Ideias e poesias, por mim próprio.
Sexta-feira, 3 de Outubro de 2014
Os impostos são o preço dos vícios públicos

Para se explicar os impostos, como qualquer outro tipo de exploração humana, têm de ser perceber as suas causas, os seus meios e fins.

Os impostos como atividade de parasitagem e exploração de pessoas (parasitas) sobre pessoas (vítimas, parasitados), são, fundamentalmente, causa de sacrifícios de uma minoria a benefício de uma maioria.

Os impostos são meios de usura para quem deles beneficia: uma minoria - os governantes e os burocratas - pelo património e riqueza por si adquiridos, e uma maioria - os ociosos e os demais parasitas – que sobrevivem sem produzir.

Não há despesismo e desperdício públicos sem impostos.

E a deficiente qualidade da atividade dos políticos e dos governantes, produtores de dívidas e défices públicos, vive na proporção inversa do volume cobrado em impostos, taxa e tributos.

Quanto mais ambiciosos e maiores forem os fins dos respetivos programas políticos (comunismo, socialismo, social-democracia e intervencionismo estatal) propagandeados, maior será o volume de impostos a cobrar aos contribuintes (explorados).

Quanto maior for o volume (da rapina) de impostos, taxas e custos públicos suportados pelos contribuintes maior será a extensão do rédito dos meios políticos.

Como um dia escreveu Milton Friedman: “se os políticos administrassem o deserto, em poucos anos, a areia desapareceria”.

Os impostos são a expressão visível da ganância e da má-vida do Estado e dos seus funcionários.

Os impostos são os vícios do Estado e para o povo comum são a justa medida de punição dos indivíduos mais ambiciosos.

Os impostos são o expediente pelo qual a sociedade torna natural a desigualdade, colocando os cleptocratas decidindo da sorte do património, da propriedade e do rendimento alheios.

Em Portugal os impostos nunca baixarão para níveis humanamente suportáveis até que duas leis essenciais para a transparência e responsabilização da vida política e o controlo do património dos políticos não sejam criadas: a primeira, a lei de responsabilização civil e criminal por atos ilícitos e danosos cometidos no exercício de cargos públicos, e a segunda, a lei da criminalização do enriquecimento ilícito dos titulares dos cargos públicos. 

Seguramente, os impostos são o preço do prostíbulo que os cidadãos de um Estado são colocados a pagar.

 

(artigo do autor publicado na edição de 1 de Outubro de 2014 do mensário regional Horizonte, de Avelar, Ansião, Leiria - http://www.jhorizonte.com)

 

 

 

 



publicado por Sérgio Passos às 12:31
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De silva a 5 de Outubro de 2014 às 10:22
A TRÍADE SALOIA Casino Estoril Sol III
No caso da farsa do despedimento coletivo do Casino Estoril,passam já quatro anos sem fim à vista por atraso da justiça a maior parte das pessoas estão na miséria e vão inevitavelmente por falta de ordem económica entrar em pobreza profunda este é o maior espectáculo de drama deste Casino Estoril o maior da EUROPA.

http://revelaraverdadesemcensura.blogspot.pt/


De Rui Tojal a 10 de Outubro de 2014 às 00:05
O autor tem notoriamente uma visão anti-socialista.
Está no seu direito.
Mas convém que a generalidade das pessoas saiba 2 ou 3 coisitas:
1º Saiba que normalmente estas conversas anti-impostos escondem interesses de grandes privilegiados. É por ex. sempre a conversa dos "republicanos" nos EUA, acentuada ainda mais pela sua ala direita, o famoso e fascizante "tea party" e o mesmo em geral com todos os partidos conservadores e de direita
2º Saiba que o problema não esta em cobrar impostos, está em eles serem bem ou mal utilizados. Na Suécia e demais países nórdicos (e até na Alemanha, na Austria, etc.) os impostos atingem dos nívels mais elevados do mundo; e parece que o pessoal por lá não se queixa muito, eles gostam de ter escolas, saúde e infantários de graça, bons transportes públicos, proteção na velhice - tudo coisas secundárias aqui para os nossos amigos conservadores
(seria mais correcto dizer "reacionários", mas o confusionismo não diminuiria, já que a linguagem tal como o ambiente natural estão cada vez mais polúidos e abandalhados pelo sistema que estes senhores pró-"iniciativa privada"; ou seja, que adoram que a ganância e a safadeza humanas tenham livre curso, em vez duma sociedade racional, lógica, humanizada e realmente livre que se chamaria socialismo...
...que, infelizmente, devido a estarmos no séc XXI em termos de tecnologia mas em valores e consciência ainda estarmos nas trevas, até hoje nunca foi possível construir.
Houve meia dúzia de tentativas mas, tal como as primeiras experiências com balões, aviões e outros artefactos aéreos deram em desastre, também essa experiẽncias socialistas correram mal.
Donde os nossos amigos reacionários concluem todos contentes: É impossivel voar!
:)


De Sérgio Passos a 10 de Outubro de 2014 às 01:02
Meu caro, acrescento: não há dinheiro público, há dinheiro dos contribuintes!


De Rui Tojal a 10 de Outubro de 2014 às 20:23
Os contribuintes não são um corpo homogéneo, uns não têm hipótese de fugir aos impostos , outros - o s grandes tubarões - têm imensas hipóteses criadas pelo próprio sistema.

Parabéns aos think tanks capitalistas pagos a peso de ouro lá nos states para afinarem essas estratégias ilusionistas o grande público, que alguns, consciente ou inconscientemente, repetem mecanicamente.

Para os tubarões globais, valem o peso em ouro.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


posts recentes

População

A patranha do crescimento...

Portugal pode acabar, a n...

O lixo financeiro e a mer...

34 medidas para reformar ...

Eleições para caciques

O Palhaço e o Burro

Definição de Socialismo (...

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds