Ideias e poesias, por mim próprio.
Quinta-feira, 30 de Janeiro de 2014
A "verde" rapina fiscal.

A fiscalidade "verde" é pura patranha!

A medida proposta pelo ministro do ambiente Jorge Moreira da Silva é apenas mais uma burla, servida pela forma de mentiras.

A fiscalidade só serve para, por um lado, aumentar a receita de impostos do Estado e, por outro, aumentar os custos a pagar pelos consumidores.

Pelo meio é destruído a indústria e o sistema produtivo.

Tomaram os portugueses que o Estado, ao menos, debelasse a grave poluição que assola o país e não o faz.

Estão a ver impostos, qual milagre das rosas, a baixar custos ou, na verdade, servirem para proteger o clima ou o ambiente?

Oh políticos pantomineiros, realmente têm futuro em Portugal, porque lá enganarem os papalvos parece que conseguem fazê-lo.

"Verde", só mesmo se for sob a forma com que ela é servida para enganar os tolos dos portugueses!

 



publicado por Sérgio Passos às 09:00
link do post | comentar | favorito
|

A esquerda anti-praxe e não democrática.

A sociedade portuguesa, novamente pelo lado da esquerda política, parece querer evoluir ao contrário. Veja-se, agora corre uma petição dos que querem proibir a praxe, ao que o Bloco de Esquerda veio verberar a sua rápida ilegalização. Ora, isto é, nada mais nada menos, do que ignorância. Praxe vai haver sempre, ou o convívio dos seres humanos não se fizesse por meio de socialização e dos seus mecanismos de inserção. Portanto, aquela posição proibicionista é pura e raivosa censura, ou seja, pura ignorância. Em qualquer democracia madura é sabido que as proibições para além de terem o efeito contrário, também radicalizam os seus agentes e fragmentam a sociedade. Ou, como se poderia definir um salto como este entre dois opostos; onde antes era tudo pelas gracinhas saloias da praxe, agora a horda engrossou pelo lado do contra as praxes!? A melhor forma de limitar os excessos da praxe é trazer-la à luz do dia e socialmente controlá-la, não proibi-la, ou fazer dela uma atividade de marginais. Realmente, alguns setores sociedade portuguesa parecem sabe dar saltos mortais, pena é que aterre, como sempre, com o traseiro. Ignorantes, pronto!

 

 



publicado por Sérgio Passos às 00:01
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 29 de Janeiro de 2014
"A ocasião faz o ladrão."

Tantas vezes os portugueses pedem aos seus empedernidos políticos que se arrependam e se tornem no que não são, nem nunca serão, portanto, pedindo-lhes que tomem juízo e ajam com retidão, que só me fazem pensar que são total e absolutamente ingénuos tais quais anjinhos.
A natureza pérfida deste regime político é tão evidente quanto é fácil de perceber que este regime político é o paraíso feito na terra para a promoção de ladrões, assassinos e corruptos.
Ora, expressão mais perfeita e mais verdade não há no mundo inteiro, tal qual, como o regime político e constitucional de Portugal é a consagração de que "a ocasião que faz o ladrão".

 



publicado por Sérgio Passos às 18:49
link do post | comentar | favorito
|

A Justiça dos burlões.

A primeira e mais fundamental tarefa que cabe a qualquer Estado é administrar e fazer funcionar a Justiça, com retidão, célere e independência, para tanto fazendo cumprir e fazer respeitar a lei, estabelecendo a ordem e a tranquilidade públicas, julgando as pessoas com segurança, objetividade e equidade, portanto, tudo fazendo segundo o primado do Estado de Direito.

A Justiça, em democracia, é por definição a delegação expressa e consensual do poder e da soberania populares numa entidade concreta e legítima, tomada e formada em comunidade por iguais cidadãos, que merece o seu consenso , reconhecimento e respeito.

Ora, em Portugal, se esta mesma Justiça, como se sabe e tanto se propala, nomeadamente, como agora foi uma vez mais reconhecido publicamente e em viva voz por tantas figuraças do regime partidocrático na cerimónia pública da Abertura do Ano Judicial, que não funciona ou funciona mal, estes senhores, que são principais dirigentes e agentes políticos e judiciárias, só têm uma evidente e óbvia conclusão a tirar e que é a renúncia aos seus próprios mandatos.

Mas que raio de vergonha é a desta gente que são pagos a peso de ouro e não fazem nem sequer cumprir minimamente as funções para que são eleitos!

Um Estado que não sabe administrar a Justiça é um Estado falhado!

E, caso não se demitam e tudo continue na mesma, só poderemos concluir que por lá andaam a fazer outra coisa que só tem em vista o seu enriquecimento ilegítimo, fazendo-o por meio de engano de factos que astuciosamente causam, que nada têm a haver com interesse público, nem com a boa administração do Estado, muito menos ou nada com a Justiça, com isso causando graves prejuízos ao povo português, tendo-se concluir que agem declarada e descaradamente como burlões.

 



publicado por Sérgio Passos às 17:52
link do post | comentar | favorito
|

Há praxe académica e não praxe académica.

Há 25 anos quando frequentei a Universidade já ouvia dizer que só em Coimbra se praticava verdadeira praxe universitária.

Realmente aquela coisa triste praticada no Meco não foi mesmo praxe académica, aquilo foi uma tragédia.

No meu tempo de estudante de Coimbra também ouvi rumores de abusos na praxe, mas, de facto e diretamente, só conheci uma situação abuso de praxe, praticada por um conhecido e frustrado gay que se dedicava a organizar, com os seus acólitos, esperas pelos caloiros na Porta Férrea para aí os receberem e agraciarem com violentas pancadas com as pastas académicas.

Já era quintanista de Direito e logo denunciei a prática abusiva à comissão de veteranos da praxe, tendo eu ainda intervindo junto desse fulano e do seu grupo e avisando-os que se voltassem a praticar tais abusos, ou semelhantes atos, eu teria muito gosto de dialogar com eles a murro.

Logo esses escroques foram identificados, advertidos e sancionados e nunca mais, que eu soubesse, tal voltou a acontecer.

Ora, a praxe exige elevados padrões de ética, moral e muito civismo, porque onde há seres humanos, em todos os locais do mundo, na Universidade de Coimbra e no resto de Portugal, há e haverão sempre abusadores e assassinos que têm de ser controlados por outros seres humanos adultos, preocupados e conscientes.

A praxe é uma elevada prática de socialização e inclusão académica e universitária, mas só devia ser praticada por muito poucos!

 



publicado por Sérgio Passos às 08:50
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014
Não há crescimento económico sem natalidade.

A taxa de natalidade em Portugal em 2013 foi a mais baixa dos últimos 60 anos.

Em contrapartida, nos países que mais crescem na Europa e no mundo, como por exemplo a Suíça, que é o melhor local do mundo para o nascimento de crianças, o crescimento económico acompanha o crescimento populacional.

Não é por acaso que os países da Europa com menor número de nascimentos, como são os casos da Espanha, Portugal, Itália e Grécia, sejam, simultaneamente, os países europeus mais diminuídos e afetados no seu crescimento económico.

Chegando até mesmo ao ponto, o que é caso dos quatro referidos países, que o seu crescente défice na natalidade seja acompanhado do mesmo crescente défice nos seus indicadores negativos de produto interno bruto.

Estes mesmos países, com particular destaque para Portugal, assistem também a uma maior emigração da sua população.

A agudização da situação económica portuguesa irá aumentar cada vez mais, não nascendo bebés igualmente não teremos quam para pagar as reformas, lá para 2050 vamos ter 30% da população com mais de 65 anos e deixaremos em definitivo de ser 10 milhões para estarmos a rondar os 8 Milhões.

A diminuição da natalidade tem um efeito multiplicador do atrofiamento económico presente e futuro, afetando imediatamente hoje o crescimento ecónómico e diminuindo ainda mais no futuro a situação de todos.

O Estado, caso esteja interessado verdadeira e conscientemente no crescimento económico, não só deverá promover medidas de apoio à natalidade, como terá que incentivar e premiar o seu crescimento e robustecimento, e, jamais, como tem feito até aqui, continuando a apoiar medidas contra a natalidade, nomeadamente as incentivadoras do aborto, do homossexualismo e da destruição familiar.

Tem de existir uma ação concertada, por parte do Estado e da sociedade em geral, em vários setores, para que haja uma estrutura ativa equilibrada da sociedade e que deverão passar essencialmente pela promoção da vida, da sua qualidade, do seu progresso e, muito em particular, o aumento em número da população.

A promoção de políticas de natalidade é assim essencial, mesmo decisivo, para o futuro de Portugal.

Sem o imediato, rápido e forte aumento da natalidade em Portugal jamais haverá no futuro, no médio e no longo prazos, um robusto, duradouro e consolidado crescimento económico.

Não haverá nunca um verdadeiro e real crescimento económico em Portugal, com condições reais de consolidação, incremento e progressividade, sem uma efetiva e real política de forte aumento natalidade.

Isto é óbvio!

E só não o conseguem ver quem não quiser ver, ou quem estiver comprometido com a destruição de Portugal.

 

 



publicado por Sérgio Passos às 23:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Domingo, 26 de Janeiro de 2014
A justiça, os santos e os canalhas.
“No mais alto da escala está o juiz. Não existe um ofício mais alto que o seu nem uma dignidade mais imponente. Está colocado [...] sobre a cátedra; e merece esta superioridade.
Se aqueles que estão perante o juiz para serem julgados são partes, quer dizer que o juiz não é parte. Com efeito, os juristas dizem que o juiz está ‘super partes’; por isso, o juiz está no alto, o acusado em baixo [...] Ao invés, se o Ministério Público está ao seu lado, isso constitui um erro, que mediante uma maior consciência sobre a mecânica do processo acabará por ser rectificado.”
O encarregado de julgar uma contenda tem de ser imparcial, sob pena de inutilidade do próprio julgamento. Se o juiz não for imparcial, então tudo não passa de uma farsa sórdida. Sórdida porque imoral, injusta, ilegal, contrária à ética e repugnante à mais básica noção de processo; farsa porque se limita a ser uma vergonhosa encenação, visando dar o resultado combinado com uma das partes. Será uma burla processual. Um julgamento juridicamente inexistente.
Também se o acusador estiver ao mesmo nível do juiz, “materialmente” no que ao desenvolvimento e à sorte do processo respeita, teremos a mesma sórdida farsa.
Como visto, será um caso de “erro” não corrigido… por falta de consciência (do juiz) sobre a função e as regras do processo.
Ou seja: um juiz que efectivamente o seja, que tenha consciência da dignidade da sua função e da radical justiça implícita na estruturação do processo (que é uma contenda “civilizada” controlada por um terceiro im-parcial), nunca permitirá que qualquer parte fique ao seu nível. E muito menos permitirá que as suas decisões sejam determinadas pelo preconceito de que o acusador é sempre o “bom” e o arguido é sempre o “mau”; o preconceito de que tudo o que o acusador requer deve ser deferido, sendo de indeferir toda a pretensão do arguido.
Sempre que tal acontece estamos perante mais uma miséria do processo penal. Perante um juiz que se demitiu de exercer a nobre função que lhe depositámos nas mãos. A ele, a quem nos estados de direito cumpre velar pela vida, pela honra e pelo património dos seus concidadãos. Esse homem será qualquer outra coisa, mas técnica e eticamente não será juiz.
Por isso desconfiem de todo o julgamento que seja mera “crónica de uma morte anunciada”.
Mais que ler muitos livros, queria que os juízes conhecessem muitos homens; [...] principalmente, santos e canalhas [...]
Mas o erro, o erro tremendo, está em crer que aqueles que se encontram encarcerados na penitenciária estão todos condenados ao fogo do Inferno.”

"As misérias do processo penal", de Francesco Carnelutti.



publicado por Sérgio Passos às 18:16
link do post | comentar | favorito
|

O "calabote" do Futebol Clube do Porto!

De uma coisa o Futebol Clube do Porto não se livra mais, após o jogo de ontem da meia-final da taça da liga com o Marítimo e com toda a escandaleira em que se converteu esse jogo, cheio de golos de duvidosa legalidade e, para finalizar, com um penalty e golo aos 96 minutos a favor do FCP: já não pode dizer que também não teve o seu "calabote" na arbitragem, no caso o árbitro chamado Manuel Mota!

E tudo isto foi sendo feito a favor do FCP, "fora de horas", portanto de modo a facilitar um resultado que permitiu o seu apuramento para a meia-final da taça da liga e em desfavor do Sporting Clube de Portugal e que havia terminado quase 10 minutos antes o seu jogo contra o Penafiel

Uma vergonha!

 



publicado por Sérgio Passos às 17:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

SIRESP: a corrupção tomou conta de Governos e do Estado Português.
A corajosa jornalista Ana Leal meteu-se num vespeiro ao denunciar a corrupta e escandalosa Parceria Público Privada do SIRESP (serviço de comunicações integrada, que envolve entre outras organizações a Proteção Civil) em que estão metidas altas figuras do PS e do PSD.
A rede do SIRESP falhou já em inúmeras vezes em vários distritos, estando já envolvido em assistências e socorros tardios a vítimas e doentes, levando nalguns casos a mortes, o que colocou causa a sua eficácia.
O Orçamento inicial deste roubo organizado sob o Orçamento Geral de Estado estava fixado em 800 milhões de Euros, claramente ruinoso para os contribuintes!
A jornalista Ana Leal causou tais incómodos com a sua reportagem que diretores de informação da TVI, José Alberto Carvalho e Judite de Sousa, conhecidos amigos de políticos, recusaram divulgar no horário nobre da estação.
Uma vez mais fica demonstrado que a informação em Portugal não é livre e sofre da influência das “altas” teias da corrupção!
Políticos envolvidos:
António Guterres - Primeiro Ministro (XIV Governo);
José Manuel Durão Barroso - Primeiro Ministro (XV Governo);
Bagão Félix - Ministro das Finanças (XVI governo);
Daniel Sanches - Ministro da Administração Interna (XVI governo);
António Costa - Ministro de Estado e da Administração Interna (XVII governo);
Manuel Dias Loureiro - Era administrador não executivo do Grupo do BPN, apesar de ser não executivo tem fortes ligações a Daniel Sanches;
José Oliveira e Costa - Presidente do grupo SLN.
Entidades envolvidas: BPN e SLN!!!
A "alta" corrupção com a Parceria Público Privada do SIRESP, um negócio ruinoso para o Estado e para os contribuintes portugueses em que estão envolvidas altas figuras do PS e do PSD.
Uma vergonha em que a alta política partidária tomou de assalto o aparelho de Estado.



publicado por Sérgio Passos às 15:22
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Os funcionários públicos pagos com sacos de vento.
O Estado Português de agora em diante tomará uma nova e surreal fórmula de retribuição do trabalho público suplementar, segundo a qual os seus funcionários públicos receberão horas descanso em troca do trabalho extraordinário.
Ora, qual é mesmo a admiração, dentro em pouco, este mesmo Estado prepara-se para pagar no final do mês aos seus funcionários, nada mais nada menos, do que sacos cheios de vento.
Mas, qual é mesmo a dúvida que este Estado social-comunista é o preço que temos de pagar para os políticos e os partidos nos roubarem todo o produto do nosso trabalho?!
A austeridade é apenas o preço da escravatura que os portugueses têm de pagar pelo regime de Partidocracia!
Nada a espantar.



publicado por Sérgio Passos às 14:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Junho 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

19
20
21
22

25
26
28
29
30


posts recentes

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

Anarquia

Os incendiários da flores...

Os otários somos nós???

O Estado Terrorista Portu...

Avé César!

Do Estado vem (sempre) o ...

Tribunais Só Para Ricos

arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds