Ideias e poesias, por mim próprio.
Sábado, 15 de Fevereiro de 2014
Os submarinos corruptos.

A decisão do coletivo de juízes das Varas Criminais de Lisboa no processo das contrapartidas dos submarinos e a absolvição dos acusados, não tem nada que admirar, nem merece, no meu sincero ponto de vista, qualquer censura ou reprovação.

A decisão judicial em causa, jurídica, legalmente e do ponto de vista dos factos, de acordo com a minha humilde leitura, é honesta, séria, credível e inatacável.

O absurdo está é sim naqueles que ainda não perceberam a natureza própria do regime político português, portanto, dos princípios de legitimação da apropriação invia da coisa pública por esquemas e sujeitos particulares, em benefício e para o seu enriquecimento.

Desde o 25 de Abril de 1974, que o fito legal que preside aos negócios do Estado Português por meio da intervenção de intermediários é “naturalmente” o enriquecimento dos indivíduos que gravitam à volta dos partidos políticos.

Torna-se supérflua qualquer consideração sobre “o ardil ou a encenação engenhosa” nas matérias relativas aos negócios públicos, a burla é uma matéria inexistente nos assuntos do Estado Português.

Na Alemanha naturalmente que estes mesmos sujeitos foram condenados por corrupção, mas esse é um país onde se faz a defesa da “ coisa pública", se cuidam dos interesses do Estado e dos contribuintes alemães.

Mas o erário e património públicos do Estado Português são propriedade particular dos partidos políticos, isto é óbvio e não merece discussão.

Este coletivo de juízes apenas se limitou a confirmar que o Estado, de acordo com a sua própria natureza legal, se limitou a convidar os intermediários, a quem ofereceu compensações e vantagens, à custa e com sacrifício do dinheiro e do erário público, e fornecendo-lhes em troca a imunidade legal para tanto.

Aliás, a legislação especial relativa aos contratos públicos prevê a regularidade das luvas e vantagens financeiras com este tipo de negócios, independentemente dos montantes envolvidos, para nada interessando o escandaloso prejuízo do Estado Português.

Há mais de 30 anos que se fala da produção de uma legislação de combate contra a corrupção e contra o enriquecimento ilegítimo dos políticos e governantes, mas nunca tal viu a luz do dia.

Todos os políticos e governantes, desde a Presidência e do Governo da República, dos Governos e das Assembleias Regionais, passando pela Assembleia da República, até às Autarquias e ao alto funcionalismo público do Estado, continuam apenas fazendo os seus negócios e enriquecendo à custa do erário público, naturalmente e para tanto, usando estes intermediários.

No final disto tudo, o Estado Português é o órfão deste esquema generalizado de corrupção, burlas e roubos.

E para pagarem as contas destes esquemas legais de corrupção ficam os contribuintes portugueses.

O Estado “naturalmente” serve, com proteção da Lei, a corrupção, logo, quem dessa atividade retira vantagens não tem como ser condenado.

Simples!

Ao fim destes anos todos só ainda não vi mesmo escrito na legislação a expressão “viva a corrupção”, mas ela, certamente, está lá e um dia destes ainda a iremos encontrar.

 



publicado por Sérgio Passos às 20:41
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


posts recentes

O lixo financeiro e a mer...

34 medidas para reformar ...

Eleições para caciques

O Palhaço e o Burro

Definição de Socialismo (...

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

Crescimento económico de ...

Contribuintes portugueses...

64 homicídios

arquivos

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds