Ideias e poesias, por mim próprio.
Quarta-feira, 23 de Fevereiro de 2011
O Sol-posto deitou-se.

O dia correu da manhã ao final da tarde

O dia virou-se do nascente ao poente e correu

Já foi de alvores e aurora e termina pela sua hora

O crepúsculo surge e de novo revisita-se

O sol vai-se deitar com a lua e noite pôr-se

A noite é um manto que se cobre na sombra da luz

A praia vê partir o dia e estende-se nos seus farelos

O sol vai e vem e vai de novo ao pôr-do-sol

O dia termina e estende as réstias do seu alvor

O mar incandesce o seu corpo de vidro espelhado

O céu incendeia-se e o astro lenta e seguramente desfaz-se

A matiz de vermelho e laranja é uma paleta de fogo

São momentos breves à sua despedida

Vai cansado e desfeito no calor que o alimentou.

O dia e o seu resto não tardam e é noite.

O sol foi-se e parte a sós e vai

As águas recolhem os seus despojos e arrefecem

Somos todos um adeus que ao sol se vai deitando

Até amanhã velha bola de fogo de iludir

Ficamos de luto e na certeza do novo sol há-de vir

O sol mergulha por além, nas águas ao fundo

Aquela bola de fogo cai em ocaso no oceano.



publicado por Sérgio Passos às 18:34
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2011
Encontro desencontro.

Ver-te é um fogo incendiado

Ver-te é um incêndio lavrando em palha seca

Ver-te é um restolho de faíscas crepitantes

És o vulcão do braseiro irrompendo em vermelho

És as palavras que jorram e não falam

És silêncio irrompendo em alto volume

Paras em teu caminho e eu fico a teus pés

Paro no sinal e tu prendes-me no trânsito

Parei ali e ainda aí estou na espera

Voltaste e seguiste a meu lado passando a música

Voltaste e não paraste e ficaste

Voltaste, foi só por um instante e me fiquei

Segui, passei e caminhando fui

Passei pelo teu passar e fui adiante

Caminhando caminhei transeuntes caminhamos

Parti partiste encontramo-nos rumando às vidas de cada.



publicado por Sérgio Passos às 11:20
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 12 de Fevereiro de 2011
2 – Peço Justiça: Estado-de-Direito aonde?

Comanda a lei no Código de Processo Civil, no seu art.º 659.º, n.ºs 1 e 2, que o juiz na sentença deve solucionar sempre as questões que sejam levadas ao Tribunal e que, após a descriminação dos factos provados e dos não provados, deve obrigatoriamente indicar, interpretar e aplicar as normas jurídicas correspondentes e concluindo pela decisão final.

Esta imperativa obrigação legal do juiz fundamentar com a Lei e o Direito as suas decisões é reforçada de tal ordem que, caso não o faça, bem como e caso não fundamente devidamente de Lei e do Direito os seus Despachos e ou Sentenças estes são imediatamente e sem mais Nulos, segundo norma expressa do art.º 668.º do mesmo citado Código.

Esta norma e as suas boas obrigações, o que entendemos que qualquer cidadão mais ou menos leigo facilmente perceberá, são o corolário lógico e necessário do Estado de Direito e do Principio da Legalidade, ou sejam, que é o que estes significam intrinsecamente, que não pode haver nem é permitido um qualquer juiz ou autoridade decidirem ou proferirem ordens sem que tenham lei ou norma jurídica ou legal que os autorize e os justifique a tanto.

Portanto, em democracia, toda e qualquer autoridade, seja a do Juiz e da qualquer Tribunal, só com lei e por meio da lei têm, tanto o poder, como a autoridade, para poderem ditar ordens.

E sem lei o juiz nada pode e nenhuma autoridade possui!

Tais premissas têm-se por assentes na Constituição da República Portuguesa nos seus art.ºs 29.º, 31.º, 202.º e 205.º, ou seja, que é o que dizem quanto à organização democrática dos cidadãos em Comunidade, que a aplicação da Justiça em nome do Povo e a administração do Estado, mormente a actividade dos Tribunais, faz-se conforme e estritamente, somente e segundo a Lei, e as sentenças judiciais que assim não forem elaboradas são inconstitucionais.

E é esta necessidade imperiosa e absoluta de fundamentação e justificação do uso e da motivação com lei expressa que separa os jugos da arbitrariedade, da ditadura ou do nepotismo da liberdade e justiça do Estado de Direito Democrático e de uma Justiça justa e racional.

Sem a Lei, a Democracia e a Justiça morrem e passam em seu lugar a dominar os grupos mafiosos, os julgamentos arbitrários, vem a ditadura e impõe-se o poder da iniquidade e da injustiça.

Foi para isto que, dizem, e eu também pensava assim, que se fez o 25 de Abril e se estabeleceu um regime político e um sistema de Justiça assente no primado da lei, do Estado de Direito, da democracia e da igualdade.

Assim pensava e agi eu sempre nos meus 16 anos contínuos do meu exercício da Advocacia, fazendo do meu exercício profissional ao serviço do Direito e da Lei a minha procura de uma Justiça justa, e sempre e somente agindo nestas consciência e prática, até vir a encontrar uma situação em que parece flagrante que tudo isto já não deve ser verdade.

Ora, foi no âmbito e na pendência de um processo no Tribunal Judicial da Comarca de Penela que, por meio de despacho judicial a juíza titular de então, após apresentadas as peças processuais de cada parte, de um lado uma Junta de Freguesia e do outro lado um cidadão, resolveu aquela Senhora decidir sentenciar o seguinte, o que sem passa a citar de entre o mais relevante:

“Os presentes autos consubstanciam uma acção executiva para prestação de facto cujo título executivo é uma sentença condenatória transitada em julgado. … Ora atentando no teor do título executivo, verificamos que os ora executados não podem impedir o exercício contínuo do direito da autora. Assim, sendo a autora (ora exequente) uma Junta de freguesia – acabando inevitavelmente por serem várias as pessoas que se dirigem ao seu prédio – e considerando que a questão da existência do portão é uma questão nova (cuja existência não foi oportunamente alegada, importando assim uma nova acção, o portão em causa terá que ser removido, o que desde já se determina.”…”

E assim este despacho/sentença ficou escrito, sem mais nada!

Veja-se, com espanto, que neste citado Despacho Judicial entendeu a Senhora Juíza em causa não o fundamentar ou justificar com qualquer disposição legal e de Direito.

Ora, cidadão em causa, meu cliente e constituinte, atingido que foi desfavoravelmente e que ainda hoje não sabe qual foi a motivação ou justificação legal de tal sentença, entendeu reagir contra tal anormal situação apresentando o respectivo Recurso de Legalidade para o Tribunal da Relação de Coimbra e ainda de Inconstitucionalidade para o Tribunal Constitucional.

Após corridos os termos legais do Recurso em causa no Tribunal da Relação de Coimbra, este Tribunal decidiu em sede de Acórdão quanto às apontadas questões o seguinte, o que passamos a citar:

“…A parte vencida tem o direito de saber porque razão lhe foi desfavorável a sentença; e tem mesmo necessidade de o saber, quando a sentença admite recurso, para poder impugnar o fundamento ou fundamentos perante o tribunal superior. Este carece também de conhecer as razões determinantes da decisão, para as poder apreciar no julgamento do recurso. …Ora, é inquestionável que o despacho recorrido se mostra devidamente fundamentado, tanto de facto como de direito. O despacho não tem de separar, isto é, de colocar em compartimentos estanques os fundamentos de facto e de direito que justificam e sustentam a decisão proferida. O que importa é que esses fundamentos constem da decisão de modo que se possam conhecer as razões pelas quais o julgador optou por esta ou aquela decisão. O despacho recorrido, depois de transcrever a parte decisória da sentença exequenda, tece considerações, embora sucintas, sobre a existência do portão na servidão de passagem, concluindo pela necessidade da sua remoção. Os fundamentos que justificaram a decisão estão, pois, bem explicados no despacho recorrido.”

Bem, que dizer finalmente a isto?

Pois, como entender, como o Tribunal da Relação de Coimbra o fez e decidiu, que não era necessário fundamentar com a Lei a dita sentença e mantendo inalterada a anterior decisão da 1.ª instância?

Eu digo e termino, porque tudo isto não merece mais, convicto e consciente do que sei e aprendi, que não aceito de modo nenhum estas decisões.

Fico sim profundamente triste com isto tudo e concluo perguntando: onde ficam aqui o Estado de Direito, a Legalidade e a Constituição da República Portuguesa?

É claro que o meu cliente perante estas decisões judiciais desistiu do processo e disse-me que os tribunais portugueses não lhe mereciam mais confiança.

Contudo da minha parte acrescento e que fique bem claro para todos, a minha crença no que acredito ser a recta e verdadeira Justiça conforme o Direito e a Lei saiu reforçada, e a minha luta pela procura dessas tão nobres causa e credo tornam o meu dia a dia e a minha actuação cada vez mais exigentes e com um sentido mais e mais humano.

Viva a Justiça!



publicado por Sérgio Passos às 17:39
link do post | comentar | favorito
|

Cavaco Silva e a sua ficha na PIDE.

Vêm agora a público os indefectíveis "cavaquistas, a propósito da inscrição de Cavaco Silva na PIDE, no ano de 1957, defender que se compreende esse facto à luz da época e que isso era a norma e era necessário para se ser funcionário público. Pois isso não é, nem nunca foi verdade. Verdade é sim a vergonha que tenho dessa ficha e do seu autor Cavaco Silva. Mas eu respondo a esses falaciosos argumentos de tão frágeis morais, que também sei que facilita em muito a vida nos dias de hoje ter uma "ficha" num partido político, que tal ajuda a promover familiares e amigos, que facilita o acesso às repartições públicas, que ajuda até nalguns tribunais, que ajuda a obter créditos nos bancos, ajuda a receber subsídios do Estado, que ajuda a ir a festas e a festarolas, que até ajuda a ser popular, a ser "jet set" e "oito", etc etc. Mas eu não sou filiado em nenhum Partido Político porque eu DIGO NÃO à corrupção, ao bandistismo, aos tráficos de influências, ao roubo do erário público, à pedofilia, à mafia política, à prostituição moral, ao aborto, à destruição da família, ao endividamento e à bancarrota do país, à destruição da juventude e do futuro de Portugal. Só assinou então ficha na PIDE quem era fraco e era vendido ao sistema vigente salazarista e de ditadura, porque muitos e muitos corajosos homens e mulheres, que até pagaram a sua vida, com a sua sobrevivência, com o seu conforto e até que tiveram que fugir de Portugal disseram NÃO. O meu pai jamais assinou qualquer ficha na PIDE e tive e tenho familiares que foram perseguidos pela PIDE pelas suas convicções democráticas. E eu aqui acrescento ao NÃO: BASTA! Repugna-me quem fez parte dessa execrável polícia política que perseguiu, torturou, prendeu e mandou matar tantos e tantos inocentos. Tenham vergonha seus "bufos"!!!



publicado por Sérgio Passos às 16:58
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Fevereiro de 2011
Democracia fascista do pós-25 de Abril.

O sistema proposto do "voto preferencial" mais não é que uma nova armadilha montada pelo regime para mistificar e enganar o povo português. Os círculos uninominais é que os Partidos políticos não deixam avançar porque querem continuar a ter a Assembleia da República, o Estado e o Regime como feudos deles para continuarem a roubar o erário público e não deixarem o povo escolher livremente os seus destinos. Afinal em Portugal a democracia mais não passa, desde 1974, do que uma palhaçada, e a ditadura fascista continua a reinar impunemente sobre a forma encapotada da pseudo democracia partidária do Bloco Central e dos seus satélites, ora ditas à direita ora à esquerda. A soberania marxista preconizada pela Constituição da República e pelos seus acólitos continuará sempre a propugnar o Estado e a nação como propriedade dos seus agentes mafiosos que escandalosamente lucram diariamente com os monopólios e os oligopólios empresariais que exploram o cada vez mais empobrecido povo português. Esse, o povinho, tem o direito de votar, se quiser, e tem seguramente o dever de pagar a conta e a ruína do défice pelos séculos dos séculos, ámen.



publicado por Sérgio Passos às 13:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

Crescimento económico de ...

Contribuintes portugueses...

64 homicídios

Os repetidos contratos po...

António Costa contratou a...

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds