Ideias e poesias, por mim próprio.
Quarta-feira, 27 de Abril de 2016
Politicamente correcto e a "nova língua": o neo-fascismo

O “politicamente correto” é uma política que consiste em tornar a linguagem neutra em termos de discriminação e evitar que possa ser ofensiva para certas pessoas ou grupos sociais, como a linguagem e o imaginário racista ou sexista.

Os defensores do "politicamente correto", em tese geral, têm como objetivo tornar a linguagem mais neutra e menos preconceituosa.

Vejam-se os exemplos em diversas áreas, em que é típica a utilização de termos masculinos para situações que se aplicam tanto a homens como mulheres.

Um exemplo do politicamente correto é a substituição do comum "Tribunal Europeu dos Direitos do Homem" pela frase neutra em termos de género de "Tribunal Europeu dos Direitos Humanos" (como acontece em inglês, por exemplo).

O conceito filosófico do politicamente correto é que ao evitar a utilização destes termos discriminatórios estaremos a trabalhar para uma sociedade mais inclusiva e igualitária.

A crítica surge em face de um conjunto monolítico de atitudes, consideradas como corretas, que são muitas vezes impostas de um modo inflexível e sem humor.

Os seus detratores afirmam que além de ser inflexível e sem humor, muitos ainda notam como uma nova forma de fazer censura, sendo que sem punições, apenas usando como parâmetro que certas palavras não devem ser usadas e como um desserviço à liberdade de expressão.

O termo tem a sua origem na religião, mais especificamente na religião católica.

A diferença é que, no caso católico, “incorreção política” significa estar em desacordo com as ideias políticas da Igreja Católica, já no presente caso, “politicamente incorreto” é aquilo que gera exclusão.

E, justamente por se tratar de uma sociedade aberta, o conteúdo do que é “politicamente correto” está sujeito a mudanças por meios democráticos.

A linguagem politicamente correta leva-nos a pensar em uma série de aspetos a respeito do funcionamento da linguagem.

Ora, o uso de uma linguagem não marcada por fortes conotações pejorativas é um meio de diminuir comportamentos preconceituosos ou discriminatórios.

Porém, é preciso atentar para dois aspetos.

O primeiro é que o cuidado excessivo na busca de eufemismos para designar certos grupos sociais revela a existência de preconceitos arraigados na vida social.

Se assim não fosse, poder-se-ia empregar, sem qualquer problema, por exemplo, o vocábulo negro, sem precisar recorrer à expressão afro-descendente.

Em segundo lugar, os defensores da linguagem politicamente correta acreditam que existam termos neutros ou objetivos, o que absolutamente não é verdade.

Todas as palavras, ensina Bakhtin, são assinaladas por uma apreciação social.

Considera-se que os termos bicha, veado, fresco são mais preconceituosos que a designação gay.

Isso é parcialmente verdadeiro, pois os três primeiros estão marcados por pesada conotação negativa.

Na verdade, um termo funciona num discurso e não isoladamente.

Por isso, nem todos os usos do vocábulo negro com valor negativo denotam racismo. Por exemplo, dizer que há racismo na expressão “nuvens negras no horizonte do país” é um equívoco, porque o sentido conotativo de “situação preocupante”, que aparece no discurso político ou econômico, está relacionado à meteorologia, nada tendo a ver com raças ou etnias.

Na verdade, considerar que a palavra exerce sua função independentemente do contexto é afirmar então que as expressões passar em branco todos aqueles anos ou dar um branco, no sentido de “passar sem ter realizado coisa alguma aqueles anos” ou “sofrer uma incapacidade de lembrar ou de raciocinar” são racistas.

Na verdade, não são.

A mesma coisa ocorre com as expressões: “ficou numa situação esquerda” (= desfavorável) ou “lançou um olhar esquerdo” (= de má vontade), que se relacionam à incapacidade de a maioria das pessoas usar os membros esquerdos e não a uma determinada posição política.

Entretanto, como sói acontecer nesses casos, o tiro em muitas situações o efeito foi o contrário: o que era uma sadia reação aos preconceitos e à discriminação tornou-se caricatural, debochado, tosco.

Não poucas vezes, ridículo!

Uma outra coisa que produz efeito contrário ao pretendido é o uso de eufemismos francamente cómicos, quando a língua não possui um termo “não marcado” para fazer uma designação que é vista como preconceituosa: por exemplo, dizer “pessoa verticalmente prejudicada” em lugar de anão; “pessoa de porte avantajado” em vez de gordo; “pessoa em transição entre empregos” por desempregado.

Isso gera o descrédito para os que pretendem relações mais civilizadas entre as pessoas.

Por isso, as piadas já começam a surgir.

Tal e qual o conhecemos atualmente, o politicamente correto representa a entropia do pensamento político.

Como tal, é de impossível definição até porque carece de um verdadeiro conteúdo.

Seu fundamento básico é aquele do vale tudo.

Nele encontramos restos de um cristianismo degradado, de um socialismo reivindicativo, de um economicismo marxista e de um freudianismo em permanente rebelião.

O politicamente correto consiste na observação da sociedade e da história em termos maniqueístas.

O politicamente correto representa o bem e o politicamente incorreto representa o mal. O politicamente correto não atende à igualdade de oportunidade alguma no ponto de partida, senão, ao igualitarismo nos resultados no ponto de chegada.

Ninguém inventou o politicamente correto: ele nasceu como consequência da decadência do espírito crítico da identidade coletiva, quer seja esta social e nacional, quer seja religiosa ou étnica.

O politicamente correto é de uso comum entre os intelectuais desarraigados, porém como é contagioso, é normal que outras pessoas estejam contaminadas sem que por isso estejam conscientes disso.

A desintoxicação é difícil, na medida em que vivemos em um mundo no qual os meios de comunicação adquiriram uma importância desmesurada e são precisamente estes os encarregados do contágio massivo.

Por exemplo, há que dizer “ “surdo” em lugar de “deficiente auditivo”, “velhice” em lugar de “terceira idade”, “masturbação” em lugar de “auto-ajuda”, “adúltero” em lugar de “pessoa casada com atividade sexual paralela”.

Um gago nunca será um loquaz intermitente!

Os estragos produzidos pelo politicamente correto consistem fundamentalmente em confundir o bem e com o mal, sob o pretexto de que tudo é matéria opinativa.

O politicamente correto está contaminando toda a cultura e criando uma nova e dissimulada forma de censura, muito pior porque hoje a censura é velada; é a censura do politicamente correto.

E uma das principais vítimas é o humor, o humor escrito e o falado.

Humor que pede licença não é humor.

Cada vez mais grupos, grupelhos, guetos, classes, pessoas públicas e privadas reivindicam imunidade contra a crítica.

Experimente chamar um homossexual de veado, bicha, abafador ou qualquer outra expressão similar; você logo será acusado de homofóbico - como se ser homofóbico fosse um crime.

Uma pessoa politicamente correta considera-se a si mesma tolerante, porém não pratica a tolerância…

É verdade que o politicamente correto nos espreita e se apresenta sempre com argumentos inocentes e de fácil assimilação.

Trata-se de rechaçar sua inocência e repudiar essa facilidade de assimilação.

É necessário, do mesmo modo, prevenir-se contra o mimetismo de falar como os demais.

Repito ainda o risco de parecer pesado, o vocabulário politicamente correto é o principal veículo de contágio.

Em qualquer caso, há que afirmar que o politicamente correto é uma fé débil e que, como tal, não resiste a uma enérgica aplicação do espírito crítico.

Não temos que ser submissos aos sentimentos e opiniões generalizadas: o espírito contraditório mais obtuso vale sempre mais do que a livre aceitação do pasto mediático.

O politicamente correto prepara o terreno de forma ideal para as operações de desinformação e para a expansão da globalização.

Quando todo o mundo acreditar que as verdades podem ser objetos de truque, de que não existem nem verdades nem mentiras, o mundo estará preparado para receber a mesma propaganda, de participar da mesma pseudo-opinião pública fabricada para consumo universal.

E esta pseudo-opinião pública aceitará qualquer ação, inclusive as mais brutais que indefetivelmente irão em benefício dos manipuladores.

A linguagem, a capacidade de comunicação através da palavra, é o aspeto mais característico da espécie humana.

A linguagem, porém, não serve só pra comunicação.

Ela é também um veículo de crenças, de valores, de paradigmas comportamentais, de ação, e, como tal, tem uma história.

O domínio do politicamente correto é chato, muito chato.

Tão chato que chega a causar arrepios: por causa do politicamente correto, já ninguém mais chama ninguém de corrupto ou ladrão, mas de pessoa com falta de ética.

As palavras ferem e, como diz o poeta “as lágrimas não cicatrizam”.

Por isso, para criar um mundo melhor, é importante usar uma linguagem que não machuque os outros, que não revele preconceitos, que não produza discriminações.

É necessário, porém, que, para ter eficácia, esse trabalho sobre a palavra respeite a natureza e o funcionamento da linguagem.

O caminho mais adocicado pra impor a ditadura moderna e eliminar todo e qualquer tipo de oposição criativa inteligente vem com o politicamente correto.

O neo-fascismo e os neo-fascistas, disfarçados e apesar de ocultos sob cínicas capas, desde as mais brancas às mais vermelhas, passando pelos mais oportunistas capitalistas, social-democratas, marxistas, pragmáticos, ladrões, proxenetas, prostitutas/os, viciados, afinal e em resumo, não mais do que criminosos das mais variadas espécies, estão bem presentes.

 

neofascistas.jpg

 



publicado por Sérgio Passos às 09:36
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De José a 17 de Junho de 2016 às 10:09
Muito bom!


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

Crescimento económico de ...

Contribuintes portugueses...

64 homicídios

Os repetidos contratos po...

António Costa contratou a...

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds