Ideias e poesias, por mim próprio.
Quarta-feira, 15 de Janeiro de 2014
“Profissão: Político.”

        “A organização da justiça social, no quadro da sociedade capitalista, requer uma instituição, o Estado. Tal como o misterioso Mercado, também o Estado é um conjunto de seres humanos que fazem funcionar a instituição. O capitalismo conduziu ao desenvolvimento de uma forma típica de pseudodemocracia, a democracia representativa, que criou uma nova carreira profissional, a de político.

        A política tornou-se uma profissão desde o início do século XX. Os políticos de carreira, classe especial de cidadãos, entram na carreira desde o início da idade adulta e tendem a manter-se nela até à velhice ou à morte (sem aposentação obrigatória). Vivem para a política mas também da política (Weber, 1919). Além da remuneração oficial, os que estão em relação direta com a vida económica podem tirar proveito de benefícios dissimulados em contrapartida de apoio político.

        Os políticos agrupam-se em partidos, escolhem o que melhor lhes convém por motivos ideológicos, por vezes de maneira oportunista. Como o partido são os seus quadros, o seu interesse confunde-se com o interesse profissional destes, temperado pelos seus valores ideológicos, ou os valores ideológicos temperados pelos interesses profissionais, em proporção variável. Menos visíveis mas mais decisivos, formam-se interesses entre o partido e os grupos económicos. A oligarquia política e a económica estabelecem acordos, trocam serviços. Hoje assiste-se à interpenetração do protagonismo político e económico: nomeiam-se ex-presidentes de instituições financeiras para membros do governo, e ex-membros do governo para presidentes de instituições financeiras.

        Estes interesses individuais e de grupo determinam a vida política dos países de democracia representativa, não favorecendo a representação do povo e a direcção do Estado pelos mais capazes, honestos e idealistas. Por influência do capitalismo triunfante, um dos seus mecanismos, a concorrência, é apresentada como motor de progresso económico. No campo da política, a concorrência entre políticos profissionais e entre partidos com objetivos e interesses autocentrados, numa luta egoísta pela própria sobrevivência, não é propícia a uma governação que favoreça o conjunto dos cidadãos ou a sua maioria. A ilustração mais caricatural desta situação talvez seja a que deu o maior partido da direita em França no final de 2012.

        O leitor perguntará a si próprio se penso que os partidos e os políticos profissionais não devem bem-vindos numa democracia. Parece-me normal que alguém tenha vontade de ser ativo politicamente durante toda a sua vida, mas não creio que seja bom, nem para essa pessoa nem para a sociedade, que ela só tenha uma formação de político e que não possa exercer uma profissão se o povo for maioritário a votar o seu «ostracismo». Político não deve ser profissão. Quanto aos partidos, o problema não está na sua existência, está na maneira como os partidos atuais agem na sociedade, designadamente na sua relação com as instituições.

        O mecanismo concorrencial do engrandecimento próprio e de exclusão dos outros, característico do funcionamento da economia capitalista, tem modelado os sistemas eleitorais. Os partidos no poder impõem regras que os favorecem. Em muitos países só os partidos podem apresentar candidatos, já que o cidadão tem o direito de eleger mas não de ser eleito, pelo menos sem passar por um partido. O partido tem o direito de tomar a iniciativa e de apresentar «independentes», mas fá-lo por conveniência própria quando estes candidatos podem atrair um número importante de votos. Outra regra é a limitação de representação partidária no parlamento aos partidos que obtiveram pelo menos uma determinada percentagem de votos. Os maiores excluem os mais pequenos para dividirem o poder em si.

        Face aos partidos e aos políticos profissionais estão os eleitores. Muitos partilham objetivos ou interesses com um partido. A maioria não ignora as motivações egoístas dos partidos e dos políticos que contribuem para o eleger, mas acredita sem grandes esperanças serem os menos maus dos piores. Enfim, outros, cada vez mais numerosos, preferem não votar por alheamento, desconsolo ou raiva.

        Os políticos profissionais, qualquer que seja a sua orientação, apropriaram-se do Estado. Este tornou-se a sua propriedade privada.

        Enquanto os «representantes» do povo forem políticos profissionais, o Estado será um poder confiscado. Instaurada uma democracia autêntica, o Estado poderá tornar-se o que o neoliberal Hayek queria que fosse: um mero gestor. É exactamente o que acontece hoje nas instituições da União Europeia: um Parlamento e um presidente impotentes e uma Comissão que gere o que lhe é deixado como atribuições sob a influência dos países mais poderosos da União, sobretudo da Alemanha.”

 

 

         "Alfabetizar em Democracia", de José Morais, Fundação Manuel dos Santos.

 

          



publicado por Sérgio Passos às 14:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22

25
26
27
28
29
30


posts recentes

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

Anarquia

Os incendiários da flores...

Os otários somos nós???

O Estado Terrorista Portu...

Avé César!

Do Estado vem (sempre) o ...

Tribunais Só Para Ricos

As luxuosas portuguesas E...

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds