% dos eleitores e apenas 36,10% de todos os portugueses, segundo o último censo de 2011.

Face a estes números, dúvidas não existem, que os atuais partidos políticos não detêm mais nenhuma legitimidade para continuarem a dizerem que representam os portugueses!

Os portugueses disseram "basta" à partidocracia.

Estes paupérrimos resultados eleitoriais representam, só por si, o requiem da III República Portuguesa.

Ora, a III República está morta!

É agora a vez do Povo Português expressar a sua vontade e a sua soberania originária constituinte.

Viva a IV República!

 

 



publicado por Sérgio Passos às 13:17
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|

Domingo, 29 de Setembro de 2013
Estes Partidos Políticos caducaram!

A abstenção, os votos brancos e os nulos e os candidatos independentes somaram mais de 51% de todo o universo eleitoral. Portanto e neste momento, somadas as votações de todos os Partidos Políticos, estes não representam já nem sequer metade dos portugueses. Este resultado expressa, claramente, que os portugueses não se reveêm na atual partidocracia e expressaram a sua reprovação perante o atual estado de coisas. Em consequência, o atual regime político, representativo e partidário está falido e, por assinalada ilegitimidade, tornou-se caduco. Em resultado e dúvidas não existem, a originária e legítima soberania do povo deve ser chamada a expressar a sua vontade constituinte.

 

 



publicado por Sérgio Passos às 22:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 27 de Setembro de 2013
A abstenção é a próxima revolução.

Com uma abstenção superior a 60% nestas eleições autárquicas e o atual sistema político corrupto e partidocrático, portanto a III República Portuguesa, sem a necessária mínima legitimidade eleitoral e participativa populares, cairá por terra como atingido por lepra. A IV República suceder-lhe-à certamente em breve.

 

 



publicado por Sérgio Passos às 19:19
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 21 de Setembro de 2013
"A abstenção é a próxima revolução."

Os portugueses estão cansados com o sistema político português, com os seus partidos políticos e com os representantes eleitos e do domínio de listas partidárias para a eleição dos deputados nacionais. O atual sistema partidocrático tem demonstrado ser um sistema representativo em que a relação entre o deputado e o eleitor é inexistente, as preocupações reais das populações são delegadas para segundo plano e substituídas pelos interesses dos lóbis e das agendas particulares dos partidos políticos. O sistema eleitoral português assente no método proporcional e de Hondt é uma total fraude política e eleitoral: não só despreza muitos dos votos, que de nada servem para a efetiva escolha e eleição dos candidatos, mas que já servem, tal como os votos nulos e em branco, para darem dinheiro do Orçamento de Estado aos partidos políticos, como, fundamentalmente, ignoram o sentido real do voto no candidato efetivamente escolhido pelo eleitor E as atuais listas partidárias submetidas ao sufrágio popular fazem dos deputados meros representantes dos partidos e não do povo. Os portugueses exigem uma profunda mudança do sistema político e eleitoral de modo a conseguir-se uma participação política dos cidadãos e dos eleitores mais ativa e fiscalizadora, desde a base da população até acima ao poder e, fundamentalmente, desprendida dos partidos políticos tradicionais e dos seus interesses cristalizados. Para tanto importa proceder à alteração do artigo 149º, n.º 1 da Constituição da República Portuguesa e a revogação da atual Lei Eleitoral para a Assembleia da República, Lei n.º 14/79, de 16 Maio, sendo em seu lugar criado e implementado um efetivo sistema de eleição dos deputados para o Parlamento, baseado na sua eleição individual, por método maioritário e por meio de círculos eleitorais uninominais e, fundamentalmente, formas reais e substanciais de democracia direta e participativa. É tempo de implantarmos uma verdadeira democracia em Portugal, em que os cidadãos sejam a prioridade e pondo fim ao regime partidocrático! https://www.facebook.com/groups/229583817199577/

 



publicado por Sérgio Passos às 18:15
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

O tempo dos partidos polí...

...

A abstenção é a próxima r...

A Abstenção é o nosso pod...

A razão do medo dos parti...

Os resultados das eleiçõe...

Estes Partidos Políticos ...

A abstenção é a próxima r...

"A abstenção é a próxima ...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds