Ideias e poesias, por mim próprio.
Sábado, 8 de Janeiro de 2011
Liu Xiaobo: Prémio Nobel da Paz 2010 preso na China.

http://www.facebook.com/update_security_info.php?wizard=1#!/note.php?note_id=132668243459334



publicado por Sérgio Passos às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Putas

A vaidade janota desceu às ruas!
Vem florida nas saias duma prostituta
Emproada nos seios quentes; nus!
Vende desespero reaccionário na labuta.

Come nas vielas movimentadas e escuras
Amamenta dissecadas amarguras
Grito de ancas despregadas
Luvas delinquentes já carcomidas.

Enxovalhada a deliciosa angústia,
Assomam à luz tecnocratas de lustre.
Hipócrita moralidade conspurcando o sexo pueril
Peitos soltos na vaga do vento.

Corre, entrega-os à volúpia da satisfação

Afoga as lágrimas no prazer te rastejado ao colo
Renasce essa aflorada sensualidade

Abriga-te nesses cabelos, dos jogos que não sintam

Que te afagam

Vendando-te do amor de chulos.



publicado por Sérgio Passos às 18:12
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 4 de Janeiro de 2011
"Vender a alma ao diabo".
Deixem o Governo, o Presidente, os Deputados, os Autarcas, os Gestores públicos e os demais parasitas do Estado venderem as reservas de ouro de Portugal e pode ser que dentro de pouco tempo para pagar a dívida gigantesca tenhamos que vendar o porto de Sines aos chineses, os Açores aos americanos, o Douro aos ingleses, o Alentejo aos espanhóis e o Algarve aos russos e nós passemos a pedintes no nosso próprio país


publicado por Sérgio Passos às 19:41
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 1 de Janeiro de 2011
1 - Peço Justiça: Crónicas destes Tribunais portugueses que temos e da Justiça que fazem.

A Inspecção-Geral A… entendeu levantar um auto de contra-ordenação à sociedade comercial C…, Lda. por, alegadamente, esta estar a proceder à extracção da pedra G… sem possuir licença para tal, praticando em consequência a infracção ao disposto no n.º 1 do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 270/2001, de 6/10, e constituindo uma contra-ordenação punida pela alín. a) do n.º 1 do art.º 59º do mesmo diploma.

Em consequência esta Inspecção-Geral entendeu condenar a arguida sociedade C…, Lda. na coima respectiva de € 3.000,00 pela prática da referida contra-ordenação.

A C…, Lda. apresentou a sua Defesa perante aquela, negando a acusação e fazendo prova para tanto que era regular e validamente da licença em causa nos termos do disposto do no n.º 1 do art.º 10.º do Decreto-Lei n.º 270/2001.

A partir daqui o processo teve o seguinte número de estranhos e anómalos incidentes e decisões, deixando ainda assim livremente ao leitor e à sua apreciação o que julgar sobre o isto tudo merece.

Primeira: na sequência da apresentação da peça processual de Defesa, acima identificada, foi proferida a respectiva Decisão Administrativa de que só foi notificada a sociedade arguida, nunca disto tendo sido notificado, como era obrigatório e próprio, o Advogado e Defensor constituído, tudo em violação do art.º 47.º, n.º 2 do D.L. n.º 433/82, de 27/10 e do art.º 113.º, n.º 9 do Código de Processo Penal.

Segunda: no próprio dia da audiência de discussão e julgamento, marcada para as 14 horas do dia 31 de Março de ..., a realizar no Tribunal de Serpa, já pelas 12.15 h., quando o advogado, o representante legal e as testemunhas se deslocavam de Coimbra para Serpa, o advogado recebe um telefonema do Tribunal desconvocando-os da audiência, por o juiz do Processo naquele mesmo dia se haver dado de conta do seu lapso cometido da marcação daquela audiência, por entender que já não era mais necessária face à simplicidade da decisão, nos termos do art.º 64, n.º 2 do D.L. n.º 433/82, de 27/10. Refira-se que esta decisão de “última da hora”, sem audição das testemunhas, embora não fosse ilegal, merece a nossa censura, por ter obrigado, sem justificação e desnecessariamente, ter dado lugar a despesas e incómodos ás pessoas atingidas. E, ainda mais grave, a decisão que veio a ser tomada pelo juiz de condenação, sem audição das testemunhas fornecidas pela Defesa, merece a nossa crítica, tanto por ser proibida por lei como pela hora tardia em que se decidiu pela desnecessidade do julgamento, nos termos do disposto dos art.ºs 64, n.º 5 e 65.º D.L. n.º 433/82, de 27/10.

Terceira: o juiz de Serpa decidiu-se na sentença do processo pela condenação da arguida sociedade, para tanto fundamentando-se num novo elemento legal e de facto, dizendo que a licença que a arguida possuía não respeitava os termos do art.º 63.º, n.º 1 do D.L. n.º 270/2001. Ora, esta actuação do Juiz constituía uma verdadeira nova acusação, passando o juiz a assumir em sede de sentença aquilo que jamais a autoridade administrativa havia levantado, tanto no Auto de Contra-Ordenação como na Decisão Administrativa. Eu lembro aqui o princípio da presunção da inocência no processo penal/contra-ordenacional que deve nortear do Tribunal. Refira-se que a Defesa da arguida já estava fechada e não podendo mais ela pronunciar-se sobre a novidade legal introduzida pelo juiz. Aquela alteração, dando azo a uma nova a Acusação sem possibilidade de defesa por parte da arguida é liminarmente proibido por lei tanto por ser ilegal como ser inconstitucional, por se revelar numa flagrante violação das garantias da Defesa, como na violação de um Processo Justo e Equitativo, face ao disposto nos art.ºs 62.º do D.L. n.º 433/82, de 27/10, 283.º do Código de Processo Penal e dos art.ºs 29.º, n.º 1 e 32.º, n.ºs 1 e 10 da Constituição da República.

Quarta: o mesmo juiz do Tribunal de Serpa decide por considerar improcedente o recurso da arguida e por condená-la no pagamento dos juros legais e da custas do processo sem nunca se pronunciar sobre a condenação ou absolvição da arguida pela prática da contra-ordenação de que vinha acusada e tão-pouco se pronunciando no pagamento da respectiva coima. Ora esta falta cometida na Sentença equivale, para os devidos legais efeitos, verdadeira e objectivamente a uma ausência de uma condenação, o que dá azo à nulidade da própria sentença, nos termos dos art.ºs 374.º e 379.º do Código de Processo Penal.

Quinta: apresentado o Recurso para o Tribunal da Relação de Évora daquela decisão da 1.ª instância, este Tribunal superior decidiu pela manutenção da decisão da instância de Serpa para tanto, o que passamos a citar: “… em face da factualidade provada cremos que a arguida praticou a contra-ordenação em causa, ainda que por razões diversas das plasmadas no despacho recorrido, pois não está em causa a adaptação de uma licença ao regime instituído pelo decreto-lei n.º 270/2001, mas sim a inexistência de licenciamento da entidade competente para a exploração que a arguida estava a efectuar.” Os sublinhados são nossos: o primeiro por acharmos notável que um Tribunal decida por “crer”, o segundo por confirmar que os factos em que se fundamentou o senhor Juiz de Serpa para a condenação não eram os correctos, e terceiro, que, finalmente, a condenação não havia de ter sido pelos fins da citada norma usada por aquele Juiz para chegar à condenação, ou seja de falta da adaptação ao novo tipo de licenciamento, como o fez, mas, e agora é que eu já não percebo mesmo nada (!!!), mas pela falta de licença. Relembramos aqui que a arguida, segundo o que constava provado do próprio processo, era e é detentora de uma licença.

Sexta: apresentado o Recurso desta decisão do Tribunal da Relação de Évora para o Tribunal Constitucional, por entendermos que as decisão tanto do Tribunal da Relação de Évora como do Tribunal de Serpa padeciam de graves atropelos da Constituição da República, e só aqui citamos a de violação das Garantia de Defesa e de Um Processo Justo, e quando estava ainda pendente de ser enviado para o Tribunal Constitucional e sem o conhecimento deste advogado, portanto à sua revelia novamente, a arguida é de repente notificada da pelo Tribunal de Serpa para a fazer o pagamento da Coima. Ou seja, sem que aquele Recurso tivesse subido para a apreciação do Tribunal Constitucional, como esperava que acontecesse, e à revelia do próprio Tribunal e do Advogado, é notificada a sociedade arguida para proceder ao pagamento da Coima. Naturalmente logo este advogado teve que reagir e insurgir contra isto, requerendo aos Tribunais de Serpa e da Relação de Évora que fosse reposta a normalidade legal.

Oitava: chegado finalmente o recurso ao Tribunal Constitucional este tribunal decide liminarmente e sem mais, por indeferir o Recurso interposto pelo advogado, decidindo para tanto que o Recurso era inepto e se encontrava deficientemente redigido e estruturado. Eu digo aqui e continuo a manter o mesmo que fiz na Reclamação desta decisão: que não estava nada mal redigido, antes que estava correcto e devia ser admitido, e que se fizesse finalmente justiça conforme à Constituição, ao Estado-de-Direito e à Lei da República. A decisão a seguir do Tribunal Constitucional não se fez esperar: indeferir a Reclamação e aplicar de Custas € 4.284,00 (escrevo: Quatro mil duzentos e oitenta e quatro Euros)! Anoto aqui que este advogado que é pobre e vive com dificuldades, entendeu pagar do seu bolso estas Custas, por achar que a decisão era, e continua a ser, injusta, poupando disso a sua cliente que não tinha nem tem culpa de quem decidiu.

Nona e última, por agora: após o processo ter descido ter ao Tribunal de Serpa, este advogado requereu ao respectivo juiz que declarasse o prescrito o Processo por já haverem decorrido 4 anos 8 meses após o início do Processo de Contra-ordenação, e neste tempo tal qual como já antes havia decidido o Tribunal da Relação de Évora quando lhe foi colocada inicialmente a questão. A este pedido de prescrição o (novo) Juiz de Serpa decide não atender ao requerimento, indeferindo-o e decidindo que a prescrição só se verificaria quando passassem 5 anos e 13 dias. Refira-se, por último, o que é de Lei, que em nenhum caso a prescrição no caso do tipo da contra-ordenação e da coima deste processo podia ou pode ir para além de 5 anos!

E afinal, pergunto-vos eu, Peço Justiça?



publicado por Sérgio Passos às 23:51
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

Crescimento económico de ...

Contribuintes portugueses...

64 homicídios

Os repetidos contratos po...

António Costa contratou a...

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds