Ideias e poesias, por mim próprio.
Segunda-feira, 27 de Dezembro de 2010
Os políticos que paguem a crise. E a dívida.

O pagamento da dívida externa portuguesa tem ao alcance dos portugueses um meio simples e retributivo igual à responsabilidade dos seus autores e à sua verdadeira causa danosa. Autores estes, aliás, que são quem dela integralmente beneficiou e sem que alguma vez os portugueses tenham sido devidamente esclarecidos ou consultados tanto da sua criação, da sua pertinência social e económica ou dos fins para que servia. A exacta medida para isso, tal como eu proponho, é para além de justa e equitativa e é também equilibrada para todos, e consistiria na devida e directa responsabilização social e legal da má gestão, por um lado, e no ressarcimento público da delapidação dos recursos públicos, tudo, pelos seus exactos responsáveis e seus autores: ora portanto, basta que todo o património adquirido pelos políticos nos últimos 36 anos (após 25 de Abril de 74) seja confiscado e a seguir reverta para o Erário Público e com ele se pague a dívida externa. Calculo, no meu modesto ver, que ainda sobrará muito património para ajudar os portugueses mais carenciados. E Portugal e os portugueses, que foram totalmente alheios ao seu fomento e à sua criação, não tendo qualquer responsabilidade na sua existência, não precisariam de mais qualquer sacrifício na actual conjuntura. Portanto, a dívida é dos políticos e sejam eles e o seu património a pagá-la.



publicado por Sérgio Passos às 20:05
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 24 de Dezembro de 2010
"Eu não tenho inimigos."

Eu não tenho inimigos.

 

(O discurso de Lio Xiaobo no Tribunal que o condenou a 11 anos de prisão. (Lido por Liv Ullmann na Cerimónia de entrega do Prémio Nobel da Paz, a 10 de Dezembro de 2010, na ausência do laureado Lio Xiaobo)

 

 

No percurso da minha vida, por mais de meio século, Junho de 1989 foi o decisivo ponto de viragem da minha vida. Até esse momento, fui membro da primeira classe a entrar na Universidade a partir do momento em que os exames de admissão foram recolocados após a “Revolução Cultural” (Curso de 1977). Da BA até MA e durante PhD, a minha carreira académica foi um suave percurso. Depois da conclusão dos meus estudos, permaneci no ensino na Universidade Regular de Beijin. Como professor, fui bem recebido pelos estudantes. Ao mesmo tempo, fui um intelectual público, escrevendo artigos e livros, criados num ápice durante os anos 80, recebendo frequentemente convites para dar palestras no país, e indo ao estrangeiro a instituições escolares da Europa e dos Estados Unidos. O que eu procurava de mim mesmo era: quer como pessoa como escritor, queria guiar-me por uma vida de honestidade, responsabilidade e dignidade. Depois disso, regressei dos Estados Unidos para tomar parte no Movimento de 1989. Movimento, pelo qual foi levado à prisão pelo “crime de contra-revolucionário, propaganda e incitamento.” Perdi então a minha amada docência e nunca mais pode publicar ensaios ou dar conferencias na China. Tudo isto apenas por meramente ter publicado diferentes pontos de vista e tomar parte no pacífico movimento pela democracia, um professor perdia a docência, o escritor perdia o seu direito a publicar, e um intelectual publico perdia o seu direito a publicar ensaios e dar palestras publicamente. Isto é uma tragédia, tanto para mim, pessoalmente, como para a China, como não se via há 30 anos desde a “Reforma e Abertura”. Quando penso nisto, a minha mais dramática experiência depois do “4 de Junho” foi, surpreendentemente, associada aos tribunais: as minhas duas oportunidades de dirigir publicamente foram-me concedida pelas sessões de julgamento no Tribunal de Municipal Intermediário de Beijing, uma vez em Janeiro de 1991 e outra vez hoje. Embora os dois crimes pelos quais eu tenha sido acusado tenham diferentes nomes, a sua real substancia é basicamente a mesma – ambos são crimes de opinião.

Vinte anos passaram, mas os fantasmas do “4 de Junho” ainda não foram afastados. Logo após a minha libertação da Prisão de Qincheng em 1991, eu, que havia sido colocado sob a etiqueta de dissente político pelas cadeias filosóficas do “4 de Junho”, tendo perdido o meu direito de me expressar em público no meu próprio país e só o podendo fazer através da imprensa estrangeira. Por causa disso, fui submetido a monitorização, e colocado sob vigilância residencial (de Maio de 1995 a Janeiro de 1996) e depois enviado para a Reeducação-Através-Do-Trabalho (de Outubro de 1996 a Outubro de 1999). E agora fui uma vez mais colocado a um beco pelo “inimigo mental” do regime. Mas eu quero ainda dizer a este regime, que se me priva da minha liberdade, eu continuo ciente pelas convicções que expressei na minha “Declaração da Segunda Greve de Fome de Junho” vinte anos atrás – Eu não tenho inimigos e não tenho ódio. Nenhum dos polícias que me vigiou, prendeu ou interrogou, nenhum dos acusadores que me indiciou, e nenhum dos Juízes que julgou são meus inimigos. Embora eu não aceite de maneira nenhuma a vossa vigilância, as prisões, as acusações e os veredictos, eu respeito as vossas profissões e a vossa integridade, incluindo a do dois acusadores, Zhang Rongge e Pan Xueqing, que agora sustentam as acusações em nome da acusação. Durante o interrogatório em 3 de Dezembro, eu senti o vosso respeito e a vossa boa fé. O ódio pode destruir a inteligência e a consciência de uma pessoa. Um inimigo mental envenena o espírito de uma nação, incita a cruéis e mortais lutas, destrói a tolerância e a humanidade da sociedade e impede o progresso de uma nação através da democracia e da liberdade. Esta é a razão porque eu tenho esperança de ser capaz de transcender as minhas experiências pessoais enquanto olho para o desenvolvimento e a mudança social da nação, para contrapor à hostilidade do regime com a derradeira boa-vontade, e ao seu ódio expelido com amor.

Todos sabem que foi a “Reforma e Abertura” que trouxeram ao nosso país o desenvolvimento e a mudança social. A meu ver, a Reforma e da Abertura iniciou-se com o abandono do “o uso da luta de classes como princípio guia” da era política do governo de Mão (Tse Tsung), colocando em seu lugar o compromisso do desenvolvimento económico e da harmonia social. O processo do abandono da “filosofia da luta” foi também um processo do enfraquecimento do inimigo mental e da eliminação da psicologia do ódio, e o processo de eliminação do “leite do lobo” como estranho ao ser humano. Foi este processo que permitiu um clima relaxado, interna e exteriormente, e foi por meio da prática de métodos sensíveis e humanos para a restauração mútua dos afectos entre as pessoas e a coexistência entre os diferentes valores e interesses, que foi possível providenciar e encorajar humanidade com criatividade e restaurando a compaixão entre os concidadãos. Qualquer um pode dizer que foi o abandono do “anti-imperialismo e do anti-revisionismo” nas relações externas e da “luta de classes” internamente a premissa básica que permitiu que o movimento da Reforma e da Abertura pudesse continuar até ao dia de hoje. O estabelecimento do mercado livre, a diversificação cultural, e a gradual mudança em ordem social regulada pelo poder da lei beneficiaram do enfraquecimento do “inimigo mental”. Até na arena política, onde o progresso geralmente é lento, o enfraquecimento do inimigo mental levou a uma gradual evolução da tolerância do pluralismo social numa parte do regime e uma substancial diminuição na pressão da perseguição dos dissidentes políticos, e a designação oficial do Movimento de 1989 também mudou de “tumulto e agitação” para “perturbação politica”. O enfraquecimento do inimigo mental abriu caminho para o regime gradualmente aceitar a universalidade dos direitos humanos. Em 1997 e 1998 o governo chinês tomou o compromisso de assinar as duas mais importantes convenções internacionais das Nações Unidas, assinalando a aceitação chinesa dos padrões internacionais dos direitos humanos.

Em 2004, o Congresso Nacional do Povo emendou a Constituição, escrevendo na Constituição pela primeira vez que o “Estado respeita a garantia dos direitos humanos”, assinalando-se que os direitos humanos são já um dos fundamentais princípios do Estado de Direito da China. Ao mesmo tempo, o actual regime reforçou as ideias de “o povo primeiro” e “criar uma sociedade harmoniosa”, assinalando com isso o progresso do conceito do poder. Eu também fui capaz de sentir esse progresso a um macro nível através da minha experiência na minha prisão. Pese embora eu continue a pensar que estou inocente e que as acusações contra mim são inconstitucionais, passou já mais de um ano desde que perdi a minha liberdade, eu já estive preso em dois diferentes locais e já fui sujeito a quatro interrogatórios policiais, três procuradores e dois juízes, mas no tratamento do meu caso eles não foram desrespeitadores para comigo, apesar das limitações de tempo, não tendo eles tentado forçar uma confissão. As suas maneiras foram moderadas e razoáveis, além do mais, eles mostraram na maioria das vezes boa-vontade.

A 23 de Junho, foi deslocado da vigilância residencial em que havia sido posto para o Centro de Detenção da Policia Municipal de Beijing conhecida como a “Beikan”. Durante os meus 6 meses de permanência em Beikan eu observei melhorias na direcção da prisão. Em 1996, passei tempo na velha Beikan (localizada em Banbuqiao). Comparada com a velha Beikan de há mais de 19 anos atrás, a presente Beikan é um enorme melhoramento, tanto em termos de “hardware” – nas instalações – como no “software” – na direcção. Em particular, a direcção humana implementada pela nova Beikan, baseada no respeito dos direitos humanos e na integridade dos detidos trouxe flexibilidade na actuação da direcção e em todos os aspectos do pessoal da cadeia, e veio a encontrar expressão nas “confortáveis maneiras”, na ressocialização, na música antes das refeições, no lazer e nos tempos livres. O estilo da direcção permitiu aos detidos a experiência de dignidade e conforto, e dá a entender uma vontade de manter a prisão ordeira em oposição ao uso da força contra os presidiários. Não só permitiu uma existência humana no ambiente dos detidos, como também apresentou grandes melhorias para os processos aí que tinham lugar bem como no estado de espírito dos detidos. Tive um contacto muito próximo com o oficial de correcção Liu Zheng, que estava no controle da minha cela, e o seu respeito e cuidado para com os detidos podia-se bem ver em cada um dos detalhes do seu trabalho, fazendo sentir cada um das suas palavras e cada um dos seus actos, e fazendo sentir o seu caloroso sentimento. Foi talvez a minha grande sorte, ao ter-me permitido conhecer este sincero, honesto, consciencioso, oficial correccional durante o meu tempo em Beikan. É precisamente por causa destas convicções e desta experiência pessoal que eu estou firmemente convencido que o progresso da China não mais parará, e eu, impregnado com este optimismo, olho para e futuro e para o advento de uma China livre. Para isto não há nenhuma força que possa por fim à busca da procura humana pela liberdade, e a China no fim tornar-se-á uma nação governada pela lei, onde os direitos humanos serão supremos. Eu espero também que este tipo de progresso possa reflectir-se neste presente julgamento tal como espero a condução imparcial deste tribunal – a condução que há-de resistir à História.

Se me é permitido dizer, a mais afortunada experiência destes últimos vinte anos passados anos foi o altruísta amor que recebi da minha esposa, Liu Xia. Ela não pode estar hoje presente como observadora no tribunal, mas eu quero dizer-te, minha querida, o nosso amor foi sempre saboroso, e permanece ainda infinito. Estou a servir a minha sentença numa tangível prisão, enquanto tu me esperas na intangível prisão do coração. O teu amor é a luz do sol que ultrapassa as parede altas e penetra pelas barras de ferro da janela do meu cárcere, tocando todos os milímetros da minha pele, aquecendo todas as células do meu corpo, permitindo guardar-me sempre em paz, abrindo e resplandecendo o meu coração, e acompanhando-me com carinho todos os minutos do meu tempo na prisão. O meu amor por ti, por outro lado, é tão cheio de remorsos e arrependimento que às vezes faz-me esmagar sobre o seu peso. Sou uma insensata pedra do deserto, fustigada pela força do vento e pelo sol torrencial, tão quente que ninguém se atreve a tocar. Mas o meu amor é sólido e aguçado, capaz de atravessar através de qualquer obstáculo. E mesmo que eu seja esmagado em pó, eu usarei as minhas cinzas para te abraçar.

Minha querida, com o teu amor eu posso fazer face ao actual julgamento, não tendo arrependimento acerca das escolhas que fiz e para o que espero com optimismo no amanhã. Eu olho para o futuro e para o dia em que o meu país será um terra de liberdade de expressão, onde o discurso livre de cada cidadão será tratado com igualdade: onde os diferentes valores, ideais, crenças, e pontos de vista políticos … possam todos competir entre si e coexistirem pacificamente; onde os pontos de vistas das maiorias e os das minorias sejam igualmente garantidos, e onde os pontos de vista políticos diferentes dos actuais do poder, em particular, sejam totalmente respeitados e protegidos; onde todos os cidadãos possam exprimir os seus pontos de vista políticos e estes possam ser espalhados sob o sol para o povo os poder escolher livremente, onde cada cidadão possa tomar os seus pontos de vista políticos sem medo, e onde nenhum pessoa e em nenhuma circunstância possa sofrer perseguições policiais por tomar visões politicas divergentes. Eu espero que eu seja a última vítima da China das inquisições literárias e que daqui em diante ninguém seja incriminado por causa da expressão do seu pensamento. A liberdade de expressão é o fundamento dos direitos humanos, a força da humanidade, e a mãe da verdade. O estrangulamento da liberdade de expressão equivale a pisar os direitos humanos, a reprimir a Humanidade, e a suprimir a verdade. Em ordem ao exercício do direito à liberdade de expressão conferido pela Constituição, cada um deve cumprir a sua própria responsabilidade de cidadão Chinês. Não há nada de ilícito em tudo o que fiz. Se as acusações são trazidas contra mim são por causa de tudo isto, eu não tenho qualquer queixa a fazer.

Obrigado a todos.



publicado por Sérgio Passos às 19:56
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 22 de Dezembro de 2010
A mais bela declaração de amor de 2010.

“Liu Xia, eu quero te dizer, minha querida esposa, o nosso amor foi sempre saboroso, e permanece ainda infinito. Estou a servir a minha sentença numa tangível prisão, enquanto tu me esperas na intangível prisão do coração. O teu amor é a luz do sol que ultrapassa as parede altas e penetra pelas barras de ferro da janela do meu cárcere, tocando todos os milímetros da minha pele, aquecendo todas as células do meu corpo, permitindo guardar-me sempre em paz, abrindo e resplandecendo o meu coração, e acompanhando-me com carinho todos os minutos do meu tempo na prisão. O meu amor por ti, por outro lado, é tão cheio de remorsos e arrependimento que às vezes faz-me esmagar sobre o seu peso. Sou uma insensata pedra do deserto, fustigada pela força do vento e pelo sol torrencial, tão quente que ninguém se atreve a tocar. Mas o meu amor é sólido e aguçado, capaz de atravessar através de qualquer obstáculo. E mesmo que eu seja esmagado em pó, eu usarei as minhas cinzas para te abraçar.” (do texto de Lio Xiaobo, lido na sua ausência, na Cerimónia de 10-12-2010 da sua entrega do Prémio Nobel da Paz)



publicado por Sérgio Passos às 23:39
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 21 de Dezembro de 2010
Já não tenho sono.

Não sonho nem sono tenho

Perdi o sono faz tempos e são idos

Perdi o sonho não sei de lembranças

Parto por caminhos percorridos demandando

Dou passos atrás e à frente não os conto

Ando sem destino e à sorte e acaso

Vou por rios e mares vou e volto sem ventos

Vem a noite parte o dia e não há mais

Vou deste lugar sem eira nem beira

Sou órfão da minha alma e nem sonho

O dia é uma noite e a noite é um dia

Abraçam-me sem repouso a noite e o dia

Aqui vivo jazo lembrando-me sem sono

Vazio de sonhos sem contas nem rosário

É a saudade tomando-me dona e já não sou

Já não tenho sonho.



publicado por Sérgio Passos às 10:52
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Dezembro de 2010
Olhos.

Olhos que procuram perto e longe

São avistados aos seus olhos quem a perscruta

Em seus lábios sorri-lhe o seu sentido

O desiderato da sua expressão só ela sabe.

A quem a olha queda-se a interrogação: olhará para mim?



publicado por Sérgio Passos às 02:17
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Dezembro de 2010
A Constituição da República vai a enterrar.

“A Assembleia Constituinte afirma a decisão do povo português …de abrir caminho para uma sociedade socialista..., tendo em vista a construção de um país mais livre, mais justo e mais fraterno.” Sabem onde é que isto se encontra escrito? Na Constituição da República Portuguesa! Mas…, alguém em juízo perfeito ainda acredita em tamanha treta!? Ou não será este mais um dos equívocos pelo qual Portugal se enferma e caminha todos os dias para o empobrecimento geral da condição dos portugueses? A questão da eliminação ou manutenção daquela parte do texto do Preambulo da Constituição , tese esta última que vingou com o apoio histérico da esquerda,  foi agora tratada nos trabalhos da sua revisão. Ora vejam o puro desperdício de tempo que vai na Assembleia da República com a alteração de pura semântica à volta da Lei Fundamental, ou lá o que as excelsas cabeças dos deputados da nação se perdem a pensar e a dirimir entre eles. Na verdade, a Constituição mais não é hoje do que um de puro conto da carochinha e que ninguém respeita nem dela quer saber: o Governo que a viola todos os dias, a Assembleia da República que a lê todos os dias de maneira diferente e ao sabor da conveniência do momento e da maioria parlamentar, o Presidente da República que não a guarda nem faz cumprir, os Tribunais que não a aplicam, o Estado e a Administração Pública que a desconhecem em absoluto e o Povo que se ri dela. Seja, ou fosse. A sorte da pobre coitada é que dentro de não mais de 2 anos a realidade do país se encarregará de lhe dar melhor destino, encomendando-a definitivamente ao criador, e outra bem mais pragmática, democrática e eficaz a tratará de substituir. Para que e finalmente, uma nova Constituição Portuguesa, no quadro de um regime político mais livre, democrático, participado, transparente e evoluído,  abra lugar ao tão desejado progresso social, económico e cultural de Portugal, o que aquela nunca serviu ou permitiu, muito pelo contrário.



publicado por Sérgio Passos às 01:00
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 8 de Dezembro de 2010
As palavras que nunca te direi.

Nunca mais nunca

Desta água beberei e para o ar hei atirar

Nunca mais nunca mais

Aqui voltarei ou sequer te hei lembrar

As palavras que nunca

Nunca mais jamais

Nem palavras te direi nem

Adeus e para sempre

Nunca mais ver-te ouvir nem querer-te

As palavras que nunca

Vai e parte sempre naquele caminho

Nunca jamais nem ousar pensar-te nunca

Não sei não mais penso nem alvitro

Vais foste partiste fiquei me quedei e ficam-me

As palavras que não te direi.



publicado por Sérgio Passos às 16:57
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 5 de Dezembro de 2010
O Sol queimado.

O Sol vem sem dono e desapropriado das suas posses

O Sol vai-se desgarrando sem fim e sem conta

Faz-se e desfaz-se em vestes purpúreas

A luz vinda do fundo do seu fogo redondo

Calotes de fogo apresentadas são dias

E de costas voltadas vive às noites

O dia e a noite vivem nos dois lados do Sol

Astro de alimento de planetas de um sistema

Arco-íris do abraço encontrado nesta terra viva

Afinal sem fim a luz segue além e se vai

O Sol morre vivo no rasto deixado por alimento

O Sol é a minha vista enxergada aquém e além

As espécies aquecem-se e rebolam-se no seu claro calor

A fauna, a flora, a terra retorcem radiação

O fogo percorre a vida a cinzento e todas as cores

A vida é luz, os electrões são santidade e no fim somos cinza.



publicado por Sérgio Passos às 02:09
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Agosto 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

A "cláusula democrática" ...

Justiça para Pedrógão Gra...

Crescimento económico de ...

Contribuintes portugueses...

64 homicídios

Os repetidos contratos po...

António Costa contratou a...

O crescimento pornográfic...

A fácil e a difícil soluç...

Jornalismo ou Propaganda

arquivos

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

tags

todas as tags

links
Contador
blogs SAPO
subscrever feeds