Ideias e poesias, por mim próprio.
Sábado, 21 de Janeiro de 2017
Portugal, o país do ilusionista e do palhaço

António Costa, o maior ilusionista português da atualidade, no passado dia 21 de Dezembro veio impingir-nos mais um monstruoso malabarismo.

Até foi simples, com a maior desfaçatez do mundo, foi à televisão dizer-nos que o défice das contas públicas em 2016 ficou em 2,5%.

Ora, é totalmente falso que o défice das contas públicas tenha ficado somente em 2,5%, basta ler o Orçamento Geral do Estado (Lei n.º 7-A/2016 de 30 de Março) e cruzar os seus dados com os boletins mensais do Instituto de Gestão do Crédito Público (www.igcp.pt).

O verdadeiro e real défice das contas públicas nacionais em 2016 vai ser de, pelo menos, 20,3% (e até é bem superior!).

Mas em Portugal, o país há muito governado por ilusionistas e presidido por palhaços, é possível mentir aos portugueses, porque muitos destes inocentes (palermas?) até gostam de ser enganados.

Os reais números das contas públicas portuguesas são estes:

  1. I) Receitas do Estado Português: 88,798 mil milhões de euros (mme).
  2. II) Despesas correntes do Estado: 90,650 mme.

III) Despesa total do Estado (despesas correntes mais as despesas com encargos de capital): 133,920 mme (74% do PIB português, de 179,369 mme).

  1. IV) Aumento do endividamento público em 2016: 18,081 mme (até Outubro de 2016).

Face a estes dados oficiais, é mesmo muito fácil determinar o verdeiro número do défice das contas públicas!

E o real défice das contas públicas acha-se do seguinte modo:

  1. A) défice de 20,3%, se for calculado tomando-se as (I) receitas e (II) despesas correntes em relação ao (IV) aumento da dívida pública;
  2. B) défice de 150,08%, se for calculado tomando-se (I) as receitas e as (II) despesas correntes em relação (III) às despesas correntes mais as despesas com encargos de capital.

Portanto, o pretenso défice de 2,5% reside em se tomar unicamente a conta entre, por um lado, as (I) receitas correntes e, por outro, as (II) despesas correntes!

Os 2,5% mais não são do que uma maquilhagem, truque, deste Governo, para se apregoar a uma absoluta falsidade ideológica.

Afinal, são estes os "grandes" sucessos do Governo da "geringonça”, e nós os tontos vivemos num país de palermas, só pode!

Mas quando o país estourar, para o que já não falta muito tempo, com os alto custos económicos e sociais que isso vai representar para todos, ou seja o chamado segundo “resgate” financeiro nacional e uma nova troika, então é que vai ser o delas.

Em breve, os portugueses irão "chiar" alto e bom som com o que a futura “Venezuela da Europa” ainda lhes vai doer no corpinho!

marceloecosta.png

 

 



publicado por Sérgio Passos às 21:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Debalde

No diagnóstico superficial parecemos estar todos de acordo, a esmagadora maioria dos portugueses desejam de verdade uma profunda e substancial mudança de Portugal, queremos mesmo que ela suceda e a curto prazo.

Como já alguém disse, os portugueses exigem mudar as coisas, mas não são capazes (não querem, ou são passivos, preguiçosos) de se levantarem, ou mexerem, da sua comodidade, para o fazerem.

O grande óbice para a efetiva mudança (sempre a mudança…) reside primeiro em propor e encontrar as corretas e adequadas soluções para resolver positivamente os problemas de Portugal.

Sem querer, que não quero, parecer cínico, nem hipócrita, e também porque não sou pessimista, pode dizer-se que, em geral e em regra, não há hoje em Portugal quem, seja um político, uma figura pública, ou uma personalidade de mérito e reconhecimento público, ou outra, capaz e capacitada para vir a terreiro apresentar propostas ou soluções para tanto, porque não as têm, nem as possuem, de modo e no fito de ser levada a cabo essa tão ansiada e desejada mudança nacional política, económica e social.

Na base deste situacionismo, imobilismo e porreirismo nacional está todo um pensamento político dominante e condicionante pós-Constituição de 1976, de matriz social-esquerdista, partidocrático, oligárquico, clientelar e marxista, do tipo, ou procedimento, mafioso, que informa, em geral, as instituições do Estado e, em particular os Partidos Políticos com assento parlamentar dos últimos 40 anos.

Ainda assim, eu penso, passe a imodéstia, que alguns cidadãos portugueses mais descomprometidos com a presente situação e o atual estado de coisas nacional, seriam, e são bem capazes, de apresentar boas soluções, com credíveis meios, para a reforma a bem de Portugal.

Realmente, o maior problema de Portugal é todo um sistema ordem cultural, político e económico que, per si, veda, bloqueia e cerceia a transformação que Portugal tanto necessita e anseia para a sua própria sobrevivência.

Portugal, afinal de contas, vive, de facto e de direito, sob uma ditadura partidocrática de cariz mafioso, mas, decisiva e crucialmente, é o seu povo o seu principal agente, o maior responsável e, no final, culpado da desgraçada situação sob a qual vive.

Dito assim, em jeito de nota de bom humor, mas de verdade, os portugueses querem uma mudança, mas não se querem mudar.

O povo português é, sem dúvidas e muito por razão duma sua teimosa displicência, a maior vítima de si mesmo.

 

penico.jpg

 



publicado por Sérgio Passos às 21:14
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22

25
26
28
29
30


posts recentes

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

Anarquia

Os incendiários da flores...

Os otários somos nós???

O Estado Terrorista Portu...

Avé César!

Do Estado vem (sempre) o ...

Tribunais Só Para Ricos

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds